sábado, 30 de janeiro de 2016

REFLEXÃO PARA O IV DOMINGO DO TEMPO COMUM - JESUS É EXPULSO DA SINAGOGA

Cidade do Vaticano (RV) A primeira leitura nos fala da vocação do profeta, de quem é profeta. Tomemos como exemplo Jeremias, o profeta da leitura de hoje.

Em primeiro lugar, sua vocação veio de Deus e se confundiu com a geração de sua vida. Ele era bom, inteligente, sensível, cheio de qualidades. Como qualquer vocacionado, queria viver sua vida como um jovem da época: desfrutar da juventude, namorar, casar, ter filhos, enfim, formar uma família. Jeremias só se conscientizou do chamado de Deus quando tinha vinte anos. Ele foi consagrado, foi ungido para essa função. Além do mais seu campo de ação seria todo o universo conhecido.

Pensaríamos que, por ter sido escolhido por Deus, sua vida tenha sido um mar de rosas, mas não! Enfrentou guerras vindas de todos os lados, quando exercia sua função, falando em nome de Deus. Dificilmente era aplaudido e,  geralmente, escorraçado, marginalizado. Enfrentou lutas de todo tipo, mas não se intimidou, o Senhor estava com ele e o protegia.

Mas por que essas tribulações na vida de quem só queria fazer o bem e falava em nome de Deus, em nome do amor?

Jeremias, como qualquer profeta foi enviado para principalmente reconduzir as ovelhas perdidas, mas elas não quiseram ouvi-lo, não quiseram saber de Deus. Interessa-lhes continuar nos seu erros, praticando a injustiça e a opressão. Por isso as agressões ao profeta.

No Evangelho, vemos Jesus de Nazaré, o Profeta, exercendo sua missão e, como Jeremias e tantos outros que falaram de Deus, corrigindo o povo no seu modo de entender a Lei do Amor.    Diz que a salvação trazida por ele é para todos os povos, não apenas para Israel.

Jesus dá nova visão de Deus. Anuncia um Deus próximo, misericordioso, que coloca o perdão e o ser irmão como o grande ato de louvor a Ele. Jesus não quer condenar o pecador, mas faz de tudo para que ele mude de vida, Jesus quer salvar todos. Os escribas e doutores não suportam isso. Ficam perturbados e expulsam Jesus da sinagoga, da cidade, e o povo deseja precipitá-lo em um abismo, para que morra.

Afinal, quem é esse Jesus, quem ele pensa que é? Foi criado ali e sua família é conhecida por todos. Onde ele estudou para ensinar algo diferente do que aprendemos? Basta!

A reação dos conterrâneos de Jesus é muitas vezes copiada por nós. Pensamos que sabemos tudo e não será qualquer um que irá nos ensinar o melhor caminho de chegarmos a Deus. Sabemos rezar, fizemos catecismo!

Não aceitamos desafios, estamos acomodados, não queremos nos esforçar para crescer. É fácil e cômodo decretar a morte. Difícil é lutar pela vida, pela recuperação e perseverança. Desistir é fácil! Persistir e saber esperar é difícil!. Quem ama, acredita, espera, faz de tudo para salvar, como Jesus de Nazaré, Profeta da Esperança e do Amor!

Nossa reflexão se conclui com a segunda leitura que é chamada: “Hino à Caridade”. São Paulo nos diz, desenvolvendo o discurso de Jesus, que a caridade tudo suporta, tudo perdoa. “Atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é  caridade”!

Sejamos abertos ao novo, àquilo que nos fala ao coração, que sentimos que é de Deus. Construamos um mundo novo, sendo profetas do Amor e do Perdão! Anunciemos a vitória da Vida! (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o IV Domingo do Tempo Comum)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI MÁRIO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 30 de janeiro de 2016, recorda o 52º aniversário natalício de Frei Mário Aparecido, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Mário Aparecido, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Prior e Pároco na Paróquia Nossa Senhora da Penha, na cidade de Castelo (ES).

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

MISSA DE AÇÃO DE GRAÇAS PELO ANO DA VIDA CONSAGRADA NO CARMELO "SÃO JOSÉ"


HORÁRIOS DE MISSAS ATÉ O DIA 21 DE FEVEREIRO DE 2016 NA IGREJA/MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO


Por motivo das férias dos paroquianos nos meses de janeiro e fevereiro de cada ano, a Paróquia Nossa Senhora da Consolação faz alterações nos horários de missas, especialmente, no domingo, com a suspensão da Missa das 17h.

Até o dia 21 de fevereiro de 2016 os horários de missas na Igreja/Matriz são esses:

Segunda-Feira a Sexta-Feira: 6h30min e às 19h (quintas-feiras não há celebração eucarística devido a folga da comunidade religiosa).

Sábados: 6h30min e às 19h

Domingos: 6h30min e às 19h

A missa das 17h retornará no dia 28 de fevereiro de 2016, com a bênçãos dos materiais escolares e das mochilhas.

OS AGOSTINIANOS RECOLETOS INICIAM PREPARAÇÃO PARA O 55º CAPÍTULO GERAL DA ORDEM

     

55cap00 200Ordem dos Agostinianos Recoletos
Roma-Itália


Do dia 12 aos 15 de janeiro foi realizada na Cúria Geral da Ordem em Roma a reunião da comissão pré-capitular, convocada para preparar o próximo Capítulo Geral e que está constituída por um religioso de cada província.
 55cap01 650

Dez meses antes do início do Capítulo Geral, o Prior Geral, com o consentimento do seu conselho, designou os membros da Comissão Pré-capitular que sob sua direção aprofundarão diferentes pontos preparando o próximo capítulo geral, a ser celebrado no dia 2 de outubro de 2016. Comissão pré-capitular  Na primeira reunião de trabalho no dia 12 de janeiro os membros da comissão foram acompanhados pelo Prior Geral quem cumprimentou os presentes e indicou a tarefa a realizar. Aos membros da comissão pré-capitular foi lhes encomendada as tarefas de  preparar e enviar, nove meses antes do Capítulo, enquetes e questionários para conhecer a opinião dos religiosos e conscientizar os mesmos naquilo que diz respeito ao próximo capítulo geral, e a elaboração do «instrumentum laboris», tendo em conta o estudo realizado pelo conselho geral e as respostas dadas pelos religiosos, com a finalidade de concretizar as linhas diretrizes que devem guiar o trabalho dos irmãos capitulares. Este documento será aprovado pelo Prior Geral com o consentimento do seu conselho, que o enviará a cada um dos capitulares. Os religiosos têm direito a propor à comissão, bem seja em particular ou em grupo, o que julgar útil ou necessário.

55cap02 325..55cap03 325

As propostas e sugestões deverão ser enviadas à comissão seis meses antes do Capítulo. Esta se encarregará de examinar, ordenar e apreciar devidamente tais sugestões e desejos, e de apresentar um resumo escrito ao conselho geral, quatro meses antes do capítulo. Todo o material recebido será entregue ao conselho geral, que o levará ao Capítulo Geral. Os membros da comissão pré-capitular são: Fr. Francisco Javier Jiménez García Villoslada da Província São Nicolau de Tolentino, Fr. Juan José Rodríguez Mesa da Província Nossa Senhora da Candelária, Fr. Simón Puertas Pérez da Província Santo Tomás de Villanueva, Fr. Fredic Abiera da Província Santo Agostinho, Fr. Enrique Gómez García da Província São José, Fr. Ademir García da Província Santa Rita, Fr. Jiovanny Marcelo Pantaleón, da Província Nossa Senhora da Consolação e  Fr. René Paglinawan da Província Santo Ezequiel Moreno. O Prior Geral dá as boas-vindas e os anima.


“Toda nossa esperança está
na tua grande misericórdia”

O Prior Geral, durante a primeira sessão de trabalho destacou que “para terminar, pensemos num jogo de futebol. Quando um time vai mal ninguém quer receber a bola e aquele que a tem não sabe a quem passar. Alguns jogadores seguram a bola, sem passá-la aos outros, procurando aparecer no jogo. Outros, nem olham para quem tem a bola, para não recebê-la, e deste modo não ter que participar do jogo. Todos temos que estar abertos para receber a bola e passá-la. Se queremos ganhar o jogo, temos que jogar unidos e avançar na mesma direção”.  O Prior Geral quis terminar sua intervenção entregando toda esta empreitada nas mãos do Senhor e pedindo “que a Virgem da Consolação, santo Agostinho e os santos da Ordem nos acompanhem para realizar a missão que nos foi encomendada”. “Toda nossa esperança está na tua grande misericórdia”


55cap04 650

Para o próximo Capítulo Geral foi desenhado um logo que representa a mesa ao redor da qual se constrói a comunidade que está composta por corações (cada um dos irmãos que conformam a Ordem), por vidas compartilhadas e pela multiculturalidade (as cores). Trata-se, além disso, de corações abertos que necessitam do outro para se completar, que alcançam sua forma na união com o outro, com os outros. Corações que esperam em Deus como nosso centro e nossa meta; em quem colocamos nossa esperança e de quem, pela sua infinita misericórdia, recebemos tudo. Por outra parte, o lema do próximo Capítulo Geral, “Toda nossa esperança está na tua grande misericórdia”, é um extrato das Confissões de Santo Agostinho (Conf. 10, 29,40). O que é o Capítulo Geral? O Capítulo Geral é um tempo de graça, comunhão e discernimento, não só para os participantes no Capítulo, mas para todos os irmãos da Ordem.

55cap00 200O Capítulo é uma oportunidade para sentir como própria a vida e missão da Ordem. Necessitamos dialogar: escutar e falar com franqueza. Não somos uma empresa, mas uma comunidade de irmãos. Os trabalhos deste Capítulo Geral estão fundamentados nas palavras do Papa Francisco na sua Carta Apostólica aos consagrados por ocasião do Ano da Vida Consagrada: “Os nossos serviços, as nossas obras, a nossa presença, correspondem àquilo que o Espírito pediu aos nossos fundadores, sendo adequados para encalçar sua finalidade na sociedade e na Igreja atual? Há algo que devemos mudar? Temos a mesma paixão pelo nosso povo, solidarizamo-nos com ele até o ponto de partilhar as suas alegrias e sofrimentos, a fim de podermos compreender verdadeiramente as suas necessidades e contribuir com a nossa parte para lhes dar resposta?” (Cf. o texto da Carta editado pelas Paulinas, p. 11) 

Fonte: Site da OrdemEdição: Frei Mason

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

PORTO ALEGRE TEM NOVO BISPO AUXILIAR

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco nomeou Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Porto Alegre (RS), Pe. Adilson Pedro Busin, C.S., Membro da Congregação dos Missionários de São Carlos (Scalabrinianos), até então Vigário regional para a Região sul-americana com sede em Porto Alegre, conferindo-lhe a sede titular episcopal de Guardialfiera”.
Dom Busin nasceu em 20 de maio de 1965 em Sarandi, Arquidiocese de Passo Fundo, no Estado do Rio Grande do Sul. Estudou Filosofia na Universidade de Caxias do Sul (1986-1987) e Teologia no Instituto Teológico São Paulo (ITESP) em São Paulo (1989-1993). Obteve a Licenciatura em Ciências da Educação na Pontifícia Universidade Salesiana de Roma (1996-1999).
Fez a profissão religiosa como scalabriniano em 31 de maio de 1992 e foi ordenado sacerdote em 9 de janeiro de 1993. No âmbito da sua Congregação, desempenhou os cargos de Animador vocacional e Reitor do Seminário menor em Ciudad del Este, no Paraguai (1992-1995); Mestre de noviços em Porto Alegre (2001-2007) e Superior Provincial (2007-2013).
Atualmente, é Vigário regional na Região sul-americana, Presidente da Associação Scalabriniana para o Serviço dos Migrantes e Mestre de noviços.
Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI ADEMIR!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 27 de janeiro de 2016, recorda o 64º aniversário natalício de Frei Ademir João Garcia, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Ademir João Garcia, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na cidade de São Paulo (SP) e o serviço de Diretor do Boletim da Província Santa Rita de Cássia.

PAPA: NA QUARESMA SAIR DA PRÓPRIA ALIENAÇÃO EXISTENCIAL

Cidade do Vaticano (RV) – “A Quaresma deste Ano Jubilar é um tempo favorável para todos poderem, finalmente, sair da própria alienação existencial, graças à escuta da Palavra e às obras de misericórdia”: é o que afirma o Papa Francisco na Mensagem para a Quaresma 2016, divulgada na terça-feira (26/01).
"'Prefiro a misericórdia ao sacrifício” (Mt 9, 13). As obras de misericórdia no caminho jubilar" é o tema da Mensagem do Pontífice. No texto, Francisco destaca que a misericórdia de Deus transforma o coração do homem, tornando-o assim, por sua vez, capaz de misericórdia.
Estas obras, ressalta o Papa, nos recordam que a nossa fé se traduz em atos concretos e quotidianos, destinados a ajudar o próximo no corpo e no espírito e sobre os quais havemos de ser julgados: alimentá-lo, visitá-lo, confortá-lo, educá-lo.
“Será uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas vezes adormecida perante o drama da pobreza, e de entrar cada vez mais no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina”, escreve o Pontífice, citando a Bula de convocação do Jubileu.
Todavia, adverte o Papa, o pobre mais miserável é aquele que não aceita reconhecer-se como tal. “Pensa que é rico, mas na realidade é o mais pobre dos pobres. E quanto maior for o poder e a riqueza à sua disposição, tanto maior pode tornar-se esta cegueira mentirosa. E esta cegueira está acompanhada por um soberbo delírio de omnipotência.”
Este delírio, prossegue Francisco, “pode assumir também formas sociais e políticas, como mostraram os totalitarismos do século XX e mostram hoje as ideologias do pensamento único e da tecnociência que pretendem tornar Deus irrelevante e reduzir o homem a massa possível de instrumentalizar. E podem atualmente mostrá-lo também as estruturas de pecado ligadas a um modelo de falso desenvolvimento fundado na idolatria do dinheiro, que torna indiferentes ao destino dos pobres as pessoas e as sociedades mais ricas, que lhes fecham as portas recusando-se até mesmo a vê-los”.
Portanto, exorta o Papa, a Quaresma deste Ano Jubilar é um tempo favorável para todos poderem, finalmente, sair da própria alienação existencial, graças à escuta da Palavra e às obras de misericórdia.
E explica: “Se por meio das obras corporais, tocamos a carne de Cristo nos irmãos e irmãs necessitados de ser nutridos, vestidos, alojados, visitados, as obras espirituais tocam mais diretamente o nosso ser de pecadores: aconselhar, ensinar, perdoar, admoestar, rezar”.
Para Francisco, estas obras nunca podem ser separadas, pois é precisamente tocando a carne de Jesus crucificado no miserável que o pecador pode receber a consciência de ser ele próprio um pobre mendigo. “Não percamos este tempo de Quaresma favorável à conversão!”, é o convite final do Santo Padre.
Fonte: Site da Rádio Vaticano

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

ENCONTRO VOCACIONAL AGOSTINIANO RECOLETO


31 DE JANEIRO: MISSA DE ENVIO DE FREI AGOSTINHO MOROSINI

No próximo domingo, 31 de janeiro de 2016, às 19h, acontecerá a Missa de Envio de Frei Agostinho Morosini, O.A.R. à Paróquia Santa Rita de Cássia, em Vitória (ES), onde exercerá o serviço de novo pároco daquela paróquia.

Venha participar e render graças a Deus pelo dom do serviço de Frei Agostinho à Paróquia Nossa Senhora da Consolação.



25 DE JANEIRO: FESTA DA CONVERSÃO DE SÃO PAULO

Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo

O apóstolo dos gentios e das nações nasceu em Tarso. Da tribo de Benjamim, era judeu de nação. Tarso era mais do que uma colônia de Roma, era um município. Logo, ele recebeu também o título de cidadão romano. O seu pai pertencia à seita dos fariseus. Foi neste ambiente, em meio a tantos títulos e adversidades, que ele foi crescendo e buscando a Palavra de Deus.
Combatente dos vícios, foi um homem fiel a Deus. Paulo de Tarso foi estudar na escola de Gamaliel, em Jerusalém, para aprofundar-se no conhecimento da lei, buscando colocá-la em prática. Nessa época, conheceu o Cristianismo, que era tido como um seita na época. Tornou-se, então, um grande inimigo dessa religião e dos seguidores desta. Tanto que a Palavra de Deus testemunha que, na morte de Santo Estevão, primeiro mártir da Igreja, ele fez questão de segurar as capas daqueles que o [Santo Estevão] apedrejam, como uma atitude de aprovação. Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo. O intrigante é que ele pensava estar agradando a Deus. Ele fazia seu trabalho por zelo, mas de maneira violenta, sem discernimento. Era um fariseu que buscava a verdade, mas fechado à Verdade Encarnada. Mas Nosso Senhor veio para salvar todos.
Encontramos, no capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos, o testemunho: “Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes e pediu-lhes cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos, a Jerusalém, todos os homens e mulheres que seguissem essa doutrina. Durante a viagem, estando já em Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: ‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’. Saulo então diz: ‘Quem és, Senhor?’. Respondeu Ele: ‘Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão’. Trêmulo e atônito, disse Saulo: ‘Senhor, que queres que eu faça?’ respondeu-lhe o Senhor: ‘Levanta-te, entra na cidade, aí te será dito o que deves fazer'”.
O interessante é que o batismo de Saulo é apresentado por Ananias, um cristão comum, mas dócil ao Espírito Santo.
Hoje estamos comemorando o testemunho de conversão de São Paulo. Sua primeira pregação foi feita em Damasco. Muitos não acreditaram em sua mudança, mas ele perseverou e se abriu à vontade de Deus, por isso se tornou um grande apóstolo da Igreja, modelo de todos os cristãos.
São Paulo de Tarso, rogai por nós!
Fonte: Site da Canção Nova

domingo, 24 de janeiro de 2016

PARABÉNS FREI EDIELSON E DOM JULIO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 24 de janeiro de 2016, recorda o 18º aniversário de ordenação presbiteral de Frei Edielson Oliveira da Cunha, O.A.R. e o 5º aniversário de ordenação episcopal de Dom Julio Endi Akamine, e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e esse pastor e roga a Deus que os cumulem de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.


Frei Edielson Oliveira da Cunha, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Prior e Pároco da Paróquia São Januário e Santo Agostinho, na cidade do Rio de Janeiro (RJ).


Dom Julio Endi Akamine, atualmente, serve à Igreja como bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, na Região Lapa.

sábado, 23 de janeiro de 2016

REFLEXÃO PARA O III DOMINGO DO TEMPO COMUM - "O MESTRE NA SINAGOGA: INÍCIO DOS NOVOS TEMPOS!"

Cidade do Vaticano (RV) - O Livro de Neemias nos dá um relato do que poderíamos chamar a “primeira celebração da Palavra”. Ela foi realizada quando se percebeu a desordem que havia no meio do povo, onde cada um fazia o que desejava. Por ignorância, não se praticava a Lei e o caos imperava.

Esdras, doutor da Lei mosaica, foi enviado por Artaxerxes, rei persa, a Jerusalém, para colocar ordem na cidade.

Ele preparou o povo e esperou o primeiro dia do novo ano para fazer uma solene celebração litúrgica, com todas as pessoas capazes de compreender.

Os convocados compareceram, com absoluta boa vontade e sabiam que a solenidade duraria muitas horas, e na verdade era o Senhor quem os convocava.

Esdras, consciente de que o momento era emblemático, usou de sua sensibilidade para demonstrar ao povo a grandeza do momento: mandou erguer um estrado de madeira, em um lugar visível a todos, e nele criou  um ponto elevado para ser o local da  tribuna, onde seria proclamada a Lei do Senhor. Era necessário que todos o vissem e ouvissem quando fosse abrir o livro e fazer sua leitura.

Quando isso aconteceu, o povo todo ficou de pé e o ouvia com atenção. Esdras explicava seu sentido para que o povo pudesse compreender a leitura. Ao final da proclamação o povo disse “Amém! Amém! e se prostrou por terra. Era o Senhor que falava através de Esdras e a prostração foi o sinal de que todos estavam conscientes disso. 

O povo, conhecedor de suas próprias falhas, chorava, contudo Esdras chamava-lhes a atenção para o aspecto da amizade de Deus; ela é mais importante que tudo, daí não chorar, mas festejar. Mais ainda, a alegria do Senhor é e será a força do povo. Por outro lado, sentir-se pecador, deve ser celebrado com alegria, pois ter essa consciência é um dom de Deus!

São Lucas, logo no início de seu Evangelho, escreveu: “...história dos acontecimentos que se realizaram entre nós, como nos foram transmitidos por aqueles ministros da palavra”. O evangelista nos diz que o que vai narrar não é uma fábula, mas aconteceu realmente e nos foi transmitido pelos servidores de Jesus Cristo, o personagem central de seus relatos.

Para mostrar a todos a excelência de Jesus dentro da tradição dos profetas, Lucas recorda o dia em que o Mestre, com trinta anos de idade, foi à sinagoga e o presidente dela convidou-o a fazer a segunda leitura do dia. Jesus abriu o rolo que continha os escritos que falavam sobre sua vinda, mas indecifráveis até então. Escolheu o texto do profeta Isaías que diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim e...enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres”. Ao enrolar o volume e entregá-lo ao assistente, Jesus diz, com esse gesto, que todos os escritos do Antigo Testamento acabaram, naquele instante, de cumprir sua missão: conduzir as pessoas até ele. Por isso podem ser enrolados e guardados.

Nesse exato momento, todos os olhos estão voltados para ele. Todos desejam ouvir o que o Mestre irá dizer. Começaram os novos tempos!

Se hoje continuamos a ler textos do Antigo Testamento, os lemos antes dos do Novo, pois eles são indispensáveis para nossa preparação à acolhida de Jesus Cristo.

A partir da homilia de Jesus, após as leituras bíblicas, sabemos que ela deverá estar dentro da realidade das pessoas e sempre ser mensagem de alegria, de esperança em Deus. (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o III Domingo do Tempo Comum)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

23 DE JANEIRO: 5º ANO DO FALECIMENTO DE FREI JOÃO ECHÁVARRY

A Paróquia Nossa Senhora da Consolação neste dia, 23 de janeiro de 2016, recorda com muita saudade de Frei João Echávarry Asiain, O.A.R., no 5º ano do aniversário de sua páscoa à casa Paterna.

Frei João Echávarry sempre será lembrado pela sua dedicação à vida religiosa e o jeito simples de viver e fazer amigos.

Saudades...

Frei João Echávarry, rogai por nós!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

PAPA FRANCISCO FAZ MUDANÇA NAS RUBRICAS DO RITO DO "LAVA PÉS"

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco decidiu fazer uma mudança nas rubricas do Missal Romano relativas ao Rito do “Lava pés” contido na Missa da Santa Ceia: de agora em diante, entre as pessoas escolhidas pelos pastores poderão ser incluídas também as mulheres.

O Papa explica sua decisão numa Carta endereçada ao prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Robert Sarah. Por conseguinte, o referido Dicastério vaticano emitiu um Decreto a propósito.

Expressar a caridade sem limites de Jesus
“Expressar plenamente o significado do gesto realizado por Jesus no Cenáculo, o seu doar-se ‘completamente’, para a salvação do mundo, a sua caridade sem limites”: com essas palavras, o Papa Francisco explica, na Carta ao Cardeal Sarah, a decisão de modificar a rubrica do Missal Romano que indica as pessoas escolhidas para receber o “Lava-pés” durante a Missa da Santa Ceia, na Quinta-feira Santa.

Incluídas as mulheres entre os fiéis escolhidos
A decisão do Papa, tomada “após atenta ponderação”, explica o próprio Pontífice, faz de modo que “de agora em diante os pastores da Igreja possam escolher os participantes para o rito entre todos os membros do povo de Deus”.

Efetivamente, se antes estes deviam ser homens adultos ou jovens, agora – explica o decreto da Congregação para o Culto Divino – poderão ser quer homens, quer mulheres, “convenientemente jovens e idosos, sadios e doentes, clérigos, consagrados e leigos”, incluídos casados e solteiros.
“Esse pequeno grupo de fiéis deverá representar a variedade e a unidade de cada porção do povo de Deus”, ressalta o Dicastério, sem especificar o seu número.

Explicar adequadamente aos escolhidos o significado do rito
Ademais, o Santo Padre recomenda que “seja dada aos escolhidos uma adequada explicação do significado do próprio rito”. Cabe a estes – escreve o secretário da Congregação para o Culto Divino, Dom Arthur Roche, num artigo para o L’Osservatore Romano – oferecer com simplicidade a sua disponibilidade.

“Cabe a quem cuida das celebrações litúrgicas preparar e dispor todo necessário para ajudar todos a participar frutuosamente deste momento: a vida de todo discípulo do Senhor é memorial (anamnesi) do ‘mandamento novo’ ouvido no Evangelho.”

Gesto já realizado pelo Papa Francisco
Vale recordar que o Papa Francisco já realizou o rito do Lava-pés com a participação de algumas mulheres, por exemplo, na Quinta-feira Santa do ano passado, quando celebrou, em Roma, a missa da Ceia do Senhor no Cárcere de Rebibbia. (RL)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

CORDEIROS CUJAS LÃS DARÃO ORIGEM AOS PÁLIOS SÃO APRESENTADOS AO PAPA

Cidade do Vaticano (RV) – Em virtude da celebração litúrgica de Santa Inês, foram apresentados ao Papa Francisco na manhã desta quinta-feira (21/01), na Capela Urbano VIII, os dois cordeiros abençoados cujas lãs darão origem aos Pálios dos novos Arcebispos Metropolitanos.
Conforme a tradição, o Pálio é uma insígnia litúrgica de honra e de jurisdição que é usado pelo Papa e pelos Arcebispos Metropolitanosnas suas Igrejas e naquelas das suas províncias. A estola é constituída por uma estreita faixa confeccionada em lã branca e decorada com seis cruzes de seda preta.
Desde o ano passado, o Papa Francisco alterou o rito de entrega dos Pálios aos novos Arcebispos, que antes precisavam se deslocar até Roma para receber o paramento. Assim como no ano anterior, a imposição do Pálio aos novos arcebispos será realizada nas respectivas dioceses de origem pela mão dos Núncios Apostólicos locais.
Com a modificação, na solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, no dia 29 de junho, o Papa celebrará uma missa com a bênção dos Pálios, que posteriormente serão impostos aos novos Arcebispos.
À época, o Vaticano explicou que o objetivo da alteração foi “colocar em maior evidência a relação dos bispos metropolitas – os novos nomeados – com a sua Igreja local e assim dar também a possibilidade a mais fieis de estarem presentes neste rito tão significativo para eles, e também particularmente aos bispos das dioceses sufragâneas, que deste modo, poderão participar do momento da imposição”.
Pelo menos três novos Arcebispos brasileiros devem receber a imposição dos Pálios: Dom Rodolfo Luís Weber (Arquidiocese de Passo Fundo); Dom Zanoni Demettino Castro (Arquidiocese de Feira de Santana); e Dom Roque Paloschi (Arquidiocese de Porto Velho).
De acordo com o rito, o Pálio é imposto aos novos Arcebispos nomeados nos últimos 12 meses contados a partir da data de Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo. (PS)
Fonte: Rádio da Site Vaticano

ESCOLA DE TEOLOGIA E PASTORAL "SANTO AGOSTINHO"


Estão abertas as inscrições para o curso de Teologia e Pastoral que terá início no dia 22 de fevereiro de 2016, às 19h20min, no salão paroquial.

Venha estudar conosco e aprofundar sua fé!


21 DE JANEIRO: SANTA INÊS, VIRGEM E MÁRTIR

Virgem e mártir, Santa Inês se deixou transformar pelo amor de Deus que é santo
Seu nome vem do grego, que significa pura. Ela pertenceu a uma família romana e, segundo os costumes do seu tempo, foi cuidada por uma aia (uma babá) que só a deixaria após o casamento.
Santa Inês tinha cerca de 12 anos quando um pretendente se aproximou dela; segundo a tradição, era filho do prefeito de Roma e estava encantado pela beleza física de Inês. Mas sua beleza principal é aquela que não passa: a comunhão com Deus. De maneira secreta, ela tinha feito uma descoberta vocacional, era chamada a ser uma das virgens consagradas do Senhor; e fez este compromisso. O jovem não sabia e, diante de tantas propostas, ela sempre dizia ‘não’. Até que ele denunciou Inês para as autoridades, porque sob o império de Diocleciano, era correr risco de vida. Quem renunciasse Jesus ficava com a própria vida; caso contrário, se tornava um mártir. Foi o que aconteceu com esta jovem de cerca de 12 ou 13 anos.
Tão conhecida e citada pelos santos padres, Santa Inês é modelo de uma pureza à prova de fogo, pois diante das autoridades e do imperador, ela se disse cristã. Eles começaram pelo diálogo, depois as diversas ameaças com fogo e tortura, mas em nada ela renunciava o seu Divino Esposo. Até que pegaram-na e a levaram para um lugar em Roma próprio da prostituição, mas ela deixou claro que Jesus Cristo, seu Divino Esposo, não abandona os seus. De fato, ela não foi manchada pelo pecado.
Auxiliada pelo Espírito Santo, com muita sabedoria, ela permaneceu fiel ao seu voto e ao seu compromisso; até que as autoridades, vendo que não podiam vencê-la pela ignorância, mandaram, então, degolar a jovem cristã. Ela perdeu a cabeça, mas não o coração, que ficou para sempre em Cristo.
Santa Inês tem uma basílica que foi consagrada a ela no lugar onde foi enterrada.
Santa Inês, rogai por nós!
Fonte: Site da Canção Nova

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

DOM CANÍSIO KLAUS É O NOVO BISPO DE SINOP (MT)

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa aceitou a renúncia ao governo pastoral da Diocese de Sinop, no Mato Grosso, apresentada por Dom Gentil Delázari, que completou 75 anos em setembro passado. Para governar a diocese, Francisco nomeou Dom Canísio Klaus, que era bispo de Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul.
Dom Klaus é gaúcho de Arroio do Meio (RS) e depois de um período como missionário em Sinop e como pároco em Gurantã do Norte (MT), foi bispo de Diamantino e de Santa Cruz do Sul. Foi também Presidente da Conferência Episcopal Regional “Oeste 2” e Membro do Conselho Permanente de Pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (2003-2006).
Sinop é a quarta maior cidade de Mato Grosso e tem cerca de 131 mil habitantes. É conhecida como a “Capital do Nortão”.  
Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI JOSÉ CARLOS!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 20 de janeiro de 2016, recorda o 15º aniversário de Profissão Religiosa (emissão dos votos de pobreza, castidade e obediência) do Frei José Carlos Jacinto Barboza, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei José Carlos Jacinto Barboza, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Prior e Pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças, na cidade Franca (SP).

20 DE JANEIRO: SÃO SEBASTIÃO, MÁRTIR

Defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos

O santo de hoje nasceu em Narbonne; os pais eram oriundos de Milão, na Itália, do século terceiro. São Sebastião, desde cedo, foi muito generoso e dado ao serviço. Recebeu a graça do santo batismo e zelou por ele em relação à sua vida e à dos irmãos.
Ao entrar para o serviço no Império como soldado, tinha muita saúde no físico, na mente e, principalmente, na alma. Não demorou muito, tornou-se o primeiro capitão da guarda do Império. Esse grande homem de Deus ficou conhecido por muitos cristãos, pois, sem que as autoridades soubessem – nesse tempo, no Império de Diocleciano, a Igreja e os cristãos eram duramente perseguidos –, porque o imperador adorava os deuses. Enquanto os cristãos não adoravam as coisas, mas as três Pessoas da Santíssima Trindade.
Esse mistério o levava a consolar os cristãos que eram presos de maneira secreta, mas muito sábia; uma evangelização eficaz pelo testemunho que não podia ser explícito.
São Sebastião tornou-se defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos. Também foi apóstolo dos mártires, os que confessavam Jesus em todas as situações, renunciando à própria vida. O coração de São Sebastião tinha esse desejo: tornar-se mártir. E um apóstata denunciou-o para o Império e lá estava ele, diante do imperador, que estava muito decepcionado com ele por se sentir traído. Mas esse santo deixou claro, com muita sabedoria, auxiliado pelo Espírito Santo, que o melhor que ele fazia para o Império era esse serviço; denunciando o paganismo e a injustiça.
São Sebastião, defensor da verdade no amor apaixonado a Deus. O imperador, com o coração fechado, mandou prendê-lo num tronco e muitas flechadas sobre ele foram lançadas até o ponto de pensarem que estava morto. Mas uma mulher, esposa de um mártir, o conhecia, aproximou-se dele e percebeu que ele estava ainda vivo por graça. Ela cuidou das feridas dele. Ao recobrar sua saúde depois de um tempo, apresentou-se novamente para o imperador, pois queria o seu bem e o bem de todo o Império. Evangelizou, testemunhou, mas, dessa vez, no ano de 288 foi duramente martirizado.
São Sebastião, rogai por nós!
Fonte: Site da Canção Nova

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

PARABÉNS FREI RAIMUNDO NONATO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 18 de janeiro de 2016, recorda o 55º aniversário natalício de Frei Raimundo Nonato de Oliveira, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Raimundo Nonato de Oliveira, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, na cidade de Franca (SP).

domingo, 17 de janeiro de 2016

PARABÉNS AOS FREIS JOSÉ ALEXANDRE E WAGNO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 17 de janeiro de 2016, recorda o 12º aniversário da Profissão Religiosa (emissão dos votos de pobreza, castidade e obediência) do Frei José Alexandre de Matos, O.A.R. e Frei Wagno Broedel Palma, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esses religiosos e roga a Deus que os cumulem de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.


Frei José Alexandre de Matos, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Santa Rita de Cássia, na cidade de Igarapava (SP).



Frei Wagno Broedel Palma, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Prior e Pároco na Paróquia Santa Rita de Cássia, na cidade de Igarapava (SP).

sábado, 16 de janeiro de 2016

REFLEXÃO PARA O II DOMINGO DO TEMPO COMUM - "BODAS DE CANÁ" AS NÚPCIAS ENTRE CRISTO E A HUMANIDADE

Cidade do Vaticano - O Senhor restaura Jerusalém e faz surgir nela a justiça. Toma-a como sua esposa. Ele é o esposo apaixonado por ela e ao dar-lhe um nome novo ela se torna importante em meio a todos ao povos. Sua ação a faz Povo de Deus.

No Evangelho, João descreve o início dos sinais de Jesus realizados em uma festa de casamento. O casamento celebra a doação, a entrega recíproca de duas pessoas, para sempre.

Do mesmo modo dá-se a entrega de Jesus pela Igreja, sua esposa e, como tal, é o que se espera dela, que seja fiel e honre o amor recebido. Essa cerimônia é realizada três dias depois do encontro de Jesus com seus discípulos, o que nos recorda a ressurreição de Jesus três dias após sua entrega redentora por sua esposa, a Igreja.

A presença de Maria é citada fora do grupo dos discípulos de Jesus e o Senhor a chama de mulher. João quer dizer que Maria estava na festa, mas representava a Humanidade, os filhos de Eva que aguardavam a chegada do Esposo, Jesus. Na sala estão seis talhas de pedra para a purificação ritual.

Ora, essa informação nos fala da imperfeição da purificação antiga. São seis e não sete, que, na simbologia bíblica representa o número perfeito, e fala também da abundância de água, que se tornará abundância de vinho.

A presença do Mestre plenifica a purificação, pois ela se dará com seu sangue, sinalizado pela abundância de vinho. Do mesmo modo a excelência do vinho novo, advindo pós ação de Jesus. Finalmente vejamos os diálogos. Jesus diz que sua hora ainda não chegou. Ele se refere à hora em que redimirá a Humanidade, com sua paixão. Maria diz: “Fazei tudo o que ele vos disser!” É a Humanidade convertida que aceita obedecer a Deus, reconhece-o como Senhor, diferentemente do filhos de Eva.

Portanto, João quer nos dizer que nessa cena de casamento foram realizadas, prefiguradamente, as núpcias entre Cristo e a Humanidade. A profecia de Isaías se realiza. O Senhor torna a Humanidade sua predileta, a desposa na cruz e lhe dá um nome novo: Meu Povo!

A liturgia de hoje nos diz que o amor de Jesus por nós é radical e seu amor é comparado ao de um esposo que ama tanto a ponto de dar a vida por sua amada. Sejamos fiéis ao nosso batismo. Nele demos nosso sim ao Senhor e a aliança que foi selada com seu sangue redentor. Vivamos o amor e aguardemos o dia feliz das núpcias eternas! (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o II Domingo do Tempo Comum)

Fonte: Site da Rádio Vaticano