sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

PEREGRINAÇÃO DAS FAMÍLIAS AO SANTUÁRIO NACIONAL DE NOSSA SENHORA APARECIDA

A Pastoral Familiar da Paróquia Nossa Senhora da Consolação participará da 6ª Peregrinação Nacional das Famílias ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, na cidade de Aparecida, Estado de São Paulo, junto com a Diocese de Cachoeiro de Itapemirim, e se organiza para sair com 1 (um) ônibus da Igreja/Matriz de Nossa Senhora da Consolação no dia 23 de maio de 2014 e retorno no dia 25 de maio de 2014.

Caso você se interesse em participar dessa Peregrinação das Famílias à Casa da Mãe Aparecida, entre em contato com a Secretaria Paroquial pelo telefone: 28 3522-6607 (falar com Dalvana ou Marta).

"PENSEM NO BEM DAS CRIANÇAS E DOS JOVENS", PEDE FRANCISCO AOS MEMBROS DA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco recebeu em audiência esta manhã, na Sala Clementina, os membros da Congregação para a Doutrina da Fé, no encerramento de sua Assembleia Plenária.

Em seu discurso, o Pontífice recordou a função desse dicastério, que é “promover e tutelar a doutrina sobre a fé e os costumes em todo o mundo católico (Constit. ap. Pastor bonus, 48)”. Todavia, observou, desde os primeiros tempos da Igreja existe a tentação de entender a doutrina num sentido ideológico ou de reduzi-la a um conjunto de teorias abstratas e cristalizadas. Na realidade, a doutrina tem como único fim servir a vida do Povo de Deus e garantir à nossa fé um fundamento seguro. “De fato, é grande a tentação de nos apropriar dos dons da salvação que vem de Deus, para domesticá-los – talvez com boas intenções – às visões e ao espírito do mundo. E esta é uma tentação que se repete continuamente.”

Para o Pontífice, zelar pela integridade da fé é uma tarefa muito delicada, que deve ser feita sempre em colaboração com os Pastores locais e com as Comissões Doutrinais das Conferências Episcopais. “Isso é importante para salvaguardar o direito de todo o Povo de Deus a receber o depósito da fé na sua pureza e na sua integralidade.” Por isso, Francisco pediu aos membros da Congregação que mantenham uma atitude de diálogo e colegialidade para que a luz da nossa fé brilhe sempre mais diante do mundo.

A seguir, o Papa mencionou o tema em debate na Plenária, que foi a relação entre fé e o Sacramento do matrimônio. “Trata-se de uma reflexão de grande relevância”, destacou o Pontífice, recordando que já Bento XVI havia formulado a necessidade de se interrogar mais profundamente acerca da relação entre fé pessoal e celebração do Sacramento do matrimônio, sobretudo no atual contexto cultural.

Por fim, Francisco agradeceu aos membros da Congregação para a Doutrina da Fé pelo empenho em tratar dos chamados delitos mais graves, em especial dos casos de abuso sexual de menores por parte de clérigos. “Pensem no bem das crianças e dos jovens, que na comunidade cristã sempre devem ser protegidos e amparados em seu crescimento humano e espiritual.”

Neste sentido, o Papa anunciou que se estuda a possibilidade de que a Comissão para a proteção dos menores que ele criou colabore com a Congregação para a Doutrina da Fé.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

PAPA FRANCISCO PARTICIPARÁ DE ENCONTRO DA RCC, NO ESTÁDIO OLÍMPICO, EM ROMA


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco deverá participar da XXXVII Convocação da Renovação Carismática, a ser realizada no Estádio Olímpico, em Roma, nos dia 1 e 2 de junho de 2014 sob o tema: “Convertei-vos. Acreditais. Recebam o Espírito Santo. Por uma Igreja missionária”. Foi o que informou o Escritório da Renovação, por ocasião da conclusão da VIII Assembléia Nacional realizada em Fiuggi, de 24 a 26 de janeiro.

Será a primeira vez que o Papa Francisco entrará num dos ‘Aerópagos’ da capital italiana para encontrar-se com os cerca de 50 mil fiéis esperados, vindos de toda a Itália e de diversas partes do mundo.

“A notícia da presença do Santo Padre na Convocação da Renovação suscita em mim – comentou o Presidente da RCC, Salvatore Martinez – uma gratidão amorosa de um filho que olha o cuidado, o afeto, a força, a liberdade do pai. Por ocasião da minha audiência privada com o Papa Francisco em 9 de setembro, havíamos falado da nossa Convocação. O Papa já estava informado a respeito e manifestou o desejo de participar. A notícia ficou sob embargo até a Vigília do Natal, quando chegou a comunicação oficial da Secretaria de Estado. Hoje a anunciamos publicamente, junto ao programa de Convocação”.

A Porta-voz da RCC, Martina D’Onofrio, comentou por sua vez que “a presença do Papa Francisco será um fato histórico na história da Renovação. E acontece no ano em que, transferindo o evento eclesial da Feira de Rímini ao Estádio de Roma, a RCC quer salientar a vontade em apoiar o Santo Padre na sua obra de ‘renovação eclesial’, colocando a própria experiência espiritual no coração da Igreja e a serviço do mundo, a partir das indicações que o Pontífice expressou com eloqüência na Exortação Evangelii gaudium”. (JE)

MORREU O PADRE JOÃO BATISTA LIBANIO


Morreu na manhã desta quinta-feira, 30, em Curitiba o Rev.do Pe. João Batista Libanio (foto), da Companhia de Jesus, aos 81 anos, vítima de infarto.


Ele era natural da cidade de Belo Horizonte e ainda residia nela pelo cargo de Professor na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE). Além disso, era escritor e teólogo renomado. Apesar de assessorar encontros das Comunidades Eclesiais de Base, não possuía pensamento extremista como outros teólogos brasileiros e estrangeiros. Antes, criticava adições fantasiosas e pentecostais ao rito da Missa e, segundo testemunhas, celebrava esta de modo muito sóbrio.

Escreveu vários livros, que foram editados em outras línguas. Foi Diretor de Estudos do Pontifício Colégio Pio Brasileiro de Roma durante o Concílio Vaticano II. Era Mestre e Doutor pela Gregoriana de Roma.

A informação foi publicada pelo jesuíta Francys Silvestrini por uma rede social. Até as 13h do horário de verão de Brasília ainda não havia comunicação nem publicação oficial.

Fonte: Fan-page Direto da Sacristia

"NÓS NOS SENTIMOS IGREJA?", INTERROGA-SE O PAPA


Cidade do Vaticano (RV) – “É inconcebível um cristão sem Igreja”: esta é a afirmação feita pelo Papa Francisco durante a Missa presidida na Casa Santa Marta. Como pilastras da pertença eclesial, o Pontífice citou a humildade, a fidelidade e a oração pela Igreja. 

A homilia do Papa se inspirou na pessoa do Rei Davi, apresentada nas leituras do dia: um homem que fala com o Senhor como um filho fala com o Pai, e mesmo quando ouve um ‘não’, o aceita com alegria. “Davi tinha um forte sentimento de pertença ao povo de Deus, e nós devemos nos questionar sobre o nosso sentimento de pertença à Igreja, o nosso sentir com a Igreja e na Igreja”: 

O cristão não é um batizado que recebe o Batismo e segue seu caminho. O primeiro fruto do Batismo é a integração com a Igreja, com o povo de Deus. É por isso que o grande Paulo VI dizia que é uma dicotomia absurda amar Cristo sem a Igreja; ouvir Cristo, mas não a Igreja; estar com Cristo, mas à margem da Igreja. Nós recebemos a mensagem evangélica na Igreja e é nela que fazemos nossa santidade. O resto é pura fantasia”, disse Francisco. 

O “sensus ecclesiae” – prosseguiu – é justamente sentir, pensar e querer dentro da Igreja. E citou as três pilastras desta pertença, começando pela humildade: 

Uma pessoa que não é humilde não pode sentir com a Igreja: sente só que quer e gosta. Não tem a humildade de Davi, que se perguntou ‘Quem sou eu, Senhor? O que é a minha casa?’. A história da Igreja, explicou Francisco, começou antes de nós e continuará depois de nós. Somos uma pequena parte de um grande povo que caminha pela estrada do Senhor”. 

A segunda pilastra é a fidelidade, “que é ligada à obediência”: 

Fidelidade à Igreja; fidelidade ao seu ensinamento; fidelidade ao Credo; custodiar a doutrina. Nós recebemos a mensagem do Evangelho como um dom e devemos transmiti-la como um dom, e não como uma coisa nossa. Nesta transmissão, temos que ser fiéis”. 

A terceira pilastra – disse Francisco – é um serviço especial: rezar pela Igreja, em todas as partes do mundo, nas missas e também em casa. E concluiu: “Que o Senhor nos ajude a prosseguir neste caminho para aprofundar a nossa pertença à Igreja e o nosso ‘sentir’ com a Igreja”. 

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

PARABÉNS FREI MÁRIO!


O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos recorda neste dia, 30 de janeiro de 2014, o aniversário natalício de 50 anos de Frei Mário Aparecido, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e sacerdote e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Mário Aparecido, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Pároco na Paróquia Nossa Senhora da Penha, na cidade de Castelo (ES).

QUEM FOI O "ANJO DA TRANSAMAZÔNICA"? CONHEÇA A IRMÃ SERAFINA


Cidade do Vaticano (RV) – Com o reconhecimento assinado pelo Papa de suas virtudes heróicas, a Serva de Deus Serafina, o “Anjo da Transamazônica”, pode ser já chamada “Venerável”, e sua beatificação aguarda somente a comprovação de um milagre. Nascida em Urucurituba, Amazonas, de pais italianos, ela estudou como professora e enfermeira. Ingressou na vida religiosa aos 33 anos, ao conhecer as Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo em Manaus. Durante 2 anos, fez o Postulado, o Noviciado e a Profissão dos Votos Religiosos na cidade de Wichita, Estado de Kansas, EUA, recebendo o nome de Irmã Serafina. Retornou a Manaus em 1948, onde trabalhou arduamente para a construção do primeiro Noviciado na Amazônia e primeiro Convento do Preciosíssimo Sangue.

Em 1971 Irmã Serafina foi enviada a Altamira, PA, sede da Prelazia do Xingu, onde viu o drama da miséria causada pela abertura da Estrada Transamazônica. Quando o hospital da cidade não dava conta de receber as gestantes e os enfermos vitimados pelas consequências da construção daquela obra, ela os acolhia. 

A Vice-Postuladora e responsável desde 2006 no Brasil por sua causa de santidade é Irmã Marília Menezes, que trabalha em Belém. O Tribunal diocesano ouviu 52 testemunhas em Belém, Altamira, Manaus, Belo Horizonte e por via rogatória, nos Estados Unidos. Em 29 de setembro de 2003, foi concluída, em Manaus, a fase diocesana do Processo, e a documentação levada à Congregação das Causas dos Santos, no Vaticano. 

MEDALHAS E MOEDAS COMEMORATIVAS PARA CANONIZAÇÃO DOS BEATOS JOÃO XXIII E JOÃO PAULO II


Cidade do Vaticano (RV) – O Departamento Filatélico e Numismático do Vaticano informou que serão cunhadas moedas e medalhas comemorativas oficiais, em bronze e prata, por ocasião da canonização, em 27 de abril dos Beatos João XXIII e João Paulo II.

A solene celebração Eucarística de canonização será presidida pelo Papa Francisco, no Vaticano. Será um momento de alegria e de oração para os fiéis do mundo inteiro e de glória para a Igreja Católica. 

O Beato João XXIII é conhecido como o "Papa Bom", um nome que reflete não apenas as suas características físicas tão queridas, mas também o caráter de um pastor carinhoso, que nunca deixou, com palavras simples, de dar conforto a todos os que mais precisavam. Sua intuição histórica fundamental foi a convocação do Concílio Vaticano II, fortemente desejado e inaugurado em 11 de outubro de 1962. O Concílio foi um ponto de partida histórico para a Igreja. O Papa João XXIII faleceu em 3 de junho de 1963. Foi naqueles tristes dias que se pôde compreender aquela figura universal tão amada e a importância fundamental do seu Magistério. 

Por sua vez, o Beato João Paulo II foi o pastor que liderou a Igreja e a levou a passar os umbrais do novo milênio. Ele representa um dos mais importantes e influentes personagens da história contemporânea, não só da Igreja, mas do mundo inteiro. Seu pontificado, de quase 26 anos, foi extraordinário: numerosas viagens apostólicas, nacionais e internacionais; diálogo com as outras religiões; defesa constante dos valores morais da vida e da família; relação especial com as pessoas e, em particular, com os jovens; promulgação do Catecismo da Igreja Católica; espírito cristão para enfrentar sua própria doença, especialmente nos últimos dias da sua existência. (MT)

AUDIÊNCIA: PAPA RESSALTA A CRISMA, "DOM DE DEUS QUE NOS AJUDA A VIVER COMO CRISTÃOS"


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco encontrou-se, na manhã desta quarta-feira, na Praça São Pedro, com numerosos peregrinos e fiéis, de diversas partes do mundo, para a habitual Audiência Geral.

Em sua catequese semanal, o Santo Padre continuou a tratar do Sacramento da Confirmação ou Crisma, que deve ser entendido como continuação do Batismo, ao qual está ligado de modo inseparável. Ambos os Sacramentos, junto com a Eucaristia, formam um único evento salvífico – a iniciação cristã – no qual somos inseridos por meio de Jesus Cristo, morto e ressuscitado, que nos tornam novas criaturas e membros da Igreja.

Eis porque, disse o Papa, estes três Sacramentos são celebrados em um único momento, ao término do caminho catecumenal, geralmente na Vigília Pascal. Assim era selado o percurso de formação e de gradual inserção na comunidade cristã, que podia durar até dois anos.

Geralmente, se fala de sacramento da Crisma, que significa Unção. De fato, explico o Pontífice, através do óleo do Crisma somos conformados, pelo poder do Espírito, a Jesus Cristo, o único e verdadeiro ungido, o Messias, o Santo de Deus”.

O termo Confirmação recorda-nos também que este Sacramento contribui para um aumento da graça batismal: ele nos une de modo mais sólido a Cristo; leva ao cumprimento a nossa união com a Igreja; dá-nos uma força especial do Espírito Santo para difundir e defender a fé, confessar o nome de Cristo e jamais termos vergonha da sua cruz. E o Papa acrescentou:

Naturalmente, é importante oferecer aos crismandos uma boa preparação, que deve visar uma adesão pessoal à fé em Cristo e a despertar neles o sentido de pertença à Igreja. A Confirmação, como todo Sacramento, não é obra dos homens, mas de Deus, que cuida da nossa vida, de modo a plasmar-nos à imagem do seu Filho, tornando-nos capazes de amar como Ele amou”. 

Este Sacramento, afirmou o Papa, infunde em nós seu Espírito Santo, cuja ação permeia toda a pessoa e toda a vida, como transparece nos sete dons que a Tradição, à luz da Sagrada Escritura, sempre colocou em evidência: a Sabedoria, a inteligência, o Conselho, a Fortaleza, a Ciência, a Piedade e o Temor de Deus.

O Santo Padre disse aos presentes na Praça São Pedro que vai dedicar suas próximas catequeses, depois dos Sacramentos, a estes dons do Espírito Santo.

O Papa Francisco concluiu sua catequese de hoje exortando os fiéis a acolherem o Espírito em nossos corações e a deixá-lo agir. Através de nós, será Ele a rezar, perdoar, infundir a esperança e a consolação, a servir os irmãos, a tornar-se próximo dos necessitados e dos últimos, a criar comunhão, a semear a paz.

Ao término da Audiência Geral, o Pontífice pediu aos presentes para recordar-se sempre do Sacramento da Confirmação, agradecer a Deus por este dom e pedir-lhe ajuda para viver como verdadeiros cristãos, caminhando sempre com alegria, segundo o Espírito divino.

Por fim, foi feito um resumo da sua catequese em diversas línguas, inclusive em português. Aos presentes de língua portuguesa, o Papa disse:

Queridos peregrinos de língua portuguesa: uma cordial saudação para todos! Lembrai-vos de agradecer o Senhor pelo dom do sacramento da Crisma, pedindo-Lhe que vos ajude a viverdes sempre come verdadeiros cristãos, para confessar por todo o lado o nome de Cristo! Desça sobre vós a Bênção do Senhor!”,
Participaram da Audiência Geral, entre outros, 350 pessoas, pertencentes ao mundo do espetáculo itinerante, provenientes do Trivêneto, acompanhados pelo cardeal Antonio Maria Vegliò, presidente do Pontifício Conselho para os Migrantes e os Itinerantes. 

Os circenses, malabaristas, feirantes e agentes de parques de diversão participam da audiência papal, por ocasião da festa de São João Bosco, no próximo dia 31 de janeiro, padroeiro do circo e dos que trabalham em parques e feiras itinerantes. 

A maioria dos participantes é proveniente da região de Rovigo, nordeste da Itália, conhecida como "a terra dos parques de diversão”, devido à presença de fábricas, Museu de carrosséis, espetáculos populares, e das muitas famílias, que trabalham nos espetáculos itinerantes. (MT)


ARQUIDIOCESE DE SALVADOR TEM NOVO BISPO AUXILIAR


Cidade do Vaticano (RV) - O Santo Padre nomeou Auxiliar da Arquidiocese de Salvador (BA) o Reverendo Estevam Santos Silva Filho, do clero de Vitória da Conquista (BA), até então Pároco da Paróquia “Nossa Senhora das Candeias” na mesma Arquidiocese, conferindo-lhe a sede titular episcopal de Feradi maior. 

Dom Silva Filho nasceu em 10 de abril de 1968 em Vitória da Conquista. Recebeu a ordenação sacerdotal em 9 de junho de 1995.

Estudou Filosofia no Instituto Filosófico Nossa Senhora das Vitórias, em Vitória da Conquista, e Teologia no Instituto Coração Eucarístico de Jesus, em Belo Horizonte. 

Especializou-se em Comunicação na Pontificia Universidad Javeriana em Bogotá – Colômbia e frequentou um curso em Comunicação Social em SEPAC/USF, em São Paulo. Participou também do Curso para Diretores Espirituais Inacianos em Itaici (São Paulo).

No decorrer do ministério sacerdotal, desempenhou a função de pároco em várias paróquias da Arquidiocese de Vitória da Conquista: Paróquia “Nossa Senhora do Perpétuo Socorro” em Iguaí (1995-1997); Paróquia “Senhor do Bonfim e Santa Rita” em Planalto (1998-2001); e Paróquia “Divino Espírito Santo” em Poções (2000-2001). 

Foi também Diretor Espiritual dos seguinte Seminários: Seminário Propedêutico em Itapetinga, Arquidiocese de Vitória da Conquista (1995); Seminário Maior de Filosofia em Vitória da Conquista (1996-1997 e a partir de 2009); e Seminário Maior de Teologia em Ilhéus (1998-2008).

Além disso, desempenha várias funções em nível arquidiocesano: Membro do Conselho dos Formadores (desde 1995); Membro do Colégio dos Consultores (desde 2000); Membro do Conselho Presbiteral (desde 2000); Assessor Eclesiástico da Pastoral Arquidiocesana de Comunicação e do Setor Juvenil (desde 2011). 

Atualmente, exercita o próprio ministério como Pároco da Paróquia “Nossa Senhora das Candeias”, Ecônomo arquidiocesano e Formador no Seminário Filosófico da Arquidiocese de Vitória da Conquista.

Fonte: Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/01/29/arquidiocese_de_salvador_tem_novo_auxiliar/bra-768339 do site da Rádio Vaticano 

DOM EDMILSON AMADOR CAETANO É NOVO BISPO DE GUARULHOS


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco nomeou Bispo da Diocese de Guarulhos (SP) Dom Edmilson Amador Caetano, O.Cist. transferindo-o da Diocese de Barretos (SP).

Dom Caetano nasceu na cidade de São Paulo em 20 de abril de 1960. Estudou Filosofia no Mosteiro “São Bento”, em São Paulo e Teologia no Instituto Teológico “Pio XI”, em São Paulo e no Mosteiro “São Bento”, do Rio de Janeiro. Obteve a Licenciatura em Liturgia no Pontifício Ateneu Sant’Anselmo, em Roma. 

Membro da Congregação de S. Bernardo da Ordem Cisterciense, emitiu a profissão perpétua em 25 de março de 1982. Foi ordenado sacerdote em 12 de dezembro de 1985. Em 9 de janeiro de 2008 foi nomeado Bispo de Barretos (SP) e em 28 de março sucessivo recebeu a ordenação episcopal.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

DOM ILSON MONTANARI É SECRETÁRIO DO COLÉGIO CARDINALÍCIO


Cidade do Vaticano (RV) – O Santo Padre Francisco nomeou o Arcebispo Ilson de Jesus Montanari como Secretário do Colégio Cardinalício. 

Dom Ilson, 58, é natural de Sertãozinho, SP, e trabalha na Congregação para os Bispos desde 2008. Em 2011 foi nomeado Capelão de Sua Santidade, e em 12 de outubro, o Papa o nomeou Secretário da Congregação, presidida pelo cardeal canadense Marc Ouellet. 

O cargo de Secretário do Colégio Cardinalício é uma das funções de sua incumbência na Congregação. 

O Colégio Cardinalício é atualmente formado por 199 cardeais: 107 eleitores e 92 com mais de 80 anos, sem direito de voto. Eles colaboram com o Papa nas questões mais importantes da Igreja Católica e têm o dever de se reunir para eleger um novo Pontífice.

Como descrito no Código de Direito Canônico, cânon 349, “os Cardeais da Santa Igreja Romana constituem um Colégio especial cuja responsabilidade é prover à eleição do Romano Pontífice, de acordo com a norma do direito peculiar; assim mesmo, os Cardeais assistem o Romano Pontífice, tanto colegialmente quando são convocados para tratar juntos questões de mais importância, como pessoalmente, mediante as diversas funções que desempenham, ajudando o Papa sobretudo em seu governo cotidiano da Igreja universal”.

Já o Cânon 350, explica que “o Colégio Cardinalício se divide em três ordens: a episcopal, a que pertencem os Cardeais aos quais o Romano Pontífice atribui como título uma Igreja suburbicária e os Patriarcas orientais do Colégio, a presbiterial e a diaconal".

PAPA: EXULTAMOS POR UM GOL, MAS LOUVAMOS A DEUS COM FRIEZA


Cidade do Vaticano (RV) – A oração de louvor nos faz fecundos: foi o que afirmou o Papa Francisco na Missa desta manhã na Casa Santa Marta. 

O Papa desenvolveu sua homilia a partir da primeira leitura, extraída do segundo Livro de Samuel, que narra a dança de Davi diante do Senhor. 

Todo o povo de Deus estava em festa, porque a Arca da Aliança havia regressado à casa. A oração de louvor de Davi o levou a perder a compostura e dançar diante do Senhor com todas as suas forças. Este trecho, comentou o Pontífice, o levou a pensar em Sara, que dançou de alegria depois de dar à luz. Para nós, comentou Francisco, é fácil entender a oração para pedir uma coisa ao Senhor, ou mesmo para agradecer-Lhe, mas a oração de louvor não nos vem de maneira tão espontânea:

“‘Mas, Padre, isso é para aqueles da Renovação no Espírito, não para todos os cristãos!’. Não, a oração de louvor é uma oração cristã para todos nós! Na Missa, todos os dias, quando cantamos o Santo… Esta é uma oração de louvor: louvamos a Deus pela sua grandeza, porque é grande! E dizemos a Ele coisas belas, porque gostamos disso. ‘Mas, Padre, eu não sou capaz…’ – alguém pode dizer. Mas se é capaz de gritar quando seu time marca um gol, não é capaz de louvar ao Senhor? De perder um pouco a compostura para cantar? Louvar a Deus é totalmente gratuito! Não pedimos, não agradecemos: louvamos!” 

Devemos rezar “com todo o coração”, prosseguiu o Papa: “É um ato inclusive de justiça, porque Ele é grande! É o nosso Deus!”. 

“Uma boa pergunta que nós podemos nos fazer hoje: ‘Mas como vai a minha oração de louvor? Eu sei louvar ao Senhor? Sei louvar ao Senhor quando rezo o Glória ou o Sanctus, ou movo somente a boca sem usar o coração?’. O que me diz Davi, dançando? E Sara, dançando de alegria? Quando Davi entra na cidade, começa outra coisa: uma festa!”

“A alegria do louvor nos leva à alegria da festa, acrescentou Francisco. A festa da família. Quando Davi entra no palácio, recordou o Papa, a filha do Rei Saul, Micol, o repreende e lhe pergunta se não sente vergonha por ter dançado daquela maneira diante de todos, já que ele era o rei. Micol “desprezou Davi”: 

“Eu me pergunto quantas vezes nós desprezamos no nosso coração pessoas boas, que louvam ao Senhor como bem entendem, assim espontaneamente, porque não são cultas, não seguem atitudes formais? Mas, desprezo! E diz a Bíblia que Micol ficou estéril por toda a vida devido a isso! O que quer dizer a Palavra de Deus aqui? Que a alegria, que a oração de louvor nos torna fecundos! Sara dançava no auge da sua fecundidade, aos 90 anos! Aquele homem ou aquela mulher que louva ao Senhor, que reza louvando Ele, que que reza com alegria, é um homem ou uma mulher fecundo”. 

Pelo contrário, advertiu Francisco, “os que se fecham na formalidade de uma oração fria, comedida, talvez acabem como Micol: na esterilidade de sua formalidade”. O Papa então convidou a imaginar Davi que dança com todas as suas forças diante do Senhor e concluiu: “Nos fará bem repetir as palavras do Salmo 23 que rezamos hoje: “Levantai, ó portas, os vossos frontões, elevai-vos antigos portais, para que entre o rei da glória!”.

MONJAS AGOSTINIANAS RECOLETAS


Nossa Comunidade de Guaraciaba do Norte, conta graças a Deus com 13 irmãs que convocadas por Deus estamos aqui orando pela humanidade inteira.
 
Como Ordem religiosa somos pouco conhecidas no Brasil, embora tenhamos o mesmo tempo de fundação que nossos irmãos Agostinianos Recoletos - 425 anos de presença na Igreja, no Brasil somente chegamos provenientes do México em 2003, em nossos quase 11 anos de fundação viemos caminhando junto com a Igreja que peregrina em este belíssimo país temos aprendido muito e graças a Deus vemos com alegria que o futuro nos sorri. Porem, muitos de vocês estarão se perguntando:
 
E, O que é ser monja? Muitos como você se fazem esta pergunta, ou outras perguntas parecidas. Por que há mulheres e homens que escolhem viver na clausura, tendo tanto apostolado por fazer lá fora dos muros dos mosteiros? E a surpresa que muitas pessoas levam é a de comprovar que por trás dos muros dos mosteiros se encontram pessoas jovens, que sabem sorrir e chorar, que conversam, se questionam, que fazem amizades, em fim que são pessoas totalmente normais. Toda vocação é um mistério, e um dom de Deus, e a vida contemplativa por mais difícil de entender tem sua função na Igreja e no mundo.
 
A vida das monjas é muito simples, fica dividida em tempos de oração, trabalho e vida comunitária, aliás, toda nossa vida, todo nosso ser e fazer estão orientados a viver nessa continua união com Deus pela oração. Com nosso trabalho e oração ajudamos na construção do reino de Deus, vivemos nossa vida no claustro na  nossa vocação-missão de morar no coração da Igreja com a única razão de fazer chegar a vida de Cristo a todo o povo de Deus.
 
Desde aqui nossa oração para todos e é um prazer estar aqui nesta página informativa, esperamos que não seja a primeira vez e poder ter a oportunidade de estar aqui partilhando com vocês a alegria de servir o Senhor.
 
Contem com as nossas orações.
 
 Monjas Agostinianas Recoletas.
Guaraciaba do Norte, CE.
Conheça Mosteiro Nossa Senhora de Guadalupe Guaraciaba do Norte, Ceará. Fone:(88) 9736-14 44.

Fonte: Blog da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos.

CURSO DE RENOVACIÓN PARA AMERICA - ORDEM DE AGUSTINOS RECOLETOS

CURSO DE RENOVACIÓN PARA AMERICA. ORDEN DE AGUSTINOS RECOLETOS
RIO DE JANEIRO, 18 ENERO 2014

Comienza el curso de renovación para América de la orden de Agustinos Recoletos. Son 37 religiosos procedentes de 6 países: México, Costa Rica, Venezuela, Perú, Colombia y Brasil. En la casa de retiro “Santo Agosthino” de Río de Janeiro desde el 13 de enero hasta el 8 de febrero



Con la incorporación de los 16 religiosos de la provincia de Santa Ritase iniciaba el pasado lunes 13 de enero el curso de renovación para América de los religiosos agustinos recoletos. Antes de ellos había llegado ya los integrantes del resto de provincias: 8 religiosos de San Nicolás de Tolentino, 4 de Santo Tomás de Villanueva, 5 de San José y 3 de Nuestra Señora de la Candelaria. Con la presencia del padre Pablo Panedas, miembro de la curia romana son 37 los miembros participantes. Para poder participar han viajado desde México, Costa Rica, Venezuela, Perú, Colombia y el mismo Brasil.



La casa de retiro “Sitio Santo Agostinho”, en el mismo Río de Janeiro será la que acoja las distintas actividades que desde el día 13 de enero hasta el sábado 8 de febrero se realizarán. El objetivo que se persigue no es otro que facilitar a todos los participantes un espacio  y un tiempo para vivir con intensidad una renovación personal y comunitaria.


EJERCICIOS ESPIRITUALES


 Arranca el mes con los ejercicios espirituales. El padre Enrique A. Aguiarte ha recibido el encargo de los máximos representantes de la orden de Agustinos Recoletos de preparar una tanda de ejercicios que a lo largo de todo este año se ofrecen a todos los miembros de la familia recoleta. Con un marcado acento recoleto, agustiniano y bíblico quieren ser una ayuda en este momento histórico en el que se nos pide a todos una respuesta más comprometida que nunca.


Son cinco días completos de silencio. Acompañados por los materiales facilitados y por las charlas del padre Enrique buscamos a San Agustín para que de su mano nos dejemos iluminar como comunidad por el mismo Cristo. Y tras la reflexión el silencio y la oración: exposición del Santísimo, confesiones, rezo del santo rosario, adoración de la cruz y en el centro de todo la eucaristía.

REZANDO CON LA TABLET


Tal vez la novedad menos esperada fueron las tabletas que recibimos. En ella estaban los materiales y las “APP” necesarias para rezar en castellano y el portugués. De esta forma se evitaba tener que distribuir un montón de fotocopias. Durante los primeros días los más diestros en conocimientos tecnológicos atendían las necesidades de menos habituados a ellas. La habitual estampa de una capilla llena de los libros de oración ha dado paso a otra en la que encima de los bancos se acumulan los artefactos electrónicos y la pregunta que se oye es: ¿has descargado ya la actualización de hoy?

LA TORMENTA Y EL APAGÓN TECNOLÓGICO

Tras unos días de mucho calor la tarde del jueves 16 sufrimos en el transcurso de la eucaristía una fuerte tormenta. La lluvia que alivió las altas temperaturas vino acompañada de truenos y relámpagos. Además de alguna pequeña inundación en los pasillos se fue la luz. Tuvimos que cenar en silencio, porque estábamos de ejercicios espirituales, y sin luz eléctrica, a la luz de las velas. Todo muy romántico. Muy pronto nos dimos cuenta que además nos habíamos quedado sin internet.  


Durante algo más de una semana seguimos sin poder conectarnos y descargar los correos o hacer las consultas habituales. El problema más importante se presentó a la hora de descargar las actualizaciones del oficio de las horas. La versión castellana permite descargar la semana entera. La portuguesa sólo permite una actualización diaria. Esto nos ha obligado a rezar durante estos días en castellano, aunque la idea primera era hacerlo de forma alternativa en español y portugués.

VISITA AL CRISTO DE CORCOVADO


Tras finalizar la semana de ejercicios espirituales hicimos la primera salida para conocer el famoso Cristo de Corcovados. La estampa más conocida de Río de Janeiro. No podemos irnos sin la foto que de testimonio de nuestra estancia en la capital carioca. Para poder alcanzar la cima de la montaña, de 710 metros, fue necesario utilizar el tren cremallera. Una ligera niebla nos impidió disfrutar de toda la belleza del paisaje. La gran afluencia de turistas tampoco facilitó poder hacer las mejores fotografías.


PARROQUIA DE SÃO JANUÁRIO E SANTO AGOSTININHO

El curso de renovación tiene entre sus objetivos dar a conocer a los participantes alguna de las comunidades agustino recoletas del país y compartir con ellos. Comenzamos con esta histórica casa que ha sido protagonista de los primeros pasos recoletos en Brasil. La comunidad nos recibió con cariño, nos ofreció un refrigerio y nos invitó a rezar juntos en la iglesia. Allí nos explicaron la decoración llena de motivos agustinianos.

 Rafael Nieto 

Fonte: Blog da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos

PAPA FRANCISCO RECONHECE AS VIRTUDES HERÓICAS DA SERVA DE DEUS SERAFINA, URUCUTIBA (MA)


Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco recebeu em audiência privada, na segunda-feira, 27, o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato. 

O Santo Padre autorizou a Congregação a promulgar os decretos que reconhecem:

- o martírio do Servo de Deus Pietro Asúa Mendía, sacerdote diocesano nascido, em Valmaseda, na Espanha, em 30 de agosto de 1890 e morto por ódio à fé em Liendo, Espanha, em 29 de agosto de 1936.

- as virtudes heróicas do Servo de Deus Giuseppe Girelli, sacerdote diocesano nascido, em Dossobuono, na Itália, em 10 de janeiro de 1886 e morto, em Negrar, Itália, em 1° de maio de 1978.

- as virtudes heróicas do Servo de Deus Zaccaria di Santa Teresa (Zaccaria Salteráin Vizcarra), sacerdote da Ordem dos Carmelitas Descalços nascido, em Abadiano, na Espanha, em 5 de novembro de 1887 e falecido, em Vellore, na Índia, em 23 de maio de 1957.

- as virtudes heróicas da Serva de Deus Marcella Mallet, fundadora das Irmãs da Caridade de Québec, nascida em Côte des-Neiges, no Canadá, em 26 de março de 1805, e falecida em Québec, Canadá, em 9 de abril de 1871.

- as virtudes heróicas da Serva de Deus Maria Benedetta Arias, fundadora das Irmãs Servas de Jesus no Sacramento, nascida em La Carlota di Rio Cuarto, Argentina, em 3 de abril de 1822 e falecida, em Buenos Aires, Argentina, em 25 de setembro de 1894.

- as virtudes heróicas da Serva de Deus Margarida do Sagrado Coração de Jesus (no século Virginia De Brincat), fundadora das Irmãs Franciscanas do Coração de Jesus, nascida em Kercem, Ilha de Gozo, Malta, em 28 de novembro de 1862, e falecida em Victoria, Ilha de Gozo, Malta, em 22 de janeiro de 1952.

- as virtudes heróicas da Serva de Deus Serafina (Noemy Cinque), religiosa brasileira da Congregação das Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo, nascida em Urucurituba (AM), em 31 de janeiro de 1913 e morta em Manaus (AM), em 21 de outubro de 1988.

- as virtudes heróicas da Serva de Deus Elisabetta Sanna, viúva, professa da Ordem Terceira dos Mínimos de São Francisco, do Sodalício da União do Apostolado Católico fundado por São Vicente Pallotti, nascida em Codrongianos, Itália, em 23 de abril de 1788 e falecida, em Roma, em 17 de fevereiro de 1857. (MJ)

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

PREMIADO O FILME: "DESCALÇO SOBRE A TERRA VERMELHA": A VIDA DO BISPO DOS POBRES


Paris (RV) – A minissérie espanhola “Descalzo sobre la tierra roja” (Descalço sobre a terra vermelha), do cineasta catalão Oriol Ferrer, ganhou dois prêmios FIPA de Ouro na 27ª edição do Festival Internacional de Programas Audiovisuais de Biarritz (sudoeste da França).

A minissérie, de dois episódios, conta a vida do bispo emérito de São Félix do Araguaia, Dom Pedro Casaldáliga, e sua luta em favor dos pobres e sem-terra do Mato Grosso, MT. 

O papel do missionário catalão foi interpretado por Eduard Fernández, que foi também premiado como melhor ator. O outro reconhecimento ao filme foi pela melhor trilha sonora original; e de modo especial, o júri elogiou a música, composta por David Cervera. A série foi co-produzida pela TVC, TVE, Minoria Absoluta, Raiz Produções Cinematográficas e TV Brasil.

O Festival Internacional de Programas Audiovisuais (FIPA) reconhece e defende a criação audiovisual internacional: ficção, séries, documentários, grandes reportagens, etc. 

O prêmio FIPA de Oro da melhor ficção foi para o filme francês "3xManon", de Jean-Xavier de Lestrade, enquanto a melhor interpretação feminina foi de Emily Watson, por seu papel em "The politician's husband", dirigido por Simon Cellan Jones. 

Pedro Casaldàliga i Pla nasceu na província de Barcelona, em 16 de fevereiro de 1928, e mora no Brasil desde 1968. Ingressou na Congregação Claretiana em 1943, sendo ordenado sacerdote em Montjuïc, Barcelona, no dia 31 de maio de 1952. 

Foi nomeado administrador apostólico da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT) no dia 27 de abril de 1970. O Papa Paulo VI o nomeou bispo prelado de São Félix do Araguaia em agosto de 1971. 

Dom Pedro já foi alvo de inúmeras ameaças de morte, e por cinco vezes, durante a ditadura militar, foi alvo de processos de expulsão do Brasil, por seu engajamento nas lutas camponesas. 

Ao completar 75 anos, Dom Pedro Casaldáliga foi sucedido em São Félix por Dom Frei Leonardo Ulrich Steiner, sucessivamente transferido para a Arquidiocese de Brasília como bispo auxiliar. Para a Prelazia foi nomeado Dom Adriano Ciocca Vasino. 


domingo, 26 de janeiro de 2014

PARABÉNS FREI ADEMIR!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 27 de janeiro de 2014, recorda o aniversário natalício de 62 anos do Frei Ademir João Garcia, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse seu filho e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Ademir João Garcia, O.A.R. é e foi paroquiano da Paróquia Nossa Senhora da Consolação, portanto, filho desta Paróquia, recentemente, foi transferido para Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na cidade de São Paulo (SP), anteriormente, residia e atuava como Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Penha, na cidade de Castelo (ES).

sábado, 25 de janeiro de 2014

REFLEXÃO PARA O 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM


Cidade do Vaticano (RV) - A primeira leitura, a mesma da noite de Natal, nos fala do domínio dos assírios sobre Israel. Na verdade, duas tribos que viviam ao norte do país, na Galiléia, e eram esquecidas, oprimidas, vilipendiadas em seus direitos. Viviam, de fato, em total escuridão. É a esses povos que o Senhor socorre com sua luz. Ele destrói a escuridão, quebra o jugo opressor e alegra seu povo com a libertação de todo e qualquer sofrimento. Na liturgia da noite de Natal, a leitura ia mais adiante, e falava do nascimento de um menino, do qual a luz era a sua representação.

No Evangelho, Jesus vai morar nessa região do norte. Mateus cita a profecia que ouvimos na primeira leitura. A promessa é cumprida 700 anos depois, por Jesus Cristo, a Luz do mundo.

Há muito os assírios haviam deixado Israel, mas não a situação de morte, de pecado, através das más ações dos homens. Por isso Jesus prega: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo!”

Ele vai anunciar a necessidade da mudança de coração, onde as pessoas se encontram, ali no trabalho, no seu dia a dia. É Deus companheiro, o Deus visitador, aquele que solicita nossa companhia, nosso trabalho, nossa amizade. Ele nos quer como colaboradores em sua missão de Luz que destrói as trevas. Recordo a cerimônia batismal quando o sacerdote acende uma vela no círio pascal, o sinal expressivo do Cristo Ressuscitado, e a entrega ao batizando, dizendo para ele ser luz. Temos todos a missão cristã de iluminar com nossa fé, esperança e serviço a parcela do mundo em que vivemos, fazendo o bem a todos. Aí sinalizaremos que chegou o Reino de Deus, Reino de Justiça, do Amor e da Paz.

A vocação, o chamado que Jesus dirige a Pedro e a André, a Tiago e a João, dirige também hoje, agora a cada um de nós, onde estivermos, fazendo o que quer que seja. Ele nos diz: “Segui-me e eu vos farei pescadores de homens,” colaborando na sua missão: libertar a Humanidade do mal que impede o Reino de Deus de se aproximar e dos seres humanos de irem até Deus.

Vivamos nossa vocação de luz. Sejamos construtores da paz, de uma sociedade alicerçada no amor e no perdão.

Pe. César Augusto dos Santos SJ

Fonte: Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/01/25/reflex%C3%A3o_3%C2%B0_domingo_do_tempo_comum/bra-767172 do site da Rádio Vaticano 

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

CONVITE PARA MISSA DE ENVIO DE JOÃO VITOR PREATO


"Fizeste-nos, Senhor, para ti, e o nosso coração está inquieto, enquanto não descansar em ti" Santo Agostinho

O jovem João Vitor Preato, a Família Preato e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação tem a alegria de convidar a você e sua família para participar da Celebração Eucarística, no dia 2 de fevereiro de 2014, às 19h, no Santuário de Nossa Senhora da Consolação, na qual João Vitor Preato, membro desta comunidade paroquial, será enviado para o Seminário Nossa Senhora Aparecida da Ordem dos Agostinianos Recoletos, cidade de Franca (SP) para o início de seus estudos e aprofundamento no conhecimento do carisma agostiniano recoleto.

E a Comunidade Paroquial é convidada a rezar pela vocações sacerdotais e religiosas, bem como para que o jovem João Vitor Preato seja fiel e perseverante ao chamado que Deus faz em sua vida.



PARABÉNS DOM JÚLIO ENDI AKAMINE!

Neste dia 24 de janeiro de 2014, o calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos recorda o terceiro ano de sagração episcopal de Dom Júlio Endi Akamine, bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo - Região Lapa e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com o senhor bispo auxiliar e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria para guiar o rebanho que lhe foi confiado.

Dom Julio Endi Akamine, filho do casal Guengio Akamine (falecido) e Teruco Oshiro Akamine, nasceu em 30 de novembro de 1962 em Garça, Diocese de Marília, Estado de São Paulo.

Em 1975 entrou no Seminário da Sociedade do Apostolado Católico (Palotinos) em Londrina, Paraná, onde completou os estudos no Seminário Menor São Vicente Pallotti. Fez o Noviciado em 1979 no Seminário Rainha da Paz, Cornélio Procópio (PR). Sua primeira consagração foi a 8 de dezembro de 1980, na mesma cidade.

 -Cursou Licenciatura em Filosofia na Pontifícia Universidade Católica (PUC), de 1981 a 1983, e Teologia no “Studium Teologicum Claretianum”, de 1984 a 1987, na Arquidiocese de Curitiba. Foi ordenado diácono pela imposição das mãos de dom Luciano Mendes de Almeida no dia 25 de janeiro de 1987 na Paróquia Coração Eucarístico de Jesus e Santa Marina, Vila Carrão, Região Episcopal Belém, e foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de dom José Maria Maimone, em 24 de janeiro de 1988 na Paróquia Santo Antonio, cidade de Cambé, Paraná.

 -Obteve o Mestrado em Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (1993 a 1995) e Doutorado na mesma Universidade (2001 a 2005).

Como sacerdote palotino desempenhou a função de Vigário paroquial: Paróquia Santo Antônio, Cambé (PR) (1988-1990);

Pároco: Paróquia Santo Antônio, Cambé (PR) (1990-1993), na Arquidiocese de Londrina;

Reitor do Seminário Maior Palotino, Curitiba (PR) (1996-2001);

Assessor da OSIB Regional Sul 2 (1996-1998);

Secretariado Geral da SAC para a Formação (1999-2005);

Consultor local da Comunidade da Casa Geral, Roma (2001-2003);

Diretor do Período Introdutório da Província Regina Apostolorum, Itália (2003-2004);
Secretário provincial para a formação (2005-2007);

Diretor espiritual do Seminário Maior Palotino, Curitiba (2006-2007).

No período de 1996 a 2001 e 2005 a 2011 foi professor de teologia no Studium Theologicum, Curitiba, onde lecionou as matérias de Teologia Sacramentária Geral, Sacramentos da Iniciação Cristã, Eclesiologia, Trindade, Introdução à Teologia e Teologia Fundamental.

Desde 2008, reitor Provincial da Província Palotina São Paulo Apóstolo, com sede nesta cidade até ser nomeado bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, em 4 de maio de 2011, sendo ordenado bispo em 9 de julho de 2011.

Fonte da biografia: Site Oficial da Arquidiocese de São Paulo

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

PARABÉNS FREI EDIELSON!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 24 de janeiro de 2014, recorda o 16º aniversário da Ordenação Presbiteral de Frei Edielson Oliveira da Cunha, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e sacerdote por este dia e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Edielson Oliveira da Cunha, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Pároco na Paróquia Santa Rita de Cássia, na cidade de Igarapava (SP), sendo muito querido pelos fiéis do Sul do Estado do Espírito Santo, pois fez um belo trabalho de evangelização quando trabalhou como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Penha, na cidade de Castelo (ES).

"COMUNICAÇÃO AO SERVIÇO DE UMA AUTÊNTICA CULTURA DO ENCONTRO": A ÍNTEGRA DA MENSAGEM DO PAPA


Cidade do Vaticano (RV) - O Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais publicou a Mensagem do Santo Padre Francisco aos comunicadores, que comemoram seu patrono, São Francisco de Sales, em 24 de janeiro. 

A 48ª edição do Dia Mundial das Comunicações Sociais será em 1º de Junho de 2014 e terá como tema "Comunicação ao serviço de uma autêntica cultura do encontro". Leia a íntegra da mensagem:

"Queridos irmãos e irmãs,

Hoje vivemos num mundo que está a tornar-se cada vez menor, parecendo, por isso mesmo, que deveria ser mais fácil fazer-se próximo uns dos outros. Os progressos dos transportes e das tecnologias de comunicação deixam-nos mais próximo, interligando-nos sempre mais, e a globalização faz-nos mais interdependentes. Todavia, dentro da humanidade, permanecem divisões, e às vezes muito acentuadas. A nível global, vemos a distância escandalosa que existe entre o luxo dos mais ricos e a miséria dos mais pobres. Frequentemente, basta passar pelas estradas duma cidade para ver o contraste entre os que vivem nos passeios e as luzes brilhantes das lojas. Estamos já tão habituados a tudo isso que nem nos impressiona. O mundo sofre de múltiplas formas de exclusão, marginalização e pobreza, como também de conflitos para os quais convergem causas económicas, políticas, ideológicas e até mesmo, infelizmente, religiosas.

Neste mundo, os mass-media podem ajudar a sentir-nos mais próximo uns dos outros; a fazer-nos perceber um renovado sentido de unidade da família humana, que impele à solidariedade e a um compromisso sério para uma vida mais digna. Uma boa comunicação ajuda-nos a estar mais perto e a conhecer-nos melhor entre nós, a ser mais unidos. Os muros que nos dividem só podem ser superados, se estivermos prontos a ouvir e a aprender uns dos outros. Precisamos de harmonizar as diferenças por meio de formas de diálogo, que nos permitam crescer na compreensão e no respeito. A cultura do encontro requer que estejamos dispostos não só a dar, mas também a receber de outros. Os mass-media podem ajudar-nos nisso, especialmente nos nossos dias em que as redes da comunicação humana atingiram progressos sem precedentes. Particularmente a internet pode oferecer maiores possibilidades de encontro e de solidariedade entre todos; e isto é uma coisa boa, é um dom de Deus.

No entanto, existem aspectos problemáticos: a velocidade da informação supera a nossa capacidade de reflexão e discernimento, e não permite uma expressão equilibrada e correcta de si mesmo. A variedade das opiniões expressas pode ser sentida como riqueza, mas é possível também fechar-se numa esfera de informações que correspondem apenas às nossas expectativas e às nossas ideias, ou mesmo a determinados interesses políticos e económicos. O ambiente de comunicação pode ajudar-nos a crescer ou, pelo contrário, desorientar-nos. O desejo de conexão digital pode acabar por nos isolar do nosso próximo, de quem está mais perto de nós. Sem esquecer que a pessoa que, pelas mais diversas razões, não tem acesso aos meios de comunicação social corre o risco de ser excluído.

Estes limites são reais, mas não justificam uma rejeição dos mass-media; antes, recordam-nos que, em última análise, a comunicação é uma conquista mais humana que tecnológica. Portanto haverá alguma coisa, no ambiente digital, que nos ajuda a crescer em humanidade e na compreensão recíproca? Devemos, por exemplo, recuperar um certo sentido de pausa e calma. Isto requer tempo e capacidade de fazer silêncio para escutar. Temos necessidade também de ser pacientes, se quisermos compreender aqueles que são diferentes de nós: uma pessoa expressa-se plenamente a si mesma, não quando é simplesmente tolerada, mas quando sabe que é verdadeiramente acolhida. Se estamos verdadeiramente desejosos de escutar os outros, então aprenderemos a ver o mundo com olhos diferentes e a apreciar a experiência humana tal como se manifesta nas várias culturas e tradições. Entretanto saberemos apreciar melhor também os grandes valores inspirados pelo Cristianismo, como, por exemplo, a visão do ser humano como pessoa, o matrimónio e a família, a distinção entre esfera religiosa e esfera política, os princípios de solidariedade e subsidiariedade, entre outros.

Então, como pode a comunicação estar ao serviço de uma autêntica cultura do encontro? E – para nós, discípulos do Senhor – que significa, segundo o Evangelho, encontrar uma pessoa? Como é possível, apesar de todas as nossas limitações e pecados, ser verdadeiramente próximo aos outros? Estas perguntas resumem-se naquela que, um dia, um escriba – isto é, um comunicador – pôs a Jesus: «E quem é o meu próximo?» (Lc 10, 29 ). Esta pergunta ajuda-nos a compreender a comunicação em termos de proximidade. Poderíamos traduzi-la assim: Como se manifesta a «proximidade» no uso dos meios de comunicação e no novo ambiente criado pelas tecnologias digitais? Encontro resposta na parábola do bom samaritano, que é também uma parábola do comunicador. Na realidade, quem comunica faz-se próximo. E o bom samaritano não só se faz próximo, mas cuida do homem que encontra quase morto ao lado da estrada. Jesus inverte a perspectiva: não se trata de reconhecer o outro como um meu semelhante, mas da minha capacidade para me fazer semelhante ao outro. Por isso, comunicar significa tomar consciência de que somos humanos, filhos de Deus. Apraz-me definir este poder da comunicação como «proximidade».

Quando a comunicação tem como fim predominante induzir ao consumo ou à manipulação das pessoas, encontramo-nos perante uma agressão violenta como a que sofreu o homem espancado pelos assaltantes e abandonado na estrada, como lemos na parábola. Naquele homem, o levita e o sacerdote não vêem um seu próximo, mas um estranho de quem era melhor manter a distância. Naquele tempo, eram condicionados pelas regras da pureza ritual. Hoje, corremos o risco de que alguns mass-media nos condicionem até ao ponto de fazer-nos ignorar o nosso próximo real.

Não basta circular pelas «estradas» digitais, isto é, simplesmente estar conectados: é necessário que a conexão seja acompanhada pelo encontro verdadeiro. Não podemos viver sozinhos, fechados em nós mesmos. Precisamos de amar e ser amados. Precisamos de ternura. Não são as estratégias comunicativas que garantem a beleza, a bondade e a verdade da comunicação. O próprio mundo dos mass-media não pode alhear-se da solicitude pela humanidade, chamado como é a exprimir ternura. A rede digital pode ser um lugar rico de humanidade: não uma rede de fios, mas de pessoas humanas. A neutralidade dos mass-media é só aparente: só pode constituir um ponto de referimento quem comunica colocando-se a si mesmo em jogo. O envolvimento pessoal é a própria raiz da fiabilidade dum comunicador. É por isso mesmo que o testemunho cristão pode, graças à rede, alcançar as periferias existenciais.

Tenho-o repetido já diversas vezes: entre uma Igreja acidentada que sai pela estrada e uma Igreja doente de auto-referencialidade, não hesito em preferir a primeira. E quando falo de estrada penso nas estradas do mundo onde as pessoas vivem: é lá que as podemos, efectiva e afectivamente, alcançar. Entre estas estradas estão também as digitais, congestionadas de humanidade, muitas vezes ferida: homens e mulheres que procuram uma salvação ou uma esperança. Também graças à rede, pode a mensagem cristã viajar «até aos confins do mundo» (Act 1, 8). Abrir as portas das igrejas significa também abri-las no ambiente digital, seja para que as pessoas entrem, independentemente da condição de vida em que se encontrem, seja para que o Evangelho possa cruzar o limiar do templo e sair ao encontro de todos. Somos chamados a testemunhar uma Igreja que seja casa de todos. Seremos nós capazes de comunicar o rosto duma Igreja assim? A comunicação concorre para dar forma à vocação missionária de toda a Igreja, e as redes sociais são, hoje, um dos lugares onde viver esta vocação de redescobrir a beleza da fé, a beleza do encontro com Cristo. Inclusive no contexto da comunicação, é precisa uma Igreja que consiga levar calor, inflamar o coração.

O testemunho cristão não se faz com o bombardeio de mensagens religiosas, mas com a vontade de se doar aos outros «através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana (BENTO XVI, Mensagem para o XLVII Dia Mundial das Comunicações Sociais, 2013). Pensemos no episódio dos discípulos de Emaús. É preciso saber-se inserir no diálogo com os homens e mulheres de hoje, para compreender os seus anseios, dúvidas, esperanças, e oferecer-lhes o Evangelho, isto é, Jesus Cristo, Deus feito homem, que morreu e ressuscitou para nos libertar do pecado e da morte. O desafio requer profundidade, atenção à vida, sensibilidade espiritual. Dialogar significa estar convencido de que o outro tem algo de bom para dizer, dar espaço ao seu ponto de vista, às suas propostas. Dialogar não significa renunciar às próprias ideias e tradições, mas à pretensão de que sejam únicas e absolutas.

Possa servir-nos de guia o ícone do bom samaritano, que liga as feridas do homem espancado, deitando nelas azeite e vinho. A nossa comunicação seja azeite perfumado pela dor e vinho bom pela alegria. A nossa luminosidade não derive de truques ou efeitos especiais, mas de nos fazermos próximo, com amor, com ternura, de quem encontramos ferido pelo caminho. Não tenhais medo de vos fazerdes cidadãos do ambiente digital. É importante a atenção e a presença da Igreja no mundo da comunicação, para dialogar com o homem de hoje e levá-lo ao encontro com Cristo: uma Igreja companheira de estrada sabe pôr-se a caminho com todos. Neste contexto, a revolução nos meios de comunicação e de informação são um grande e apaixonante desafio que requer energias frescas e uma imaginação nova para transmitir aos outros a beleza de Deus".

Vaticano, 24 de Janeiro – Memória de São Francisco de Sales – do ano 2014.