quarta-feira, 30 de abril de 2014

30/4: ENCONTRO COM A FONOAUDIÓLOGA

Acontece neste dia 30/4, quarta-feira, no salão da igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação, a partir das 19h30, o encontro dos Músicos, Ministros Extraordinários da Palavra de Deus, Ministros Extraordinários da Distribuição da Eucaristia e demais pessoas interessadas, o encontro com o profissional: Fonoaudióloga.

Venha participar desse encontro. 

MISSA NO SANTUÁRIO ABRE ASSEMBLEIA DOS BISPOS EM APARECIDA


Aparecida (RV) - Tem início na manhã desta quarta-feira, com a celebração Eucarística no Santuário de Nossa Senhora Aparecida, a 52ª Assembleia Geral (AG) dos Bispos do Brasil, no maior encontro episcopal do ano, que reúne mais de 300 bispos de todo o país. A Santa Missa é presidida pelo Presidente da CNBB, Cardeal Raymundo Damasceno Assis. Em seguida terão inicio os trabalhos desta Assembleia no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida. Durante os encontros que se encerrarão no próximo dia 9 de maio, serão debatidos sete temas prioritários, dez temas diversos e o tema central “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”. A pauta conta também com retiro, reuniões, celebrações especiais e comunicações.

O Arcebispo de Aparecida (SP) e Presidente da CNBB, Cardeal Raymundo Damasceno Assis, elencou os principais assuntos que serão tratados. “Durante o evento, os bispos irão refletir sobre temas importantes como a renovação paroquial. Depois nós vamos também iniciar uma reflexão sobre os cristãos leigos na Igreja e na sociedade. Teremos um tema a ser aprovado sobre a questão agrária, assim como um documento sobre a realidade nacional, referente à situação atual, num momento que estamos nos aproximando das eleições”, disse o cardeal.

Dentro dos temas diversos, haverá análises de conjuntura político-social e eclesial; a preparação para a 3ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, que debaterá os novos desafios da família para a nova evangelização; a exortação sobre a nova evangelização, do Papa Francisco; a avaliação e encaminhamento das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora (DGAE) de 2015 a 2018; as consequências e desafios pastorais da Jornada Mundial da Juventude. Os Regionais da CNBB e a Amazônia também estão na pauta da AG. A Rádio Vaticano conversou com Dom Raymundo... 

Nos dias da Assembleia haverá reuniões dos Conselhos Episcopais dos Regionais e dos bispos referenciais. Outros momentos estão reservados para comunicações das Comissões Episcopais, dos organismos do povo de Deus, do grupo de trabalho sobre o Concílio Vaticano II e das dioceses. Os desdobramentos e aplicações do acordo do Brasil com a Santa Sé, a administração do Pontifício Colégio Pio Brasileiro, a fala do presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) sobre a situação dos indígenas no Brasil, a Pastoral do Dízimo e os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida fazem parte das comunicações.

Os bispos são convocados para a Assembleia Geral de acordo com as disposições regimentais da CNBB. A participação dos bispos eméritos não é obrigatória, mas eles são convidados para partilhar suas experiências, como destacou o subsecretário adjunto de pastoral da CNBB, Padre Francisco Wloch. “Os bispos eméritos são numerosos no Brasil e dão uma rica contribuição para a Assembleia, o que ajuda muito na caminhada da Igreja do Brasil”, disse o padre.

Programação

Algumas atividades já têm data definida no calendário da 52ª AG. No dia 1º de maio, às 20h30, haverá a entrega dos Prêmios de Comunicação, no Auditório da TV Aparecida. No dia 4 de maio, às 8 horas, os bispos celebrarão missa solene, no Santuário de Aparecida, em honra a São José de Anchieta, o “Apóstolo do Brasil”, canonizado no último dia 3 pelo Papa Francisco.
Haverá, ainda, o retiro dos bispos, no dia 3, com o tema “Caminhando na Fé”. O pregador este ano será o arcebispo de Chieti, em Vasto (Itália), Dom Bruno Forte. No dia 6, os bispos participarão de uma celebração ecumênica, no Centro de Eventos. 

Durante a Assembleia serão divulgadas, ainda, mensagens sobre o Dia dos Trabalhadores e sobre as eleições. De Aparecida para a Rádio Vaticano, Silvonei José.

AUDIÊNCIA: COM O ESPÍRITO SANTO, ABRIR A MENTE PARA ENTENDER AS PALAVRAS DE DEUS


Cidade do Vaticano (RV) – A Praça S. Pedro ficou lotada para a Audiência Geral desta quarta-feira, em que a chuva dos últimos dias deu lugar ao sol e a uma temperatura mais amena.

Por quase meia-hora, o Papa Francisco fez o giro de toda a Praça com o seu papamóvel, para receber e retribuir o carinho dos fiéis entusiasmados. 

Depois do período pascal, o Pontífice retomou o ciclo de catequeses sobre os sete dons do Espírito Santo, falando desta vez sobre o entendimento.

“Não se trata da inteligência humana, da capacidade intelectual de ser mais ou menos dotados. Mas é um dom que torna o cristão capaz de ultrapassar o aspecto exterior da realidade para perscrutar as profundezas do pensamento de Deus e do seu plano de salvação”, explicou Francisco. 

Assim o dom do entendimento está intimamente ligado com a fé, pois nos faz analisar uma situação de acordo com a inteligência de Deus, e não com a inteligência humana.

“Quando o Espírito Santo habita no nosso coração e ilumina a nossa inteligência, faz-nos crescer na compreensão daquilo que Jesus disse e realizou”, disse o Papa, convidando a multidão a pedir esta graça. 

O próprio Jesus prometeu que o Espírito Santo havia de nos recordar os seus ensinamentos e Francisco citou um episódio do Evangelho de Lucas, dos dois discípulos a caminho de Emaús. 

À medida que iam ouvindo Jesus explicar que Ele devia sofrer e morrer para depois ressuscitar, a mente deles abriu-se e recendeu-se a esperança nos seus corações. “É precisamente o que o Espírito Santo nos faz: nos abre a mente para entender melhor as coisas de Deus, as coisas humanas, as situações, todas as coisas”, disse o Papa, que concluiu:

“É importante o dom do entendimento para a nossa vida cristã! Peçamos ao Senhor que nos dê esta graça para entender como Ele compreende as coisas que acontecem a para entender, sobretudo, as palavras de Deus no Evangelho.”

Na saudação aos fiéis presentes na Audiência, aos de língua portuguesa disse: “Dirijo uma cordial saudação aos peregrinos de língua portuguesa, nomeadamente ao Rancho Folclórico de Macieira da Lixa e ao grupo brasileiro de Araraquara. Agradeço a vossa presença e encorajo-vos a continuar a dar o vosso fiel testemunho cristão na sociedade. Deixai-vos guiar pelo Espírito Santo para entenderdes o verdadeiro sentido da história. De bom grado abençoo a vós e aos vossos entes queridos”.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

C8: ÚLTIMO DIA DE REUNIÕES COM O PAPA. CONCLUSÕES PREVISTAS PARA 2015


Cidade do Vaticano (RV) – Nesta quarta-feira, conclui-se no Vaticano o encontro do Conselho de Cardeais – conhecido como C8 – com a participação do Papa Francisco.

Uma nota divulgada pelo Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, afirma que “ainda há muito trabalho a realizar”, de modo que a conclusão está prevista para 2015.

Pe. Lombardi informa ainda que na próxima sexta-feira, 2 de maio, se reunirá pela primeira vez o "Conselho para a Economia", criado pelo Pontífice no mês de fevereiro.

O Cardeal alemão Reinhard Marx, Arcebispo de Munique, é o responsável por coordenar este grupo, que é composto por 15 membros, dos quais oito cardeais e sete peritos leigos de várias nacionalidades.

Os outros sete cardeais deste conselho econômico são: Jean Luis Cipriani Thorne, do Peru; Daniel DiNardo, dos Estados Unidos; Wilfrid Fox Napier, da África do Sul; Jean-Pierre Ricard, de França; Norberto Rivera Carrera, do México; John Tong Hon, de Hong Kong e Agostino Vallini, da Itália.

Este Conselho para a Economia vai trabalhar diretamente com o Cardeal George Pell, Arcebispo de Sidney (Austrália), que assume as funções de prefeito da Secretaria para a Economia.

Este Conselho foi criado em 24 de fevereiro, com a finalidade de efetuar o controle econômico e vigiar sobre as estruturas e as atividades administrativas e financeiras dos Dicastérios da Cúria Romana, das Instituições ligadas à Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano.

A nova Secretaria, que responde diretamente ao Papa, assume a responsabilidade de preparar o orçamento anual para a Santa Sé e o Estado da Cidade do Vaticano, bem como a planificação financeira dos mesmos.

ARQUIDIOCESE METROPOLITANA DE SÃO PAULO GANHA DOIS NOVOS BISPOS AUXILIARES


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco nomeou dois Auxiliares para a Arquidiocese de São Paulo.

São eles: o Rev. José Roberto Fortes Palau, do clero da diocese de São José dos Campos, até então Pároco da Paróquia “Santo Agostinho” naquela diocese, e o Rev. Carlos Lema Garcia, da Prelazia Pessoal da Santa Cruz e Opus Dei, até então Diretor Espiritual da Opus Dei no Brasil. 

Dom Fortes Palau nasceu em 9 de abril de 1965 em Jacareí, diocese de São José dos Campos. Estudou Filosofia no Instituto de Teologia e Filosofia “Santa Teresinha” da cidade e Teologia no Instituto Teológico “Sagrado Coração de Jesus” em Taubaté. Foi ordenado sacerdote em 6 de fevereiro de 1993. Obteve a Licenciatura em Teologia Espiritual na Pontifícia Faculdade de Teologia “Teresianum” e o Doutorado em Teologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

No decorrer do ministério sacerdotal, sempre trabalhando na cidade de São José dos Campos, desempenhou as seguintes funções: Vigário paroquial da Paróquia “Sant’Ana” (1993); Pároco da Paróquia “São José” (1997-2000); Reitor do Seminário de Teologia da diocese de São José dos Campos (2000-2011); Vigário paroquial da Paróquia “São Bento” (2004-2011); Vigário-Geral da diocese (2005-2013). Desde 2011, é Pároco da Paróquia “Santo Agostinho”.

Dom Lema Garcia nasceu em 30 de junho de 1956 em São Paulo. Membro da Prelazia Pessoal “Opus Dei”, estudou Filosofia no Studium Generale da Opus Dei no Brasil e Teologia na Pontifícia Universidade “Santa Cruz”, em Roma. Fez o Doutorado em Teologia Dogmática e formou-se em Teologia Moral, ambos na Pontifícia Universidade “Santa Cruz”. Além disso, é formado em Direito pela Universidade de São Paulo. Foi ordenado sacerdote em 2 de junho de 1985.

No decorrer do ministério sacerdotal, Dom Lema Garcia desempenhou as seguintes funções: Capelão do Centro Universitário do Itaim, em São Paulo (1985-1990); Capelão do CEAC, em Brasília (1990-1993); Capelão do Centro Cultural “Mirador” em Porto Alegre (1997-2002); Vigário Secretário da Delegação da Prelazia no Brasil, com sede em São Paulo (2004-2010). Desde 2010 é o Diretor Espiritual da Opus Dei no Brasil, com residência em São Paulo

terça-feira, 29 de abril de 2014

FORMAÇÃO SOBRE A "EVANGELII GAUDIUM"

A Paróquia São Pedro Apóstolo (Catedral) convida a todos para a formação sobre a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, escrita pelo Papa Francisco, que menciona sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual.

A formação será realizada na Igreja/Catedral de São Pedro Apóstolo, cidade de Cachoeiro de Itapemirim, no dia 30 de maio de 2014, quarta-feira, das 19h30 às 21h30, com assessoria do Pe. João Batista Maroni, do clero diocesano.

Participe!

FORMAÇÃO SOBRE A EXORTAÇÃO APOSTÓLICA EVANGELII GAUDIUM
Data: 30/5/2014 - quarta-feira
Local: Catedral de São Pedro - Cachoeiro de Itapemirim
Horário: 19h30 às 21h30

Organização do Conselho de Pastoral Paroquial da Catedral

FESTA DA PENHA 2014 CHEGA AO FIM

A Festa da Penha 2014 terminou na última segunda-feira, 28/4, com a Celebração Eucarística no Parque da Prainha, na cidade de Vila Velha, às 16h, com a presença dos bispos da Província Eclesiástica do Espírito Santo e, também, do Núncio Apostólico no Brasil - Dom Giovanni D'Aniello, em visita ao estado.

A Diocese de Cachoeiro de Itapemirim esteve presente na Festa de Nossa Senhora da Penha, com a tradicional Romaria Diocesana ao Convento da Penha, realizada no sábado, 26/4.

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim




C8: PAPA E SECRETÁRIO DE ESTADO PARTICIPAM DAS REUNIÕES


Cidade do Vaticano (RV) – Na manhã desta terça-feira, o Papa Francisco participou da reunião com o Conselho de Cardeais (conhecido como C8 por incluir oito membros dos cinco continentes). Esta série de encontros teve início nesta segunda e se concluirá na quarta.

O Conselho de Cardeais tem como missão auxiliar o Papa no governo da Igreja e promover o aperfeiçoamento do documento que regulamenta atualmente a Cúria Romana, dicastérios da Santa Sé e a constituição 'Pastor bonus', assinada por João Paulo II em 28 de junho de 1988. 
Entre as decisões já tomadas, está a criação de uma estrutura de coordenação para as atividades econômicas e administrativas da Santa Sé e do Vaticano, sob a direção do Cardeal George Pell, membro deste conselho. A nova Secretaria para a Economia terá autoridade sobre todas as atividades econômicas e financeiras.

Além da “estrutura económico-organizativa da Santa Sé”, o último encontro abordou a situação do Instituto para as Obras de Religião (IOR), tendo o Papa optado por manter a instituição financeira em funcionamento. 

O organismo vai continuar a ser alvo de supervisão regular por parte da Autoridade de Informação Financeira do Vaticano. Nesse sentido, a Comissão Cardinalícia de Vigilância do IOR anunciou nesta segunda-feira que se vai reunir "três vezes por ano, a não ser que haja circunstâncias particulares que exijam outros encontros".

Esta é quarta reunião de Francisco com o Conselho de Cardeais, que ele nomeou em abril de 2013. 

A próxima rodada de encontros será de 1º a 4 de julho. 

Os oito cardeais são: o hondurenho Oscar Rodriguez Maradiaga, que é coordenador, o italiano Giuseppe Bertello, o chileno Francisco Errazuriz Ossa, o indiano Oswald Gracias, o alemão Reinhard Marx, o congolês Laurent Monsengwo Pasinya, o estadunidense Sean O'Malley e o australiano George Pell. Também estão participando o Secretário de Estado, Card. Pietro Parolin, e o secretário particular do Papa, Mons. Alfred Xuereb. 

FRANCISCO: UMA COMUNIDADE CRISTÃ DEVE ESTAR EM PAZ, TESTEMUNHAR CRISTO E ASSISTIR OS POBRES


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco celebrou esta manhã a Missa na Capela da Casa Marta. 

A homilia do Pontífice foi inspirada na leitura extraída do Ato dos Apóstolos, que descreve a primeira comunidade cristã. Francisco se concentrou em três características deste grupo, que era capaz de plena concórdia no seu interior, de testemunhar Cristo fora dela e impedir que nenhum de seus membros sofresse a miséria. 

“(A comunidade) ’tinha um só coração e uma só alma’. A paz. Uma comunidade em paz. Isso significa que entre eles não havia lugar para intrigas, para a inveja, para as calúnias, para a difamação. Paz. O perdão: ‘O amor cobria tudo’. Para qualificar uma comunidade cristã, devemos nos questionar como é a atitude dos cristãos. São humildes? Naquela comunidade há brigas pelo poder? Brigas por inveja? Há intrigas? Então não estão no caminho de Jesus Cristo. Esta peculiaridade é tão importante, tão importante, porque o demônio sempre tenta nos dividir. É o pai da divisão”.

Certamente naquela primeira comunidade havia problemas. O Papa citou as “lutas internas, as lutas doutrinais, de poder” que se verificaram depois. Todavia, aquele “momento forte” do início fixou para sempre a essência da comunidade nascida do Espírito. Uma comunidade concorde e, em segundo lugar, uma comunidade de testemunhas da fé, em relação à qual podemos analisar qualquer comunidade de hoje:

“É uma comunidade que testemunha a ressurreição de Jesus Cristo? Esta paróquia, esta comunidade, esta diocese acredita realmente que Jesus Cristo ressuscitou? Ou diz: ‘Sim, ressuscitou’, mas o coração está distante desta força?

Para Francisco, é através do modo como uma comunidade testemunha Jesus que se pode analisá-la. A terceira característica são “os pobres”. E aqui o Papa inclui outros dois pontos:

“Primeiro: como é a sua atitude ou a atitude desta comunidade com os pobres? Segundo: esta comunidade é pobre? Pobre de coração, pobre de espírito? Ou deposita a sua confiança nas riquezas? No poder? Harmonia, testemunho, pobreza e cuidar dos pobres. E isso é que Jesus explica a Nicodemos: este nascer do Alto. Porque o único que pode fazer isso é o Espírito. Esta é obra do Espírito. É ele quem faz a Igreja. O Espírito faz a unidade, impulsiona ao testemunho. O Espírito nos faz pobres, porque Ele é a riqueza e faz com que cuidemos dos pobres”.

“Que o Espírito Santo – concluiu o Papa Francisco – nos ajude a caminhar sobre esta estrada de renascidos pela força do Batismo”.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

28/4: 29 ANOS DO MARTÍRIO DE IRMÃ CLEUSA CAROLINA RODY COELHO

Neste dia 28 de abril a Igreja Católica no Brasil, mais especialmente, a Igreja presente na Prelazia de Lábrea – Amazonas e da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim recordam os 29 anos do martírio de Irmã Cleusa Carolina Rody Coelho, pertencente a Congregação das Missionárias Agostinianas Recoletas (MAR).

Mas quem foi Irmã Cleusa?
Cleusa Carolina Rody Coelho, nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, Estado do Espírito Santo, aos 12 de novembro de 1933, filha de Jair Moreira Coelho e Francisca Rody Coelho. Foi batizada aos 07 de julho de 1935, em Barra do Itapemirim, na Paróquia Nossa Senhora do Amparo.


Ainda na época de preparação para participar da Eucaristia, iniciou seus contados com os Padres Agostinianos Recoletos que trabalhavam na Paróquia de São Pedro, em Cachoeiro de Itapemirim.


Estudou no Colégio João Bley, no Município de Itapemirim, onde realizou o curso primário e depois estudou no Colégio Estadual Muniz Freire – Liceu, em Cachoeiro de Itapemirim, local que recebeu a medalha de ouro por ser a melhor aluna, por dois anos seguidos.


Por ter sido considerada a melhor aluna de toda escola no curso de Magistério, recebeu do Governo do Estado, como prêmio, o direito de exercer o trabalho de Professora na escola que escolhesse, sem necessitar entrar em concurso de ingresso e remoção. Cleusa, nesse exato momento, escolheu deixar tudo e ingressar na vida religiosa.


Cleusa para ingressar na congregação deveria ser crismada, fato ocorrido aos 25 de agosto de 1951, em Cachoeiro de Itapemirim, por D. Frei José Alvarez Mácua, primeiro Bispo Prelado de Lábrea, que estava na cidade em visita aos Irmãos Religiosos da Ordem Agostiniana Recoleta.


No dia 04 de fevereiro de 1952 ingressou na Congregação das Missionárias Agostinianas Recoletas, na primeira casa da congregação localizada na Ilha das Flores, no Estado Rio de Janeiro.


Recebeu o hábito religioso no dia 02 de outubro de 1952 e adotou o nome religioso de Sor Maria Ângelis Coelho de São José. Emitiu seus primeiros votos religiosos em 03 de outubro de 1953.


Esteve em missão nos seguintes locais: Lábrea – Amazonas; Colatina – Espírito Santo; Vitória – Espírito Santo; Manaus – Amazonas.


No dia 28 de abril de 1985, em defesa da terra e da paz indígena, Irmã Cleusa, foi assassinada, às margens do Rio Paciá, na Prelazia de Lábrea – Amazonas.


Portanto, dedicou 32 anos de sua vida missionária ao serviço dos mais empobrecidos: os hansenianos, os presidiários, os cegos, os menores de rua, os índios, etc.


A exumação de seu corpo deu-se no dia 23 de maio de 1991, os restos mortais foram depositados na Igreja Nossa Senhora de Fátima, em Lábrea - Amazonas. Os ossos do seu braço direito, decepado na hora do crime, estão, desde o dia 02 de junho de 1991, depositados na Catedral Metropolitana de Vitória, quando então foi iniciado o processo de sua beatificação, cujo encerramento se deu na Arquidiocese de Vitória, aos 25 de abril de 1993.


O processo, atualmente, encontra-se na Congregação para as Causas dos Santos, no Vaticano.

PARABÉNS FREI MARCUS!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 28 de abril de 2014, recorda o aniversário natalício de 38 anos de Frei Marcus Vinícius Dorrigo Leite, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação parabeniza esse sacerdote e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Marcus Vinícius Dorrigo Leite, O.A.R., atualmente, reside e trabalha no Seminário Teológico Santa Mônica e como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na cidade de São Paulo (SP).

domingo, 27 de abril de 2014

PARABÉNS FREI LEOPOLDO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 27 de abril de 2014, recorda o aniversário natalício de 49 anos do Frei Antônio Leopoldo Sarroche Filho, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse sacerdote e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Antônio Leopoldo Sarroche Filho, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Santa Rita de Cássia, na cidade de Igarapava (SP).

Frei Leopoldo no estado do Espírito Santo já trabalhou, como vigário paroquial, nas cidades de Muqui, Cachoeiro de Itapemirim e Vitória.

sábado, 26 de abril de 2014

REFLEXÃO PARA O 2º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO A


Cidade do Vaticano - (RV) - A primeira leitura deste domingo nos relata a vida dos primeiros cristãos. Ela está estruturada sobre quatro colunas: o ensinamento dos apóstolos, a partilha dos bens, a partilha do pão ou Eucaristia e as orações em comum.

O ensinamento dos apóstolos ou catequese provocava nos discípulos uma mudança de vida. A fé na palavra de Deus, revelada por e em Jesus Cristo, agora era explicada pelos apóstolos, e os cristãos deixavam de ser simples cidadãos, para com suas vidas, testemunharem Jesus Cristo. Esse testemunho veremos concretamente nas outras três colunas.

Se acreditavam em Jesus Cristo, elas criam que Deus era Pai de todos e isso os levava a um sentimento de radical fraternidade, daí a partilha de bens, a renúncia à propriedade particular, onde tudo é, livremente, colocado em comum e distribuído de acordo com as necessidades pessoais. Com isso não existe mais pobres.

A partilha do pão celebrava a memória de Jesus que partilhou sua vida. Assim, se reuniram para realizar o gesto e o mandamento de Jesus: “Fazei isso em minha memória de mim”.
O Senhor estava presente no meio deles de modo eucarístico e era partilhado como alimento, como sustento para o dia a dia.

Finalmente a Comunidade também se reunia para louvar o Senhor e, certamente, rezar o Pai-Nosso.

O autor dos Atos nos fala ainda que esse estilo de vida simples, fraterno e temente a Deus, suscitava a adesão de outras pessoas a fazerem parte do grupo dos amigos de Jesus.

Peçamos ao Senhor que nossa vida de batizados, de homens e mulheres que creem em Jesus, seja fiel à nossa profissão de fé.

Para isso vale que cada noite nossa consciência diante do Senhor nos diga até onde vivemos nossa fé, se fomos capazes de partilhar nossos bens, nosso tempo, nossa atenção, nossa capacidade de ajudar o outro.

A partilha do pão eucarístico da vida que é Jesus deverá refletir o meu dia, meu ato de partilhar os bens que geram vida, com aquele irmão ou irmã, aquele próximo que é carente deles.

Feliz Páscoa!

Pe. Cesar Augusto dos Santos, SJ

PE. LOMBARDI: BENTO XVI CONCELEBRARÁ COM FRANCISCO A MISSA DE CANONIZAÇÃO DE JOÃO XXIII E JOÃO PAULO II


Cidade do Vaticano (RV) - Bento XVI concelebrará com o Papa Francisco a missa de canonização dos Papas João XXIII e João Paulo II, neste domingo, 27 de abril, na Praça São Pedro. O anúncio, muito esperado, foi dado pelo Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, no início da última coletiva realizada neste sábado, 26, véspera desse evento histórico.

"O Papa emérito Bento XVI aceitou o convite e comunicou ao Papa Francisco que estará presente na celebração, na manhã deste domingo, e que concelebrará, ou seja, será também concelebrante, isso não quer dizer que estará no altar", sublinhou o porta-voz vaticano.

"Estarão presentes no altar os Cardeais Angelo Sodano, Giovanni Battista Re, Stanislaw Dziwisz, e Agostino Vallini, e também o bispo de Bérgamo.'

"O Papa emérito estará com os cardeais e bispos à esquerda do adro e estaremos todos felizes de contar com a sua presença", concluiu Pe. Lombardi.

26/4: NOSSA SENHORA, MÃE DO BOM CONSELHO


Em 1903, Leão XIII incluiu a invocação da «Mãe do Bom Conselho» na ladainha Lauretana. O culto à virgem com o titulo de Mãe do Bom Conselho, difundido hoje pelo mundo inteiro, tem sua origem na cidade de Genazzano, situada às portas de Roma, onde tem um célebre Santuário. No dia 25 de abril de 1467 um afresco que representava a Virgem com o menino que abraçava a Mãe, «apareceu de modo admirável» em uma parede da Igreja agostiniana que se encontrava em restauração. Imediatamente a Igreja se converteu em meta de peregrinações e a imagem estática da Virgem do Bom Conselho se difundiu pelo mundo inteiro. 

Com razão honramos à Maria com o titulo de Bom Conselho, já que ela é Mãe de Cristo, «O conselheiro admirável» (Is 9, 5), viveu sob a guia do Espírito de conselho e acolheu intimamente o eterno Conselho de recapitular todas as coisas em Cristo ( cf. Ef 1, 10). 

Ao honrar à Virgem do Bom Conselho queremos implorar a Deus o dom do conselho, «para que nos faça conhecer o que agrada ao Senhor, e nos guie nas peripécias da vida». 


Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.A899Dqib.dpuf

sexta-feira, 25 de abril de 2014

26/4: ROMARIA AO CONVENTO DA PENHA

A Festa da Penha 2014 começou com a celebração do Oitavário no Domingo de Páscoa, desde então já aconteceram Romarias e Missas no campinho do Convento, sempre com grande participação de fiéis.

Como de costume, a Diocese de Cachoeiro de Itapemirim participa das festividades com sua Romaria ao Convento de Nossa Senhora da Penha, no sábado, dia 26 de abril.
Cerca de 65 (sessenta e cinco) ônibus estão confirmados para Romaria desse sábado, que contará com fiéis oriundos, praticamente, de todas as paróquias da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim.

Além de visitar o Convento da Penha, a capela e conferir de perto as belezas naturais do local, os romeiros da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim participarão da Celebração Eucarística, às 15h, presidida pelo bispo diocesano Dom Frei Dario Campos, O.F.M. e concelebrada pelos padres da Diocese.

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim

PARABÉNS DOM ORANI!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 25 de abril de 2014, recorda o 17º aniversário de sagração (ordenação) episcopal de Dom Orani João Cardeal Tempesta - Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ) e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com o Cardeal e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria na condução do Povo de Deus da cidade maravilhosa. 

Nasceu em São José do Rio Pardo, SP, em 23 de junho de 1950;
Fez a profissão perpétua como membro da Ordem dos Cistercienses em 2 de fevereiro de 1969;
Ordenado sacerdote em 7 de dezembro de 1974;
Eleito Bispo de São José do Rio Preto em 26 de fevereiro de 1997;
Ordenado Bispo em 25 de abril de 1997, tomando posse como Bispo de São José do Rio Preto na mesma ocasião;
Foi Administrador Apostólico da Abadia Territorial de Claraval, MG, de 24 de março de 1999 a 11 de dezembro de 2002;
Eleito Arcebispo de Belém do Pará em 13 de outubro de 2004;

Tomou posse como Arcebispo de Belém do Pará em 8 de dezembro de 2004;
Transferido para a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro em 27 de fevereiro de 2009;
Tomou posse como Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro em 19 de abril de 2009.
Foi criado Cardeal-presbítero, com o título de Santa Maria Mãe da Providencia no Monte Verde no Consistório Ordinário Público de 2014 realizado no dia 22 de fevereiro de 2014.
Nomeado membro do Pontifício Conselho para os leigos no dia 06 de fevereiro de 2014.

BRIEFING SOBRE AS CANONIZAÇÕES: NÃO ESTÁ CONFIRMADA A PRESENÇA DE BENTO XVI


Cidade do Vaticano (RV) – Terceiro dia de briefing nesta quinta-feira, na Sala de Imprensa da Santa Sé, em vista das canonizações de João XXIII e João Paulo II. Na manhã desta quinta-feira tratou-se da vigília de oração que, a partir de sábado, prepararão os peregrinos presentes em Roma para a celebração do dia 27. Padre Federico Lombardi recordou os momentos relevantes do rito, ao qual está prevista, até o momento, a participação de representantes de outras religiões, de 93 delegações oficiais de diversos países e 24 entre Chefes de Estados e realeza. Pelo menos 150 Cardeais e mil bispos irão concelebrar. Não existe nada oficial sobre a presença do Papa Emérito Bento XVI na celebração na Praça São Pedro.

A grande festa da fé em Roma terá início já na noite de sábado, com diversas vigílias. Será a “noite branca” de espera, com orações e cânticos animados por grupos de diversas línguas, em pelo menos dez igrejas da capital, afirmou o Porta-voz do Vicariato de Roma, Padre Walter Insero:

“Como sabeis, haverá uma noite branca de oração. Quisemos fazer de modo tal que a cidade, abrindo sobretudo as igrejas no centro, desse hospitalidade aos peregrinos, uma hospitalidade espiritual obviamente, para fazer em modo tal que, quem chegar possa dirigir-se à oração e viver uma celebração, que permita portanto preparar-se com conteúdos, com textos extraídos da Palavra de Deus. Do site www.duepapisanti.org é possível descarregar os três esquemas previstos. Nas várias igrejas do centro, onde a oração terá uma animação, existem grupos, que farão a acolhida e permitirão a oração em diversas línguas”.

Esta noite de orações será aberta às 19 horas de sábado com a Missa na Basílica no Monte santo, onde João XXIII foi ordenado sacerdote em 1904 e prosseguirá em outras igrejas a partir das 21 horas:

“Após, às 21 horas, a oração seguirá na Igreja Santa Inês em Agonia, na Praça Navona, com animação em polonês; na Igreja São Marcos no Campidoglio, em italiano e inglês; na Santa Anastácia, em língua portuguesa; na Santíssimo Nome de Jesus, na Praça Argentina, em italiano e espanhol; na Santa Maria em Vallicella e na São João Batista dos Fiorentini, em língua italiana; na Santo André do Vale, em língua francesa; na São Bartolomeu, na Ilha Tiberina, com animação em italiano e em árabe; na Santo Inácio de Loyola, no Campo Marzio e nas Igrejas dos Estigmas, Santos Apóstolos, Sagrado Coração de Jesus na Via Marsala e na Santa Maria, em italiano”.

Já na manhã de domingo – explicou Pe. Lombardi – o programa iniciará na Praça São Pedro com a oração do Terço da Misericórdia às 9 horas, com os cantos do coral da Diocese de Roma, e então, o início da celebração com a Ladainha dos Santos. Ao Coral da Capela Sistina se juntarão na ocasião também a Filarmônica de Cracóvia e o Coral da Diocese de Bérgamo. A concelebrar com o Papa estarão cerca de 130-150 Cardeais e 1000 Bispos. Os mais próximos serão o Cardeal Vigário de Roma, Vallini, o Cardeal polonês Dziwisz e o Bispo de Bérgamo, Dom Beschi. Para a distribuição da comunhão estão previstos 870 entre sacerdotes e diáconos, da Praça São Pedro à Via da Conciliação. O rito da canonização – explicou Pe. Lombardi – abrirá a celebração: com as três petições ao Papa por parte do Cardeal Prefeito da Congregação dos Santos, Angelo Amato, e então a solene fórmula recitada pelo Pontífice para a veneração da Igreja universal dos novos santos:

“Em honra da Santíssima Trindade, para a exaltação da fé católica e o incremento da vida cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e nossa, após haver longamente refletido e invocado diversas vezes a ajuda divina, escutado o parecer de muitos de nossos irmãos no Episcopado, declaramos e definimos Santos e Beatos João XXIII e João Paulo II, e os inscrevemos no álbum dos Santos e estabelecemos que em toda a Igreja eles sejam devotamente honrados entre os santos. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

Após a fórmula, serão apresentadas as relíquias dos novos Santos por pessoas próximas a eles, portanto, um momento de ação de graças e então se retomará a Missa a partir do Glória. Deve ser assinalado, como ocorre nas grandes festas, a proclamação do Evangelho em grego e em latim. 

A respeito das presenças: 

“Nenhum convite especial da Santa Sé”, esclareceu Pe. Lombardi, mas uma comunicação pela qual, quem estiver e demonstrar um particular interesse, será bem vindo. Isto vale para as delegações dos governos – são esperadas 93 delegações oficiais de diversos países e organizações internacionais e 24 entre Chefes de Estado e Presidentes com 35 delegações várias – e para os representantes de outras confissões religiosas. É esperado – disse Pe. Lombardi – um bom número de ortodoxos e anglicanos, mas também de judeus e muçulmanos.

Não existe nada oficial, por outro lado, sobre a presença do Papa Emérito Bento XVI, como sublinhou Lombardi:

“O Papa Bento é bem-vindo e sabe que sua presença é desejada e foi convidado. Nós respeitamos a sua liberdade, a sua idade e o seu sentir-se com forças para vir ou não naquele dia. Portanto, não existe nada oficial sobre sua presença, mas existe o desejo que ele venha. Se vier, ficaremos todos muito contentes, se não vier não temos o direitos de sentirmo-nos desiludidos por alguma promessa não cumprida, porque nenhuma foi feita”. (JE)

FRANCISCO: JOSÉ DE ANCHIETA FOI EXEMPLO DA ALEGRIA APOSTÓLICA


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco celebrou na tarde de ontem, 24, na Igreja de Santo Inácio, centro de Roma, uma Santa Missa em ação de graças pela canonização de São José de Anchieta, o Apóstolo do Brasil. A celebração, toda ela em português, teve a presença de cardeais, bispos, devotos de Anchieta e autoridades brasileiras. 

Na sua homilia, feita em espanhol, o Papa Francisco afirmou que a “a Igreja não cresce através do proselitismo mas por atração do testemunho”. E recordou José de Anchieta, afirmando que a força da atração dos discípulos de Jesus que irradia alegria é alegria apostólica e José de Anchieta era um exemplo desta alegria:

“Ele, junto com Nóbrega, foi um dos primeiros jesuítas que Inácio enviou à América. Jovem de 19 anos. Era tal a alegria que tinha que fundou uma nação. Pôs os fundamentos culturais de uma nação em Jesus Cristo. Não tinha estudado teologia. Não tinha estudado filosofia. Era um jovem. Também São José de Anchieta soube comunicar aquilo que tinha experimentado com o Senhor, aquilo que tinha visto e ouvido d'Ele; e essa foi e é a sua santidade. Não teve medo da alegria”.

São José de Anchieta - disse ainda o Papa - tem um hino belíssimo dedicado à Virgem Maria, a quem, inspirando-se no cântico de Isaías 52, compara com o mensageiro que proclama a paz, que anuncia a alegria da Boa Notícia. Francisco concluiu sua homilia incovando Nossa Senhora, para que “Ela, que naquele alvorecer do domingo insone pela esperança, e que não teve medo da alegria, nos acompanhe em nosso peregrinar, convidando todos a se levantarem, para entrar juntos na paz e na alegria que Jesus, o Senhor Ressuscitado, nos promete”.

O decreto de canonização de São José de Anchieta (1534-1597) foi publicado a 3 de abril e recorre a um processo instituído no século XVIII por Bento XIV.

Na conclusão da celebração o Arcebispo de Aparecida e Presidente da CNBB, Cardeal Raymundo Damasceno Assis fez um breve agradecimento ao Santo Padre afirmando que “a Igreja no Brasil e o povo brasileiro agradecem a Deus por lhes permitir realizar um sonho que durou mais de 400 anos: ver o Apóstolo do Brasil apresentado à Igreja Universal como testemunha de Jesus Cristo". 

“Estou certo, Santo Padre, de trazer à sua presença centenas de jesuítas que, ao longo de muitos anos, trabalharam para este momento. Não só dou voz aos filhos de Santo Inácio, mas também a milhares de fiéis leigos envolvidos pela santidade e carisma do Padre Anchieta. Eles deram o melhor de si para que esta celebração acontecesse. Assim, em nome de todos eles, vivos ou já na visão beatífica, quero, do fundo do coração, dizer-lhe: muito obrigado, Santidade!” 

Ainda no final da Santa Missa o Padre Anton Witwer Postulador Geral dos Jesuítas e Padre César Augusto, vice-postulador da causa de Anchieta, entregaram ao Santo Padre uma relíquia de José de Anchieta.

Presentes entre outros, o Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Scherer, o Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, Dom João Braz de Aviz, o Arcebispo emérito de São Paulo, Cardeal Cláudio Hummes, o Primaz do Brasil, Arcebispo de Salvador, Dom Murilo Krieger e o Preposto dos Jesuítas, Padre Adolfo Nicolas. (SP)

quinta-feira, 24 de abril de 2014

24 DE ABRIL: CONVERSÃO DE NOSSO PAI SANTO AGOSTINHO

«Tarde de amei, beleza sempre antiga e sempre nova, tarde te amei» ( Conf. 10, 27, 38). Com este grito de seu coração expressa Santo Agostinho seu pesar por ter gastado tantos anos de sua vida com coisas vãs. A conversão foi para ele a chegada ao porto depois de um laborioso e longo navegar pelo oceano da dúvida, da incerteza e da incoerência. Com a conversão se encontra a si mesmo e ao mesmo tempo encontra a alegria de viver, experimenta o amor no abraço misericordioso do Pai e começa a ver a Igreja como mãe de salvação e modelo de vida. 


Durante a vigília pascal do ano 387, na noite do dia 24 para 25 de abril, Agostinho e seus amigos foram batizados em Milão por Santo Ambrósio, bispo da cidade: «Fomos batizados e se desvaneceu de nós toda iniquidade pela vida passada» (Conf. 9, 6, 14).


A festa da conversão de Santo Agostinho celebra-se na Ordem Agostiniana praticamente desde o ano 1341, no dia 5 de maio, que decidiu eleger o dia anterior para celebrar a festa de Santa Mônica. Desde 14 de junho de 1928 celebra-se a conversão no dia 24 de abril.

Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.x87VQiiA.dpuf

ROMARIA DIOCESANA AO CONVENTO DA PENHA


No próximo sábado, 26/4, acontece a tradicional Romaria da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim ao Convento da Penha, em participação da diocese na Festa de Nossa Senhora da Penha - Padroeira do Estado do Espírito Santo, e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação não vai ficar fora dessa grandiosa festa em honra à Mãe de Jesus, na alegria da Ressurreição, para isso sairá com 1 (um) ônibus com destino ao Convento, às 8h, em frente da Capela Santo Agostinho, Bairro Vila Rica.

ROMARIA DIOCESANA AO CONVENTO DA PENHA
DIA: 26 DE ABRIL DE 2014 (SÁBADO)
HORÁRIO DE SAÍDA: 8 HORAS
LOCAL: EM FRENTE DA CAPELA SANTO AGOSTINHO - BAIRRO VILA RICA
MAIORES INFORMAÇÕES PELO TELEFONE: 28 3522-6607

Caso você vá nessa grande romaria, não deixe de levar os seguintes itens:

  • Protetor Solar;
  • Garrafinha com água;
  • Chapéu ou boné para se proteger do sol;
  • Alimentação (frutas, barra de cereais, etc.);
  • Utiliza roupas leves para subida da ladeira até o convento;
  • Muita alegria.

PAPA PRESIDE A GRANDE CELEBRAÇÃO DE AGRADECIMENTO PELA CANONIZAÇÃO DE ANCHIETA


Cidade do Vaticano (RV) – Na tarde desta quinta-feira, às 18h, o Papa Francisco preside na Igreja de Santo Inácio, no centro de Roma, a Missa em ação de graças pela canonização de S. José Anchieta.

O Pontífice assinou o decreto relativo ao Apóstolo do Brasil no último dia 3 de abril. “A pedido do Papa, será uma missa simples”, declarou o Vice-Postulador da Causa, Pe. Cesar Augusto dos Santos, que é também o responsável pelo Programa Brasileiro da Rádio Vaticano.

A liturgia, como não poderia deixar de ser, será a da quinta-feira da oitava de Páscoa. Escolheram-se cantos tradicionais do repertório cantado nas missas no Brasil, já que a comunidade brasileira em Roma se reunirá para esta ocasião. 

Em especial, será executado o hino de Anchieta, que será cantado no fim da missa. Após a bênção final, o Papa descerá os poucos degraus do altar e se dirigirá diante da imagem de Nossa Senhora Aparecida e de uma relíquia do Padre Anchieta e ali serão cantadas duas estrofes do hino a Nossa Senhora. 

Para esta ocasião, foram feitos livretos próprios e santinhos com a nova imagem de Anchieta (foto) e uma nova oração. Nesta nova imagem, se procurou dar uma nova visão do Padre Anchieta. “Durante 400 anos, foi veiculada uma imagem de uma pessoa de mais idade, cercada de índios e animais, com ar severo. Procuramos nessa nova imagem um Anchieta jovem, com ar de ternura e sem estar circundado por ninguém”, explicou Pe. Cesar. 

Para a Igreja, durante a celebração, foi confeccionada uma grande tela de três metros de altura com esta nova imagem.

Estarão presentes cardeais, bispos, devotos de Anchieta e autoridades brasileiras. A Rádio Vaticano transmitirá a cerimônia ao vivo, com comentários em português, a partir das 17h50 - horário de Roma (12h50 – horário de Brasília).

Ouça a reportagem completa, com a entrevista ao Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, Arcebispo de Salvador, clicando acima.

Oração

São José de Anchieta, 
Apóstolo do Brasil,
poeta da Virgem Maria,
intercede por nós,
hoje e sempre.

Dá-nos a disponibilidade
de servir a Jesus
como tu serviste nos
mais pobres e necessitados.

Protege-nos de todos os males
do corpo e da alma.

E, se for da vontade de Deus,
alcança-nos a graça
que agora te pedimos
(Pede-se a graça)

São José de Anchieta,
rogai por nós!

Pai-Nosso, Ave Maria, Glória.


PAPA: EVITAR SER "CRISTÃOS MORCEGOS", QUE TÊM MEDO DA ALEGRIA DA RESSURREIÇÃO


Cidade do Vaticano (RV) – Existem cristãos que têm medo da alegria da Ressurreição e a vida deles parece um funeral, mas o Senhor ressuscitado está sempre conosco: foi o que afirmou o Papa Francisco durante a Missa presidida na Casa Santa Marta. 

O Evangelho proposto pela liturgia do dia narra a aparição de Cristo ressuscitado aos discípulos. Na saudação de paz, ao invés de se alegrarem, eles ficam tomados de “espanto e temor”, imaginando ver um espírito. Jesus tenta explicar a eles que o que veem é a realidade, convidando-os a tocarem o seu corpo. Mas – observou o Papa – os discípulos, por causa da alegria, não podiam acreditar:

“Esta é uma doença dos cristãos. Temos medo da alegria. É melhor pensar: ‘Sim, sim, Deus existe, mas está lá; Jesus ressuscitou, mas está lá’. Um pouco de distância. Temos medo da proximidade de Jesus, porque isso nos dá alegria. E assim se explicam os muitos cristãos de funeral, não? Aos quais parece que a vida é um funeral contínuo. Preferem a tristeza, e não a alegria. Movem-se melhor não na luz da alegria, mas nas sombras, como aqueles animais que só conseguem sair à noite, mas à luz do dia não veem nada. Como os morcegos. E com um pouco de senso de humor, podemos dizer que existem cristãos morcegos, que preferem as sombras à luz da presença do Senhor”. 

Mas “Jesus, com a sua Ressurreição – prosseguiu o Papa – nos dá a alegria: a alegria de ser cristãos; a alegria de segui-lo de perto; a alegria de caminhar nas estradas das Bem-aventuranças; a alegria de estar com Ele”:

“E nós, tantas vezes, ficamos perturbados ou repletos de medo, acreditamos ver um fantasma ou pensamos que Jesus é um modo de agir: ‘Mas nós somos cristãos e devemos fazer assim’. Mas onde está Jesus? ‘Não, Jesus está no Céu’. Você fala com Jesus? Você diz a Ele: ‘Eu acredito que o Senhor está vivo, que ressuscitou, que está perto de mim, que não me abandona’? A vida cristã deve ser isso: um diálogo com Jesus, porque – isso é verdade – Jesus está sempre conosco, está sempre com os nossos problemas, com as nossas dificuldades, com as nossas boas obras”.

Quantas vezes – disse por fim o Papa Francisco – nós cristãos “não somos felizes porque temos medo!”. Cristãos que foram “derrotados” na Cruz:

“Na minha terra há um ditado que diz: ‘Quando alguém se queima com leite quente, depois, quando vê uma vaca leiteira, chora’. E estes se queimaram com o drama da cruz e disseram: ‘Não, vamos parar por aqui; Ele está no Céu; mas tudo bem, ressuscitou, mas que não venha outra vez aqui porque não aguentaremos’. Peçamos ao Senhor que faça com todos nós o que fez com os discípulos, que tinham medo da alegria: que abra a nossa mente e nos faça entender que Ele é uma realidade viva, que Ele tem corpo, que Ele está conosco e nos acompanha e que Ele venceu. Peçamos ao Senhor a graça de não ter medo da alegria”.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

23 DE ABRIL: BEATA HELENA DE ÚDINE


Nasceu em Údine em torno do ano de 1396 da família Valentini. Adolescente de boas qualidades e edificante espírito religioso, casou-se muito jovem com Antônio Cavalcanti, do qual teve três filhos e três filhas. Em setembro de 1441, seu, marido, desempenhando uma embaixada de sua cidade em Veneza, veio a falecer. Este fato levou-a a uma vida mais dedicada ainda ao Senhor. Entrou na Ordem, como agostiniana secular. Entregou-se às obras de misericórdia com sua ação e seus bens. Dedicava-se intensamente à oração, sobretudo na igreja agostiniana de Santa Luzia. Antes e depois da oração dedicava grande tempo à leitura. 

O Evangelho era sua leitura preferida. Amava de coração a Ordem e professava uma obediência exemplar ao Padre Provincial e aos demais superiores. Suportou pacientemente uma dolorosa enfermidade nos três últimos anos de vida. Morreu a 23 de abril de 1458. O espírito de penitência, a humildade, a devoção à Paixão do Senhor, o amor à Eucaristia e o espírito de serviço ao próximo marcaram sua vida. Seus restos se conservam na catedral de Údine. Pio IX confirmou seu culto em 1848.


Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.cCqqws13.dpuf

AUDIÊNCIA: REMOVER AS PEDRAS DOS SEPULCROS E ANUNCIAR COM CORAGEM O EVANGELHO MUNDO AFORA


Cidade do Vaticano (RV) – O mau tempo que se abateu em Roma esta manhã não impediu que a Praça S. Pedro ficasse lotada de fiéis e peregrinos para a Audiência Geral com o Papa Francisco.

Com o céu instável, o Pontífice cumprimentou os enfermos antes do início da Audiência, na Sala Paulo VI.

Já na Praça, Francisco dedicou sua catequese à alegria que brota da ressurreição de Cristo, em especial à frase que os anjos dizem às mulheres no sepulcro de Jesus: “Por que procurais Aquele que vive entre os mortos?”

Estas palavras, disse ele, se dirigem também a nós. De fato, às vezes, podemos nos fechar em várias formas de egoísmo, seduzidos pelas coisas deste mundo, pelo dinheiro e pelo sucesso, deixando de lado Deus e o próximo. Buscando entre os mortos, “poderemos obter a felicidade de um minuto, um dia, uma semana. E depois?” – questionou Francisco.

Por outro lado, nem sempre é fácil aceitar a presença de Cristo Ressuscitado no nosso meio. Podemos ser como Tomé, querendo tocar nas chagas para acreditar; ou como Maria Madalena, que vê Jesus, mas não o reconhece; ou ainda, como os discípulos de Emaús, que se sentindo derrotados não percebem que é o próprio Jesus que lhes acompanha. 

Depois de um fracasso, para quem se sente só e abandonado, quem perdeu a esperança: a pergunta dos anjos nos faz superar a tentação de olhar para trás, àquilo que aconteceu ontem, e nos impulsiona rumo ao futuro. 

“Jesus não está no Sepulcro, Ele ressuscitou. Não podemos procurar entre os mortos aquele que está vivo!”, disse Francisco, pedindo que a multidão repetisse a frase dos anjos. "Não nos dirijamos aos muitos sepulcros que hoje prometem algo, e depois não nos dão nada. Ele está vivo. Por isso, é preciso maravilhar-se novamente com Cristo ressuscitado, para poder sair dos nossos espaços de tristeza e abrir-nos à esperança que remove as pedras dos sepulcros e nos dá coragem para anunciar pelo mundo afora o Evangelho da vida. 

Depois da catequese, o Papa saudou os diversos grupos presentes na Praça, entre os quais os brasileiros, que se destacaram pelo entusiasmo:

"Dou as boas-vindas a todos os peregrinos de língua portuguesa, nominalmente aos fiéis de Lisboa e aos diversos grupos do Brasil. Queridos amigos, a fé na Ressurreição nos leva a olhar para o futuro, fortalecidos pela esperança na vitória de Cristo sobre o pecado e a morte. Feliz Páscoa para todos!"

Em seguida, dirigindo-se aos peregrinos italianos, o Pontífice falou de um vídeo que recebeu um dia atrás, em que operários de uma siderúrgica localizada na Toscana convidam Francisco a visitar a fábrica antes do seu fechamento.

“Fiquei triste. Queridos operários, queridos irmãos, em seus rostos se expressavam uma profunda tristeza e as preocupações dos pais de família que pedem somente seu direito de trabalhar para viver de maneira digna. Fiquem certos da minha solidariedade e oração; não se desencorajem. Eu os abraço fraternalmente e a todos os responsáveis peço que realizem todo esforço de criatividade e de generosidade para reacender a esperança nos corações desses nossos irmãos e de todos os desempregados. Por favor, abram os olhos e não fiquem de braços cruzados!”