terça-feira, 30 de setembro de 2014

PRÓXIMO DOMINGO, 5/10, MISSA COM A JUVENTUDE


PAPA: "REZAR PELOS QUE REALMENTE SOFREM E PREPARAR-SE PARA OS MOMENTOS DE ESCURIDÃO"


Cidade do Vaticano (RV) – A homilia do Papa na missa celebrada na manhã de terça-feira, 30, na Casa Santa Marta, se inspirou na Primeira Leitura do dia, extraída do livro de Jó.


Jó amaldiçoou o dia em que nasceu, amaldiçoou a sua vida. “Ele foi colocado à prova, perdeu toda a família, todos os bens e a saúde, todo o seu corpo se transformou numa chaga, uma nojenta ferida”. Naquele momento, prosseguiu Francisco, “acabou a paciência e ele diz estas coisas, coisas feias! Mas ele estava acostumado a dizer a verdade, e esta é a verdade que ele sentia naquele momento”. Jeremias também usa estas mesmas palavras: “Maldito o dia em que nasci”! A partir daí, Francisco fez a pergunta: “Este homem, tão só, está dizendo uma blasfêmia?”

Muitas vezes, ouço pessoas que estão passando por situações difíceis, dolorosas, em que perderam tudo, se sentem sós e abandonadas... vêm reclamar e me perguntam: por que? E se rebelam contra Deus. Eu então lhes digo: “Continue a rezar assim, porque isto é uma oração. Quando Jesus disse a seu Pai ‘Por que me abandonou?’ ele estava rezando!”

E Jó também está fazendo uma oração, porque rezar é se tornar verdade diante de Deus. Jó não podia rezar de outro modo. “Reza-se com a verdade; a verdadeira oração vem do coração, do momento que vivemos; é a oração dos momentos da escuridão, quando não vemos esperanças, não vemos o horizonte”.

“Muita gente, hoje, está na situação de Jó. Muita gente boa, como Jó, não entende o que lhe aconteceu, porque está assim. Muitos irmãos e irmãs estão sem esperança. Pensemos nas grandes tragédias, por exemplo, nestes nossos irmãos que por serem cristãos são expulsos de suas casas e ficam sem nada. ‘Senhor, eu acreditei em você. Por que? Crer foi uma maldição, Senhor?’”

O Papa continuou convidando a pensar nos anciãos deixados de lado, nos doentes, nas pessoas sozinhas, em hospitais. A Igreja reza por todas estas pessoas, e também por nós, quando caminhamos pelas trevas. A Igreja assume esta nossa dor e reza. Mas nós, quando estamos sem doenças, sem fome, sem necessidades urgentes – advertiu – quando temos a escuridão na alma, pensamos que somos mártires e paramos de rezar. Alguns até dizem: ‘Não vou mais à Igreja! Francisco recordou que Santa Teresa do Menino Jesus, nos últimos meses de sua vida, tentava pensar no céu, dentro de si, como se uma voz lhe dissesse: ‘Não seja boba, não invente coisas; sabe o que te espera? Nada!’

"Tantas vezes passamos por esta situação, vivemos esta situação. E tanta gente que somente pensa em acabar no nada. E ela, Santa Teresa, orava e pedia força para seguir em frente, na escuridão. Isto se chama 'entrar na paciência'. A nossa vida é muito fácil, as nossas lamentações são lamentações de teatro. Diante das lamentações de tanta gente, de irmãos e irmãs que estão na escuridão, que quase perderam a memória, a esperança - que vivem aquele 'exílio de si mesmo', estão exilados também de si próprios - nada! E Jesus percorreu este caminho: da noite no Monte das Oliveiras até a última palavra na Cruz: 'Pai, porque me abandonaste?'".

Francisco, então, indicou duas "coisas" que podem servir. "Primeiro: preparar-se, para quando vier a escuridão", que talvez não será tão dura como foi para Jó, "mas teremos um tempo de escuridão. Preparar o coração para este momento". E segundo: "Rezar, como reza a Igreja, com a Igreja, por tantos irmãos e irmãs que sofrem o exílio de si próprios, na escuridão e no sofrimento, sem uma esperança palpável". É a oração da Igreja - concluiu - por estes 'Jesus sofredores', que existem por tudo". (CM)

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

SECRETARIA PAROQUIAL SUSPENDE ATENDIMENTO NO DIA 30 DE SETEMBRO 2014

Por ocasião de um encontro promovido pela Diocese de Cachoeiro de Itapemirim para comemorar o Dia da Secretária, excepcionalmente, nesta terça-feira, 30 de setembro de 2014, não haverá expediente na Secretaria Paroquial, retornando o expediente normal na quarta-feira, dia 1º de outubro de 2014.

Parabéns à Dalvana e Marta pelo seu dia!

ANJOS TÊM A MISSÃO DE NOS PROTEGER NA LUTA CONTRA SATANÁS, AFIRMA FRANCISCO


Cidade do Vaticano (RV) - Satanás apresenta as coisas como se fossem boas, mas a sua intenção é destruir o homem, até mesmo com motivações “humanísticas”. Os anjos lutam contra o diabo e nos defendem. Isto foi, em síntese, o que disse o Papa Francisco na homilia da Missa celebrada esta manhã na Casa Santa Marta, no dia em que a Igreja celebra a Festa dos Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael.

As leituras do dias nos apresentam imagens muito fortes: a visão da glória de Deus narrada pelo Profeta Daniel com o Filho do Homem, Jesus Cristo, diante do Pai; a luta do Arcanjo Miguel e os seus anjos contra “o grande dragão, a serpente antiga, aquele que é chamado diabo” e “seduz toda a terra habitada”, mas é derrotado, como afirma o Apocalipse; e o Evangelho em que Jesus diz a Natanael: ‘Verás o céu aberto e os anjos de Deus subir e descer sobre o Filho do homem”. O Papa Francisco fala da “luta entre o demônio e Deus”:

Mas esta luta ocorre depois que Satanás procura destruir a mulher que está para parir o filho. Satanás sempre procura destruir o homem: o homem que Daniel via ali, na glória, e que Jesus dizia a Natanael que viria na gloria. Desde o início a Bíblia nos fala disto: desta sedução de Satanás para destruir. Por inveja. Nós lemos no Salmo 8: ‘Tu fizeste o homem superior aos anjos’, e esta inteligência tão grande do anjo não podia suportar esta humilhação, que uma criatura inferior fosse feita superior; e buscava destruí-la”.

Satanás, portanto, procura destruir a humanidade, a todos nós:

Tantos projetos, exceto os próprios pecados, mas tantos projetos de desumanização do homem são obra dele; simplesmente porque odeia o homem. É astuto: está escrito na primeira página do Gênesis; é astuto. Apresenta as coisas como se fossem boas. Mas a sua intenção é a destruição. E os anjos nos defendem. Defendem o homem e defendem o Homem-Deus, o Homem superior, Jesus Cristo que é a perfeição da humanidade, o mais perfeito. Por isto a Igreja honra os anjos, porque são aqueles que estarão na glória de Deus – estão na gloria de Deus – porque defendem o grande mistério escondido de Deus, isto é, que o Verbo veio na carne”.

“A missão do povo de Deus – afirmou o Papa – é guardar em si mesmo o homem: o homem Jesus”, pois “é o Homem que dá vida a todos os homens”. Ao contrário, nos seus projetos de destruição, Satanás inventa “explicações humanísticas que vão justamente contra o homem, contra a humanidade e contra Deus”:

“A luta é uma realidade cotidiana, na vida cristã: no nosso coração, na nossa vida, na nossa família, no nosso povo, nas nossas igrejas... Se não se luta, seremos derrotados. Mas o Senhor deu esta missão principalmente aos anjos, de lutar e vencer. E o canto final do Apocalipse, após esta luta, é tão bonito: ‘Agora se cumpriu a salvação, a força e o Reino de nosso Deus e o poder do seu Cristo, porque foi precipitado o acusador dos nossos irmãos, aquele que os acusava diante do nosso Deus dia e noite”.

O Papa, por fim, convida a rezar aos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael e a recitar “aquela oração antiga, mas tão bonita, do Arcanjo Miguel, para que continue a lutar para defender o maior mistério da humanidade: que o Verbo se fez homem, morreu e ressuscitou. Este é o nosso tesouro. Que ele continue a lutar para guardá-lo”. (JE)

"COMUNICAR A FAMÍLIA" É TEMA DO DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES 2015


Cidade do Vaticano (RV) – A Sala de Imprensa da Santa Sé divulgou esta segunda-feira, 29 de setembro, o tema do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015: “Comunicar a família: ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor”.

O tema do Dia Mundial das Comunicações Sociais deste ano se insere em continuidade com o precedente e ao mesmo tempo contextualiza-se com aquele que será o tema central do próximos dois Sínodos: a família. 

Os fatos diários nos dizem também sobre a fadiga da família. As mudanças culturais muitas vezes não ajudam a entender o quanto a família seja um bem. 

“As relações entre os membros da comunidade familiar são inspiradas e guiadas pela lei da «gratuidade» que, respeitando e favorecendo em todos e em cada um a dignidade pessoal como único título de valor, se torna acolhimento cordial, encontro e diálogo, disponibilidade desinteressada, serviço generoso, solidariedade profunda”. (João Paulo II, Familiaris Consortio, N. 43)

“Como ainda dizer em nossos dias, ao homem ferido e desiludido, que o amor entre um homem e uma mulher é uma coisa boa? Como fazer com que os filhos experimentem que são um dom precioso? Como aquecer o coração da sociedade ferida e provada por tantas desilusões de amor e dizer a ela: força, recomecemos? Como dizer que a família é o primeiro e significativo ambiente no qual se experimenta a beleza da vida, a alegria do amor, a gratuidade do dom, a consolação do perdão oferecido e recebido, e onde se inicia a encontrar-se com o outro”, lê-se no texto publicado pela Sala de Imprensa, que prossegue:

“A Igreja hoje deve novamente aprender a dizer o quanto a família seja um grande dom, bom e belo. É chamada a encontrar o modo para expressar que a gratuidade do amor, que se oferece aos esposos, aproxima todos os homens a Deus e esta é uma tarefa magnífica. Por que? Porque direciona o olhar a verdadeira realidade do homem e abre as portas para o futuro, a vida.”

O Dia Mundial das Comunicações Sociais é o único dia estabelecido no Concílio Vaticano II (Inter Mirifica, 1963). É celebrado em muitos países, com a recomendação dos bispos de todo o mundo, no Domingo que antecede Pentecostes (2015, 17 de maio). 

A Mensagem do Santo Padre para o Dia Mundial das Comunicações Sociais é tradicionalmente publicada em ocasião da festa de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas (24 de janeiro)

29/9: SANTOS ARCANJOS MIGUEL, GABRIEL E RAFAEL

Com alegria, comemoramos a festa de três Arcanjos neste dia: Miguel, Gabriel e Rafael. A Igreja Católica, guiada pelo Espírito Santo, herdou do Antigo Testamento a devoção a estes amigos, protetores e intercessores que do Céu vêm em nosso socorro pois, como São Paulo, vivemos num constante bom combate. A palavra “Arcanjo” significa “Anjo principal”. E a palavra “Anjo”, por sua vez, significa “mensageiro”.
São Miguel
O nome do Arcanjo Miguel possui um revelador significado em hebraico: “Quem como Deus”.Segundo a Bíblia, ele é um dos sete espíritos assistentes ao Trono do Altíssimo, portanto, um dos grandes príncipes do Céu e ministro de Deus. No Antigo Testamento o profeta Daniel chama São Miguel de príncipe protetor dos judeus, enquanto que, no Novo Testamento ele é o protetor dos filhos de Deus e de sua Igreja, já que até a segunda vinda do Senhor estaremos em luta espiritual contra os vencidos, que querem nos fazer perdedores também. “Houve então um combate no Céu: Miguel e seus anjos combateram contra o dragão. Também o dragão combateu, junto com seus anjos, mas não conseguiu vencer e não se encontrou mais lugar para eles no Céu”. (Apocalipse 12,7-8)

São Gabriel
O nome deste Arcanjo, citado duas vezes nas profecias de Daniel, significa “Força de Deus” ou “Deus é a minha proteção”. É muito conhecido devido a sua singular missão de mensageiro, uma vez que foi ele quem anunciou o nascimento de João Batista e, principalmente, anunciou o maior fato histórico: “No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré… O anjo veio à presença de Maria e disse-lhe: ‘Alegra-te, ó tu que tens o favor de Deus’…” a partir daí, São Lucas narra no primeiro capítulo do seu Evangelho como se deu a Encarnação.

São Rafael
Um dos sete espíritos que assistem ao Trono de Deus. Rafael aparece no Antigo Testamento no livro de Tobit. Este arcanjo de nome “Deus curou” ou “Medicina de Deus”, restituiu à vista do piedoso Tobit e nos demonstra que a sua presença, bem como a de Miguel e Gabriel, é discreta, porém, amiga e importante. “Tobias foi à procura de alguém que o pudesse acompanhar e conhecesse bem o caminho. Ao sair, encontrou o anjo Rafael, em pé diante dele, mas não suspeitou que fosse um anjo de Deus” (Tob 5,4).

São Miguel, São Gabriel e São Rafael, rogai por nós!
Fonte: Site da Canção Nova

domingo, 28 de setembro de 2014

28/9: BEATOS PEDRO DE ZÚÑIGA, TOMÁS DE SANTO AGOSTINHO, PRESBÍTEROS, E COMPANHEIROS, MÁRTIRES


Os primeiros missionários agostinianos chegaram ao Japão em 1602. Seu entusiasmo e seus sacrifícios não tardaram em dar fruto. O povo os ouvia com alegria e abundavam as conversões. A vida agostiniana atraίa os nativos, tanto que em poucos anos já havia religiosos, terciários e cinturados de origem japonesa. Mas logo estourou uma violenta perseguição contra os católicos. A prova foi terrível, mas a nascente Igreja japonesa a enfrentou com admirável valentia e fidelidade. Foram centenas de agostinianos e agostinianos recoletos, entre eles religiosos, cinturados e terciários que entre 1617 e 1637 derramaram seu sangue por Cristo em meio a atrozes tormentos. A liturgia de hoje recorda a um grupo beatificado por Pio IX em 1867, composto por Hermando de São José e seu catequista, o cinturado Andrés Yoshida, martirizados em 1617; ao padre Pedro de Zuñiga, executado em 1622; ao frei Juan Shozaburo, aos oblatos Miguel Kiuchi Tayemon, Pedro Kuhieye e Tomás Terai; e aos terciários Mancio Seizayemon e Lorenzo Hechizo, sacrificados em 1630; e, por fim, aos padres Bartolomé Gutiérrez, Vicente de Santo Antonio e Francisco de Jesús, martirizados em Setembro de 1632. Em 1637 foi martirizado o primeiro sacerdote agostiniano japonês, padre Tomás Jihyoe de Santo Agostinho, beatificado no dia 24 de novembro de 2008 em Nagasaki.

Um segundo grupo de mártires está composto pelos recoletos Martίn de São Nicolau, Melchor de Santo Agostinho, queimados ao fogo lento no dia 11 de dezembro de 1632 e beatificados no dia 23 de abril de 1989. Tinham viajado voluntários desde Filipinas ao Japão a pedido dos padres Francisco de Jesus e Vicente de Santo Antonio, que já estavam encarcerados. 

A memória dos mártires japoneses testemunha a universidade da vida agostiniana (procedem de quatro países: Espanha, México, Portugal e Japão) e a comunhão de vida entre sacerdotes, irmãos e seculares agostinianos, assim como a comum herança das diversas famílias agostinianas.


Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.7XjL34jX.dpuf

sábado, 27 de setembro de 2014

REFLEXÃO PARA O 26º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A


Cidade do Vaticano - (RV) - A vida, por vezes, nos coloca em situações difíceis e dolorosas. Temos, então, o hábito de culpar alguém e, nessa busca de encontrar um culpado, chegamos a Deus, já que nos sentimos imunes de qualquer culpa.

Mas o que diz a Sagrada Escritura a respeito disso?

No Livro de Ezequiel, primeira leitura da liturgia deste domingo, fala da responsabilidade individual nas vicissitudes da vida. Os membros do povo eleito estavam acostumados a jogar a culpa no grupo ou nos antepassados e se sentirem individualmente injustiçados por pagarem a culpa da coletividade. Até dizem: “A conduta do Senhor não é correta”. O Profeta Ezequiel vai em defesa do Senhor dizendo que o Senhor não quer a morte do pecador, pois Ele é vida e, muito pelo contrário, o Senhor oferece a seu povo a oportunidade de um recomeço. Deus sempre está disposto a ajudar aqueles que, se convertendo, reconstroem a própria vida. “Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida; não morrerá,” nos fala a leitura.

No Evangelho, vemos nos dois filhos ali retratados, as pessoas que acolhem a Palavra de Deus, mas nada fazem depois, e aqueles que a rejeitam inicialmente, mas que depois vão e fazem tudo de acordo com o coração do Senhor.

De que grupo fazemos parte?

Fomos batizados, ou seja, através de nossa própria língua ou da de nossos padrinhos, professamos a fé em Deus e prometemos obedecer seus mandamentos de amor. É isso que vivemos no nosso dia a dia? Até onde nosso egocentrismo foi batizado? Amar é sair de si, a partir de onde o egoísmo começa a mostrar suas raízes e seus brotos.

Como vemos, em nós existe o filho mais novo, que não era de natureza acolhedora aos desejos do Pai, mas que se converteu e passou a caminhar unido ao seu coração. 

Contudo, como ainda estamos nesta vida e somos a toda hora bombardeados por apelos contrários à nossa opção fundamental e vemos que muitas vezes caímos, observamos que em nós subsiste o filho mais velho, que disse sim ao Pai, mas que depois faz o que o desagrada.

Concluímos vendo que a atitude de permanente conversão, de estado contínuo de exame de consciência e disposição para se levantar, deve estar presente em toda nossa vida.

Somos responsáveis por nossos atos, mesmo que tenhamos consciência de que somos frutos da família e da sociedade, enfim, de nosso mundo. Temos a capacidade de romper com o passado e caminhar em direção a Deus e aos irmãos. Se nos sentimos fracos, a graça de Deus nos fortalece. O humilde, aquele que não conta com seus dons, mas reconhece seus pecados e sua debilidade, esse triunfará porque abre, em sua vida, espaço para Deus, e Deus é vida, Deus é amor.

Pe. Cesar Augusto dos Santos, S.J.

Fonte: Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/09/27/reflex%C3%A3o_para_o_xxvi_domingo_do_tempo_comum/bra-827735 do site da Rádio Vaticano 

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

BENTO XVI PARTICIPARÁ DO ENCONTRO DO PAPA FRANCISCO COM ANCIÃOS E AVÓS


Cidade do Vaticano (RV) - Convidado pelo Papa Francisco, Bento XVI aceitou de bom grado participar do encontro-diálogo com os anciãos e avós, que se realizará este domingo, dia 28 de setembro, na Praça São Pedro.

O Papa emérito estará presente das 9h30 às 10h30 locais, retirando-se antes da celebração da missa. A Rádio Vaticano estará transmitindo ao vivo – via-satélite, para todo o Brasil e demais países de língua portuguesa, cujas emissoras nos retransmitem – tanto o encontro como a celebração eucarística, presidida pelo Papa Francisco, a partir das 3h20 deste domingo, horário de Brasília. (RL)

"PERTENCE A JESUS QUEM LEVA COM ELE A CRUZ": DIZ O PAPA FRANCISCO NA HOMILIA DESTE DIA 26 DE SETEMBRO DE 2014


Cidade do Vaticano (RV) – “Ser cristão é ser Cirineu e quem tem fé, se identifica nele. Pertence a Jesus quem leva com Ele o peso da Cruz”: a reflexão feita pelo Papa na homilia da manhã de sexta-feira, 26, se baseou no Evangelho de Lucas, em que Cristo pergunta aos discípulos quem as multidões pensam que Ele é, e recebe as respostas mais diversas. 

“Este episódio – observou o Papa – demonstra que Jesus queria que sua identidade ficasse velada. Em certas ocasiões, quando alguém se aproximava para comunicá-la, Ele o detinha, assim como impediu várias vezes também ao demônio de revelar a sua natureza de Filho de Deus, que veio para salvar o mundo. Fazia isto para que – explicou o Papa – as pessoas não se equivocassem e pensassem que Messias fosse um líder vindo para expulsar os romanos. Só quando estava sozinho com os doze Apóstolos, Jesus começou a fazer a catequese sobre a sua verdadeira identidade”. 

É necessário que O Filho do Homem sofra muito, seja rejeitado pelos anciãos, chefes dos sacerdotes e escribas, seja morto e ressuscite. Este é o caminho de sua libertação. Este é o caminho do Messias, do Justo: a Paixão e a Cruz. E lhes explica quem é. Eles não querem entender e no Evangelho de Mateus, se vê que Pedro rejeita esta verdade: ‘Não, não! E Ele começa a revelar o mistério sobre a sua identidade: ‘Sim, em sou o Filho de Deus. Mas este é o meu caminho: devo percorrer este caminho de sofrimento’”. 

Esta – afirmou o Papa – é a “pedagogia” que Jesus usa para “preparar os corações dos discípulos, os corações das pessoas... a entender este mistério de Deus”: 
“É tanto o amor de Deus, é tão ruim o pecado, que Ele nos salva assim: com esta identidade na Cruz. Não se pode entender Jesus Cristo Redentor sem a cruz: não se pode! Podemos até chegar a pensar que é um grande profeta, que faz coisas boas, é um santo. Mas o Cristo Redentor sem a Cruz não se pode entender. Mas os corações dos discípulos, os corações das pessoas, não estavam preparados para entendê-lo. Não haviam entendido as Profecias, não haviam entendido que justamente Ele era o Cordeiro para o sacrifício. Não estavam preparados”.

É somente no Domingo de Ramos – observa o Papa – que Cristo permite à multidão de dizer, “mais ou menos”, a sua identidade, com aquele “Bendito o que vem em nome do Senhor”. E isto porque “se estas pessoas não gritam, gritarão as pedras!”. Pelo contrário, é somente após a sua morte que a identidade de Jesus aparece em plenitude e a “primeira confissão” vem do centurião romano, conta Francisco, que conclui: “passo a passo”, Jesus “nos prepara para entendê-lo”. Nos “preparara para acompanhá-lo com as nossas cruzes no seu caminho para a redenção”:

“Nos prepara para sermos cirineus para ajudá-lo a carregar a cruz. E a nossa vida cristã sem isto, não é cristã. É uma vida espiritual, boa... ‘Jesus é o grande profeta, também nos salvou. Mas Ele e eu não...’. Não, tu com Ele! Percorrendo o mesmo caminho. Também a nossa identidade de cristãos deve ser custodiada e não acreditar que ser cristãos é um mérito, é um caminho espiritual de perfeição. Não é um mérito, é pura graça”.

PARABÉNS DOM FREI DARIO CAMPOS!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos recorda neste dia, 26 de setembro de 2014 - memória litúrgica de São Cosme e São Damião, o aniversário de 14 anos da ordenação episcopal de Dom Frei Dario Campos, O.F.M. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com o nosso Bom Pastor e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Dom Frei Dario Campos, O.F.M., atualmente, serve à Igreja Universal como Bispo Diocesano de Cachoeiro de Itapemirim (cidade localizada no Sul do estado do Espírito Santo).


LUAU NA COMUNIDADE ECLESIAL DA BASE "JESUS DE NAZARÉ" - BAIRRO VALÃO


26/9: SÃO COSME E SÃO DAMIÃO, PADROEIROS DOS FARMACÊUTICOS, MÉDICOS E FACULDADES DE MEDICINA

Hoje, lembramos dois dos santos mais citados na Igreja: Cosme e Damião. Eram irmãos gêmeos, médicos de profissão e santos na vocação da vida. Viveram no Oriente e, desde jovens, eram habilidosos médicos. Com a conversão passaram a ser também missionários, ou seja, aproveitando a ciência com a confiança no poder da oração levavam a muitos a saúde do corpo e da alma.
Viveram na Ásia Menor, até que diante da perseguição de Diocleciano, no ano 300 da era cristã, foram presos pois eram considerados inimigos dos deuses e acusados de usar feitiçarias e meios diabólicos para disfarçar as curas. Tendo em vista esta acusação, a resposta deles era sempre:
“Nós curamos as doenças, em nome de Jesus Cristo e pelo Seu poder!”
Diante da insistência, quanto à adoração aos deuses, responderam: “Teus deuses não têm poder algum, nós adoramos o Criador do céu e da terra!”
Jamais abandonaram a fé e foram decapitados em 303. São considerados os padroeiros dos farmacêuticos, médicos e das faculdades de medicina.
São Cosme e São Damião, rogai por nós!
Fonte: Site da Canção Nova

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

CONVITE DA ORDENAÇÃO PRESBITERAL DE FREI SÉRGIO SAMBL, O.A.R.

Convite da Ordenação Presbiteral de Frei Sérgio Sambl, O.A.R., que acontecerá no dia 25 de outubro de 2014, às 18 horas, na Igreja/Matriz da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na cidade de São Paulo (SP).

Rezemos por Frei Sérgio Sambl, O.A.R. neste momento importante de sua vida.


BISPO DE JANAÚBA (MG) TRANSFERIDO PARA FORMOSA (GO)


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa anunciou na manhã desta quarta-feira, 24, a transferência do bispo de Janaúba (MG), Dom José Ronaldo Ribeiro, para a diocese de Formosa, em Goiás. 

Dom José Ronaldo Ribeiro é mineiro de Uberaba, mas começou o seu discernimento vocacional em Brasília e ali fez todos os seus estudos, inclusive Filosofia e Teologia, no Seminário Maior “Nossa Senhora de Fátima”. Foi incardinado na arquidiocese brasiliense, em 1985, e ali foi Vigário Episcopal e Geral. Em junho de 2007 foi nomeado por Bento XVI como bispo de Janaúba, em Minas, e agora, transferido para Goiás.

FRANCISCO: "A FORÇA DA IGREJA NÃO ESTÁ NAS ESTRUTURAS, MAS NO AMOR DE DEUS"


Cidade do Vaticano (RV) – Nesta primeira quarta-feira de outono em Roma, mais de 50 mil pessoas compareceram à Praça São Pedro para ver e ouvir o Papa Francisco. Apesar da chuva, o Pontífice deu a volta da Praça com o ‘papamóvel’, distribuindo sorrisos e gestos de carinho a todos. 

O tema da catequese foi a sua viagem apostólica à Albânia, realizada domingo, 21. O Papa se disse muito agradecido por ter mostrado a proximidade da Igreja a este povo que foi durante tanto tempo oprimido por um regime desumano e que vive agora uma experiência de convivência pacífica entre as religiões:

Por isso, o centro da viagem foi o encontro inter-religioso no qual constatei, com satisfação, que, com a pacífica e frutuosa convivência entre pessoas e comunidades de religiões diferentes, é possível estabelecer um diálogo frutuoso entre as religiões, sem que isto signifique dar espaço ao relativismo ou ao menosprezo da identidade de cada um”. 

O Pontífice contou aos fiéis presentes na Praça São Pedro que nas ruas da capital albanesa, Tirana, viu fotos de 40 sacerdotes assassinados durante a ditadura comunista para os quais está em andamento uma causa de beatificação:

Eles se somam às centenas de religiosos cristãos e muçulmanos assassinados, torturados, presos e deportados somente porque acreditavam em Deus. Foram anos sombrios, nos quais foi pisoteada a liberdade religiosa e era proibido crer em Deus, milhares de igrejas e mesquitas foram destruídas e transformadas em lojas e cinemas da propaganda marxista. Livros religiosos foram queimados e os pais proibidos de dar aos filhos nomes de santos ou antepassados. A recordação destes eventos é essencial para o futuro de um povo. A memória dos mártires que resistiram na fé é a garantia do destino da Albânia, pois seu sangue não foi derramado inutilmente, mas é uma semente que trará frutos de paz e de colaboração fraterna”.

Francisco lembrou também o encontro com os sacerdotes, pessoas consagradas, seminaristas e movimentos laicais e a comovente recordação das vítimas de perseguições e dos mártires albaneses:

Eles não são os vencidos, mas os vencedores. Seu heróico testemunho reflete o poder absoluto de Deus, que sempre consola seu povo, abrindo novos caminhos e horizontes de esperança. Isto tudo nos confirma que a força da Igreja não vem da sua capacidade organizativa nem das estruturas, mas do amor de Cristo. Este amor nos sustenta nas dificuldades e nos inspira a bondade e o perdão, e demonstra a misericórdia de Deus”. 

Terminando a catequese, o Papa renovou o convite à coragem do bem, para construir o presente e o amanhã da Albânia e da Europa:

Que a lembrança de um passado duro se converta numa maior abertura aos irmãos, especialmente aos mais fracos, para assim dar testemunho do dinamismo da caridade, tão necessária no mundo de hoje”. 

A este ponto, Francisco pediu aos fiéis que encorajassem o povo albanês, tão corajoso, trabalhador e pacífico na busca da unidade, e foi atendido com um aplauso da Praça.

No final do encontro, o Papa concedeu a todos a sua bênção apostólica, mas antes, cumprimentou os brasileiros vindos de Novo Hamburgo, Jundiaí, Santo André e da Bahia, com votos de que sua peregrinação “seja uma oportunidade de contemplar a beleza da fé e da união com Cristo, para viver plenamente a vossa vocação cristã”. 

Dirigindo-se aos fiéis de língua árabe, Francisco admitiu que por vezes, em certos lugares do mundo, o testemunho de Cristo é difícil e perigoso, podendo até custar a vida. “Mas, se o vivermos com fidelidade, perseverança e fé, ele se transforma numa fonte inesgotável de alegria e bem-aventurança. Cristo não se esquece de seus discípulos: sejam causa de reconciliação e unidade - exortou -; sejam sempre testemunhas autênticas da verdade, da justiça, da paz e da caridade”, completou.

Na audiência, estava também presente um grupo de cidadãos colombianos vítimas e guerrilheiros que combateram o conflito que há quase 50 anos devasta material e socialmente a Colômbia. O grupo recebeu uma benção especial do Papa como um convite à reconciliação e ao diálogo. 

No grupo, liderado por Alejandro Eder, diretor da Agência Colombiana para a Reintegração, estavam um ex-refém, um ex-guerrilheiro e um ex-paramilitar, testemunhas da campanha nacional “Sou capaz de viver em harmonia”. A iniciativa – segundo o site “Sismografo", conta com o engajamento da Igreja colombiana, que sugeriu cinco passos concretos que os cidadãos podem realizar em favor de uma paz estável, verdadeira e duradoura.

EM PRISÃO DOMICILIAR EX-NÚNCIO ACUSADO DE ABUSOS


Cidade do Vaticano (RV) - A Gendarmaria do Vaticano deteve, na tarde de terça-feira, 22, o ex-núncio apostólico em Santo Domingo, na República Dominicana, Jozef Wesolowski. Já condenado previamente pelo tribunal da Doutrina da Fé, ele não é mais clérigo e perdeu também a imunidade diplomática.

As acusações se referem a casos de abusos sexuais cometidos por ele quando exercia as suas funções diplomáticas na América Central.

“A gravidade das acusações levou o departamento de investigações a tomar uma medida restritiva. Devido à situação de saúde do imputado, comprovada pela documentação médica, a ação consiste em prisão domiciliar com as devidas limitações, em locais situados no interior da Cidade Estado do Vaticano”, diz o comunicado assinado pelo Diretor da Sala de Imprensa, Pe. Federico Lombardi. 

“A iniciativa tomada pelos órgãos judiciais do Estado segue a vontade expressa do Papa para que um caso tão sério e delicado seja abordado sem demora, com a justiça e o rigor necessários, com assunção plena de responsabilidade das instituições que fazem parte da Santa Sé”, completa a nota do Vaticano.

Jozef Wesolowski, 66 anos, que foi nomeado por João Paulo II, foi núncio na República Dominicana entre 2008 e 2013. Chamado de volta a Roma pelo Papa Francisco em agosto do ano passado, quando surgiram as primeiras denúncias, no Vaticano foi submetido ao primeiro julgamento canônico e, em seguida, ao julgamento criminal.

Além do processo penal que enfrenta no Vaticano, tanto a Justiça polonesa como a República Dominicana apresentaram acusações contra o ex-núncio por pedofilia. 
(CM)

27/9: CONGRESSO DIOCESANO DE PASTORAL DA SAÚDE E EVANGELIZAÇÃO


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

PARABÉNS FREI ENÉAS BERILLI!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 22 de setembro de 2014, recorda o 52º aniversário de ordenação presbiteral de Frei Enéas Berilli, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse sacerdote e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Enéas Berilli, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Consolação, na cidade de Cachoeiro de Itapemirim (ES). 

22/9: BEATA JOSEFA DA PURIFICAÇÃO MASIA, VIRGEM E MÁRTIR


Nasceu em Algemesί, Valencia, Espanha, no dia 10 de junho de 1887 no seio de uma família de agricultores profundamente cristãos. Teve um irmão e quatro irmãs religiosos. No dia 2 de fevereiro de 1905 Maria Josefa vestia o hábito agostiniano descalço em Beniganin (Valencia) e no ano seguinte pronunciava seus votos. No convento se distinguiu por sua laboriosidade, silencio e espírito de pobreza. Foi priora durante um triênio e ao estourar a guerra desempenhava o oficio de mestra de noviças. 

Em julho de 1936 teve que abandonar o convento buscando refúgio na casa de sua mãe. Nela se encontravam já recolhidas suas três irmãs capuchinhas e todas juntas fizeram durante alguns meses vida autenticamente monástica, guardando a clausura, rezando o oficio divino e respeitando as horas de silencio e recolhimento. No dia 19 de outubro desse mesmo ano um grupo de milicianos se apresentou à casa para levar as religiosas. Sua mãe não quis separar-se de suas filhas, e todas juntas foram encerradas no convento cistercienses de Fons Salutis, convertido em prisão. No dia 25 de outubro, festa de Cristo Rei, as carregaram em um caminhão e à entrada de Alcira as fuzilaram uma após a outra. Os milicianos tinham pensado em começar pela mãe, mas esta desejou alentar suas filhas e rogou aos verdugos que começassem com suas filhas e logo poderiam seguir com ela.


Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.zNYowszU.dpuf

domingo, 21 de setembro de 2014

23/9: DIA INTERNACIONAL DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

O tráfico de pessoas engana e rouba vidas para fins de exploração sexual, trabalho escravo e remoção de órgãos, adoção irregulares, mendicância, servidão doméstica e casamento servil.

NÃO FECHE OS OLHOS!

A Rede um Grito pela Vida e as Pastorais Sociais do Regional II (paróquias da cidade de Cachoeiro de Itapemirim) da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim, convidam você a retomar a Campanha da Fraternidade deste ano: "Fraternidade e Tráfico humano".

PROGRAMAÇÃO PARA O DIA 23 DE SETEMBRO (TERÇA-FEIRA)

14 às 17 horas - Praça Jerônimo Monteiro

18h30 - Celebração Eucarística na Catedral de São Pedro

MISSA VOTIVA DE SANTA RITA DE CÁSSIA

Nesta segunda-feira, 22 de setembro de 2014, às 19h, acontecerá na Igreja/Matriz de Nossa Senhora da Consolação, a Missa votiva em honra à Santa Rita de Cássia, com a bênção das rosas e pétalas de rosas. Cada fiel deve trazer sua rosa para ser abençoada.

Venha e participe! Santa Rita de Cássia, rogai por nós!

SANTO PADRE NA HOMILIA EM TIRANA: ENCORAJAMENTO À FÉ E À MISSÃO EVANGÉLICA


Tirana (RV) - Entre os vários encontros e compromissos do Papa na Albânia, o ponto alto foi a solene celebração da Santa Missa, na Praça Madre Teresa, em Tirana.

Antes da celebração Eucarística, o Prefeito da cidade, Lulzim Xhelar Basha, acompanhado de sua esposa, cumprimentou o Bispo de Roma e lhe entregou as chaves da capital albanesa.

Durante a Santa Missa, da qual concelebraram numerosos bispos e sacerdotes, na presença de uma grande multidão de fiéis, o Papa Francisco pronunciou sua homilia, partindo do Evangelho de hoje, no qual Jesus chama, além dos Doze Apóstolos, também outros setenta e dois discípulos e os envia às aldeias e às cidades para anunciar o Reino de Deus. 

Jesus veio trazer ao mundo o amor de Deus e o irradia através da comunhão e da fraternidade – explicou o Pontífice -. Deste modo, ele forma uma comunidade de discípulos: uma comunidade missionária, que a treina para a missão, para “partir em missão”. 

O método missionário é claro e simples: os discípulos entram nas casas e o seu anúncio começa com uma saudação repleta de significado: “A paz esteja nesta casa!”. Não se trata apenas de uma saudação, mas de um dom: a paz. E o Papa comentou:

Encontrando-me, hoje, no meio de vocês, queridos irmãos e irmãs da Albânia, nesta praça dedicada a uma filha humilde e grande desta terra, a bem-aventurada Madre Teresa de Calcutá, desejo repetir-lhes a mesma saudação dos discípulos: ‘paz nas suas casas, paz nos seus corações, paz na sua nação! Ao longo dos séculos, nem sempre o anúncio da paz, trazido pelos mensageiros de Jesus, foi acolhido. Também a porta deste país se havia fechado, com proibições e prescrições de um sistema que negava Deus e impedia a liberdade religiosa. Aqueles que tinham medo da verdade e da liberdade tudo fizeram para banir Deus do coração do homem e excluir Cristo e a Igreja da sua história, embora este país tenha sido um dos primeiros a receber a luz do Evangelho”.

Repensando aqueles decênios de sofrimentos atrozes e duríssimas perseguições contra católicos, ortodoxos e muçulmanos, - explicou o Papa - podemos dizer que a Albânia foi uma terra de mártires! Muitos bispos, sacerdotes, religiosos e fiéis leigos pagaram com a vida a sua fidelidade. Não faltaram testemunhos de grande coragem e coerência na profissão da fé. Muitos cristãos não cederam perante as ameaças, mas continuaram seu caminho, sem hesitar. E o Papa acrescentou:

Dirijo-me, espiritualmente, àquele muro do cemitério de Escútari, lugar-símbolo do martírio dos católicos onde ocorreram fuzilações, onde, comovido, deponho a flor da oração e da grata e indelével lembrança. O Senhor esteve junto de vocês, os sustentou, os guiou, os consolou. Que a águia, representada na bandeira deste país, possa recordar-lhes o sentido da esperança e da confiança em Deus. Ele não nos desilude, mas está sempre ao nosso lado, sobretudo nos momentos difíceis”.

Hoje, abriram-se as portas da Albânia, onde está amadurecendo uma nova ação missionária – afirmou o Santo Padre -. Todo batizado deve desempenhar sua missão na Igreja e na sociedade. Cada um deve se sentir chamado e se comprometer, generosamente, com o anúncio do Evangelho, dando testemunho da caridade, reforçando os laços da solidariedade e promovendo condições de vida mais justas e fraternas para todos. E o Papa declarou:

Vim aqui, hoje, para encorajá-los e aumentar a esperança, dentro e ao redor de vocês; vim envolver as novas gerações, alimentá-los com a Palavra de Deus e abrir seus corações a Cristo, que nos indica o caminho! Que a sua fé, alegre e radiante, demonstre que o encontro com Cristo dá sentido à vida de cada homem. Em espírito de comunhão, encorajo-os a dar impulso à ação pastoral e a continuar na busca de novas formas de presença da Igreja no seio da sociedade. Em particular, digo aos jovens: ‘Não tenham medo de responder com generosidade a Cristo, que os convida a segui-Lo’. Muitos homens e mulheres esperam a luz do Evangelho e a graça dos Sacramentos!”

O Bispo de Roma concluiu sua homilia, agradecendo a Igreja na Albânia pelo seu exemplo de fidelidade ao Evangelho! Muitos dos seus filhos e filhas sofreram por Cristo a ponto de sacrificar suas vidas. ‘Que seu testemunho sustente seus passos, hoje e no futuro, no caminho do amor, da liberdade, da justiça e da paz’. (MT)

PARABÉNS DOM ODILO PEDRO CARDEAL SCHERER!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 21 de setembro de 2014, recorda o aniversário natalício de 65 anos de idade Dom Odilo Pedro Cardeal Scherer e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse Pastor e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Dom Odilo Pedro Cardeal Scherer, atualmente, exerce o serviço como Arcebispo Metropolitano de São Paulo (SP) e seu lema episcopal é "Im mea commemorationem" (fazei isto em memória de mim).

sábado, 20 de setembro de 2014

REFLEXÃO PARA O 25º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A


Cidade do Vaticano (RV) - Mais uma vez a liturgia nos corrige quando dizemos que aquelas coisas boas que nos acontecem ou com os nossos amigos, são consequências dos méritos a que fizemos jus. Do mesmo modo, quando ocorre algum acontecimento infausto, perguntamos o que fizemos para recebermos tal castigo. Por outro lado, se isso acontece com alguém que não nos é simpático, comentamos que essa pessoa deve ter aprontado e, por isso, recebe essa punição.

Toda essa maneira de pensar está errada e não é cristã. O Cristianismo trabalha com a gratuidade, isto é, com a ação de Deus, e Deus é Pai, é Amor. Deus nos ama não por aquilo de bom que fizemos e nem nos deixa de amar pelas coisas erradas que praticamos. O Amor ama por amar e, mesmo vendo nossas culpas, continua nos amando. Essa é a grande eterna verdade. Somos amados gratuitamente por Deus! 

Quando Deus nos criou não existíamos, Ele nos amou primeiro sem nenhum mérito nosso. E assim continua, porque Ele é Deus!

Isso nos diz Isaías na primeira leitura: “Meus pensamentos não são como vossos pensamentos e meus caminhos não são como os vossos caminhos, diz o Senhor!” (Is 55, 8). Essa ideia é retomada e referendada por Jesus com a parábola do patrão generoso. O patrão dá a mesma quantia como pagamento tanto aos que começaram pela manhã, quanto aos que foram contratados no final do dia. Ao ouvir as reclamações dos que se achavam mais cheios de méritos que outros, ele responde: “Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?” (Mt 20,15).

A justiça do Reino de Deus é dar a cada um o que precisa para viver e viver abundantemente, ainda nesta terra.

Não faz parte da justiça de Deus a realidade na qual alguns que não trabalham tanto ganham quantias enormes, e outros que trabalham muito como empregadas domésticas, como professores de escola média, e como outros profissionais ganham insuficiente para uma vida decente.

Todos são filhos de Deus e a igualdade deve acontecer já nesta vida, e não apenas na outra. O amor deverá superar todas as desigualdades e fazer justiça a todos, isto é, todos deverão ter o necessário para uma vida tranquila com direito ao que precisam. Está errado e não é justo alguns terem tanto e outros, nem o necessário para sobreviver.CAS

NOTÍCIAS DO NOVICIADO - DESIERTO DE LA CANDELARIA - COLÔMBIA

CELEBRAÇÃO DE SANTO AGOSTINHO E SANTA MÔNICA


No dia 27 de agosto de 2014, festa litúrgica de Santa Mônica, os frades residentes no Noviciado Disierto de La Candelaria receberam os demais grupos de noviciado da região em que residem: Dominicanos, Franciscanos Capuchinhos, Franciscanos (Ordem dos Frades Menores), Carmelitas Descalços e Mensageiros da Paz), num total de 60 (sessenta) pessoas.

Esse dia transcorreu com num clima de fraternidade com a partilha da oração, a Eucaristia, jogos, etc. e ficou o "gostinho" de quero mais.



MISSÃO EM CASANARE


No dia 29 de agosto de 2014 os noviços agostinianos recoletos, entre eles Frei Pedro e Frei Sidney (Província Santa Rita de Cássia - Brasil) arrumaram as malas e partiram para uma experiência missionária. Foram quinze dias de visitas de dois a dois às pequenas comunidades da região.

Ao término da experiência missionária, os noviços regressaram animados. O contato com o povo menos favorecido provocou nos noviços alguns frutos de amadurecimento vocacional. Ver e sentir a dor do outro sempre contribui para o nosso crescimento como seres humanos e como cristãos.

SEMANA DE HISTÓRIA



No período de 18 a 24 de setembro de 2014, com a presença de Frei Sérgio Peres, O.A.R., é promovida uma semana histórica com a trajetória da Província Santa Rita de Cássia, sendo perceptível como os colombianos se interessaram em saber da história da província brasileira.

Agradecemos ao Frei Fábio Nôcal, O.A.R. (formador dos noviços) em compartilhar essas notícias.

Fonte: Blog da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

19/9: SANTO ALONSO DE OROZCO, PRESBÍTERO

Nasceu em Oropesa (Toledo) a 10 de outubro de 1500. Enviado por seus pais para estudar na Universidade de Salamanca, entrou com seu irmão Francisco no noviciado agostiniano desta cidade, no dia 8 de junho de 1522. Como seu superior Santo Tomás de Vilanova, sempre considerou sua entrada na Ordem como uma das maiores graças recebidas de Deus. Pregar e escrever foram suas principais atividades. 

Ternamente devoto de Nossa Senhora, considerou toda sua atividade literária como fruto de um mandato direto de Nossa Senhora. Nomeado pregador da corte real espanhola, sua alegria era pregar a gente humilde e necessitada: hospitalizados, presos, religiosas etc. Ser missionário no México foi um de seus grandes desejos, embora a enfermidade não tenha permitido. Amou intensamente a Ordem. Fundou conventos de agostinianos e agostinianas. A fraternidade, a simplicidade evangélica, o equilíbrio e a moderação na comunidade, foram a linha de sua programação religiosa. 

Extraordinário asceta e místico, sofreu grande crise de secura espiritual de 1522 a 1551. Foi também assaltado por tentações de abandonar a vida religiosa. Morreu em Madri, desejando trabalhar mais pelas almas para imitar a Cristo, no dia 19 de setembro de 1591. Seus restos mortais veneram-se na Capela das Monjas Agostinianas do Convento de Santo Alonso de Orozco de Madri (La Granja, 9), onde foram transferidas em 1978 desde a Igreja de Valladolid, onde repousavam desde 1881.

Foi beatificado por Leão XIII em 1882. Foi canonizado por João Paulo II em 19 de maio de 2002.

Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.7742LJuM.dpuf

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

DIVULGADA ORAÇÃO DO PAPA PARA O SÍNODO


Cidade do Vaticano (RV) - O último domingo do mês de setembro, dia 28, será dedicado à oração pela III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, marcada para de 5 a 19 de outubro, no Vaticano, com o tema “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”. 

Um comunicado difundido pela Secretaria do Sínodo, convida as dioceses, Igreja particulares, comunidades paroquiais, Institutos de vida consagrada, associações e movimentos a rezarem nas celebrações eucarísticas e em outros momentos celebrativos, nos dias anteriores e durante os trabalhos sinodais.

Em Roma, a oração será feita todos os dias na Capela da Salus Populi Romani, da Basílica de Santa Maria Maior. A proposta é motivar os fiéis a orarem em intenção por todas as famílias.

A Secretaria do Sínodo publicou um breve subsídio, em diversas línguas, com a Oração da Santa Família para o Sínodo, composta pelo Papa Francisco, e algumas intenções propostas para a Oração dos Fiéis:

I - ORAÇÃO À SAGRADA FAMÍLIA PELO SÍNODO

Jesus, Maria e José

em vós nós contemplamos

o esplendor do verdadeiro amor,

a vós dirigimo-nos com confiança.

Sagrada Família de Nazaré,

faz também das nossas famílias

lugares de comunhão e cenáculos de oração,

autênticas escolas do Evangelho

e pequenas igrejas domésticas.

Sagrada Família de Nazaré,

nunca mais nas famílias se vivam experiências

de violência, fechamento e divisão:

quem quer que tenha sido ferido ou escandalizado

receba depressa consolação e cura.

Sagrada Família de Nazaré,

o próximo Sínodo dos Bispos

possa despertar de novo em todos a consciência

da índole sagrada e inviolável da família,

a sua beleza no desígnio de Deus.

Jesus, Maria e José

escutai, atendei a nossa súplica.

II - ORAÇÃO UNIVERSAL

Irmãos e irmãs!

Como família dos filhos de Deus e animados pela fé, elevemos as nossas súplicas ao Pai, a fim de que as nossas famílias, sustentadas pela graça de Cristo, se tornem autênticas igrejas domésticas onde se vive e se dá o testemunho do amor de Deus.

Oremos e, juntos, digamos:

Senhor, abençoai e santificai as nossas famílias

Pelo Papa Francisco: que o Senhor, que o chamou a presidir à Igreja na caridade, o sustente no seu ministério ao serviço da unidade do Colégio episcopal e de todo o Povo de Deus, oremos:

Pelos Padres sinodais e pelos outros participantes na III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos: que o Espírito do Senhor ilumine as suas mentes, a fim de que a Igreja possa enfrentar os desafios sobre a família, em fidelidade ao desígnio de Deus, oremos:

Por aqueles que têm responsabilidades no governo das Nações: que o Espírito Santo inspire projetos que valorizem a família como célula fundamental da sociedade, segundo o desígnio divino e sustentem as famílias em situações difíceis, oremos:

Pelas famílias cristãs: que o Senhor, que pôs na comunhão esponsal o selo da sua presença, faça das nossas famílias cenáculos de oração, íntimas comunidades de vida e de amor, à imagem da Sagrada Família de Nazaré, oremos:

Pelos cônjuges em dificuldade: que o Senhor, rico em misericórdia, os acompanhe mediante a ação maternal da Igreja, com compreensão e paciência, no seu caminho de perdão e de reconciliação, oremos:

Pelas famílias que, por causa do Evangelho, devem deixar as suas terras: que o Senhor, que com Maria e José experimentou o exílio no Egito, os conforte com a sua graça e lhes abra caminhos de caridade fraternal e de solidariedade humana, oremos:

Pelos avós: que o Senhor, que foi recebido no Templo pelos Santos anciãos Simeão e Ana, os torne sábios colaboradores dos pais na transmissão da fé e na educação dos filhos, oremos:

Pelas crianças: que o Senhor da vida, que no seu ministério os acolheu, fazendo deles modelos para entrar no Reino dos Céus, suscite em todos o respeito pela vida nascente e inspire programas educativos em conformidade com a visão cristã da vida, oremos:

Pelos jovens: que o Senhor, que santificou as bodas de Caná, os leve a redescobrir a beleza da índole sagrada e inviolável da família no desígnio divino e sustente o caminho dos noivos que se preparam para o matrimônio, oremos:

Ó Deus, que não abandonais a obra das vossas mãos, escutai as nossas invocações:

Enviai o Espírito do vosso Filho para iluminar a Igreja no início do caminho sinodal a fim de que, contemplando o esplendor do verdadeiro amor que resplandece na Sagrada Família de Nazaré, dela aprenda a liberdade e a obediência para enfrentar com audácia e misericórdia os desafios do mundo de hoje.

Por Cristo nosso Senhor.