sábado, 31 de dezembro de 2011

SEJA UM(A) AGOSTINIANO(A) RECOLETO

Vocação Agostiniano-Recoleta


Que é um agostiniano recoleto?

É um homem que, para amar a Deus e ao próximo, professou os votos de castidade, pobreza e obediência, vive em comunidade de irmãos segundo o carisma de santo Agostinho e o espírito da Ordem e serve à Igreja em paróquias, missões, colégios e casas de formação.

 
 
Em que consiste a vocação?


Cada vocação é um chamado interno. A vocação à Ordem dos Agostinianos Recoletos é um chamado pessoal de Deus a fazer parte desta família para seguir a Jesus Cristo na vida religiosa comunitária.

Homens

Os homens podem fazê-lo como:

Sacerdotes. Os agostinianos recoletos sacerdotes são homens que, além da vocação à vida religiosa comunitária na Ordem, são chamados na Igreja a desempenhar as atividades próprias do sacerdócio ministerial.

Irmãos. Os agostinianos recoletos irmãos são homens que, tendo vocação à vida religiosa na Ordem, não se sentem chamados ao sacerdócio ministerial. São agostinianos recoletos que servem à Igreja de Deus e à humanidade através de profissões e tarefas bem variadas.

Mulheres
Nossa família inclui também mulheres, as agostinianas recoletas, em duas formas possíveis:

Vida contemplativa. Dedicam-se à oração.

Vida ativa. Trabalham em diversos campos de missão.

Embora os ramos femininos e o masculino tenham total independência entre si, eles estão unidos pelos laços espirituais de Santo Agostinho.

Posso ser agostiniano recoleto?

Se você é do sexo masculino, maior de 18 anos, confia na ajuda de Deus e tem uma autêntica vocação à vida religiosa agostiniano-recoleta você poderá ser um de nós. Vai depender de você.

Como sei que tenho vocação?

Você mesmo tem a resposta. Nós podemos ajudar você. Oferecemos acompanhamento vocacional e a possibilidade de uma experiência de discernimento. Ajudamos você, por meio de instrumentos adequados, a ver os sinais de um possível chamado de Deus. Guiamos você na tomada de uma decisão bem fundamentada.

Quanto tempo dura a experiência?

Trata-se de um processo personalizado, de acordo com suas características pessoais e com o grau de sua maturidade vocacional. Você pode entrar no processo ou sair dele quando você ou o diretor da experiência o considerar oportuno.

Esta experiência consta das seguintes fases:

  • Acompanhamento vocacional ou aspirantado: dura o tempo que seja necessário até que haja um adequado discernimento e decisão em contato direto com os orientadores e promotores vocacionais. Nesta fase não se abandona a situação própria de estudo, trabalho e família.
  •  
  • Filosofado – postulantado: Dois a três anos em um de nossos seminários.
  •  
  • Noviciado: Um ano dedicado ao estudo e à experiência de vida religiosa.
  •  
  • Teologado: Quatro anos de estudo teológico.

Que acontece com meus estudos, minha carreira, minha situação atual?

 
Você pode dar sequencia à sua vida até o momento de decidir, com a luz do Senhor, se continua como até agora ou se muda os rumos de sua existência. Seus estudos ou sua atual carreira acadêmica e profissional poderão ser concluídos ou dar sequência mais adiante com um acompanhamento personalizado no contexto da missão da Ordem.

Que acontece se decido não continuar no programa de discernimento vocacional?

Você terá tido uma experiência profunda de vida cristã, um maior conhecimento de si mesmo, da Ordem dos Agostinianos Recoletos e de suas obras. Além disto, terá decidido com maior clareza seu próprio caminho.

Onde e com quem posso falar?

Email:vocacoes@santarita-oar.org.br

ou falar com Fr. Hélton ou Fr. Raimundo (16) 3707-2222


Fonte: blog da Província Santa Rita de Cássia

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

EM 2012: 13 CARDEAIS COMPLETAM 80 ANOS

Cidade do Vaticano (RV) – Treze cardeais vão completar 80 anos de idade, em 2012, deixando assim de fazer parte do atual grupo de 109 “eleitores” num eventual conclave, o que deve levar Bento XVI a convocar o quarto consistório do seu pontificado. O primeiro a atingir os 80 anos é o português Dom José Saraiva Martins, Prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos, no dia 6 de janeiro. Paulo VI (1897-1978) fixou em 120 o número de cardeais eleitores do Papa e estabeleceu como limite para a possibilidade de votar os 80 anos, disposições que foram confirmadas por João Paulo II (1920-2005) e Bento XVI que, pontualmente, excederam o número estabelecido, derrogando a norma.

O terceiro consistório do pontificado de Bento XVI se realizou em novembro de 2010 e nessa ocasião foram criados 24 novos cardeais, reforçando a influência européia. Os cardeais eleitores estão hoje assim repartidos geograficamente (entre parêntesis, indica-se o número total de cardeais, 192, que inclui os que têm mais de 80 anos de idade): Europa - 56 (103); América Latina - 21 (31); América do Norte - 12 (19); África - 11 (17); Ásia - 8 (18); Oceania - 1 (4). O atual Papa já criou 62 cardeais (57 ainda vivos, 46 com direito a voto) e desde 2005 a Itália reforçou o seu estatuto de país com maior número de eleitores (23). Seguem-se os EUA (10 cardeais eleitores), Alemanha e Brasil (5 cada), França, Espanha, México e Polônia (4 cada). Estes oito países totalizam 59 cardeais com direito a voto, representando mais de metade do colégio de eleitores e um número próximo dos 73 (maioria de dois terços) que seriam necessários para a eleição pontifícia.

Existem neste momento 68 países representados no colégio cardinalício, 50 dos quais com cardeais eleitores, incluindo o Brasil (Dom Geraldo Majela Agnelo, Dom Eusébio Scheid, Dom Cláudio Hummes, Dom Odilo Scherer e Dom Raymundo Damasceno). Segundo o Código de Direito Canônico, os cardeais “constituem um colégio peculiar, ao qual compete providenciar à eleição do Romano Pontífice [Papa]”, embora as funções dos membros do colégio cardinalício vão, para além desta eleição. Qualquer cardeal é, acima de tudo, um conselheiro específico que pode ser consultado em determinados assuntos quando o Papa o desejar, pessoal ou colegialmente.

Os requisitos para ser criado cardeal são, basicamente, os mesmos que estabeleceu o Concílio de Trento na sua sessão XXIV de 11 de novembro de 1563: homens que receberam a ordenação sacerdotal e se distinguem pela sua doutrina, piedade e prudência no desempenho dos seus deveres. (SP- Ecclesia)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Papa na Audiência Geral: "Rezar se aprende em casa com os pais"

Cidade do Vaticano (RV) – Bento XVI presidiu na manhã de quarta-feira, 28/12/2011, na Sala Paulo VI, no Vaticano, à última Audiência Geral de 2011.

Nesses doze meses, cerca de 400 mil pessoas participaram dos encontros semanais das quartas-feiras para ouvir as catequeses do Papa, marcadas por uma grande variedade de argumentos.

Este ano, as catequeses foram dedicadas aos Santos e Santas dos séculos 16 e 17, à relação entre o homem e a oração e a uma série de reflexões sobre alguns Salmos.

Esta última catequese, a de número 45, foi dedicada ao período natalino, propício a avivar a fé e a oração.

A oração, recordou Bento XVI, formava parte da vida cotidiana da Sagrada Família de Nazaré. Aquela casa, com efeito, é uma escola de oração, onde se aprende a escutar e a descobrir o significado profundo da manifestação do Filho de Deus, seguindo o exemplo de Jesus, Maria e José.

"A Sagrada Família é ícone da Igreja doméstica e um convite a rezar juntos" – disse o Papa. É no interior do lar que os filhos são iniciados na oração, graças aos ensinamentos de seus pais. Consequentemente, uma educação autenticamente cristã não pode prescindir da experiência da oração.

"Se não se aprende a oração em casa, afirmou o Pontífice, depois será difícil. preencher esse vazio."

Eis o resumo de sua catequese em português, seguida da saudação aos peregrinos lusófonos: "Queridos irmãos e irmãs, no clima natalício que nos envolve, convido-vos a refletir sobre a oração na vida da Sagrada Família de Nazaré, tomando por modelo Jesus, Maria e José. Como toda a família judia, os pais de Jesus – tinha ele quarenta dias - sobem ao templo para consagrar a Deus o filho primogênito. Maria ouve lá, do velho Simeão, palavras que lhe anunciam glórias e tribulações. Ela «guardava todas estas coisas no seu coração». Esta capacidade de Maria era contagiosa, sendo o seu primeiro beneficiário José. De fato ele, com Maria e sobretudo depois com Jesus, aprende a relacionar-se de modo novo com Deus, colaborando no seu projeto de salvação. Como era tradição, José presidia à oração doméstica no dia a dia: de manhã, à noite e nas refeições. Assim Jesus aprendeu a alternar oração e trabalho, e a oferecer a Deus o suor e cansaço para ganhar o pão de cada dia. Se uma criança não aprende a rezar em família, este vazio será difícil de preencher depois. Possam todos descobrir, na escola de Nazaré, a beleza de rezarem juntos como família. Amados peregrinos de língua portuguesa, a minha saudação amiga, vendo a vossa presença como a ocasião propícia para confiar ao Pai do Céu as vossas famílias e os sonhos de bem que abrigam no coração. Recebei, como penhor de paz e consolação, a minha Bênção Apostólica".(BF)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

BENTO XVI FAZ DUAS NOMEAÇÕES PARA O BRASIL

O Santo Padre, o papa Bento XVI fez duas nomeações na manhã de hoje, 28, referentes à Igreja no Brasil. A primeira, o Sumo Pontífice, de acordo com o canon 401, do Código de Direito Canônico, aceitou a renuncia do bispo de Cachoeira do Sul (RS), dom Irineu Silvio Wilges, e nomeou para sucede-lo, o bispo auxiliar de Porto Alegre (RS), dom Remídio José Bohn. E para a diocese vacante de Diamantino (MT), foi nomeado dom Vital Chitolina, transferido da diocese de Paranatinga (MT).

Dom Remídio José
Dom Remídio nasceu na cidade de Feliz (RS), no dia 21 de maio de 1950. Fez seus estudos primários na escola paroquial no distrito de São Roque, em Feliz. Cursou Filosofia no Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição em Viamão (RS) e Teologia, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, na capital gaúcha. Dom Remídio foi pároco na paróquia São Pedro de Poço das Antas (RS); de 1982 a 1986, pároco da Paróquia Santo Antônio, em Canoas (RS); de 1993 a 1995; pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Porto Alegre; de 1996 a 2006, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário em Porto Alegre. Ele foi nomeado bispo auxiliar de Porto Alegre em 2006. Atualmente ele é o secretário do Regional Sul 3 da CNBB (Rio Grande do Sul).

Dom Irineu Silvio Wilges foi nomeado pelo então papa João Paulo II, no dia 14 de junho de 2000, bispo da diocese de Cachoeira do Sul, sendo ordenado na Catedral Metropolitana de Porto Alegre naquele mesmo ano, pelo cardeal Aloísio Lorscheider.

Dom Vital Chitolina
Diamantino

A diocese de Diamantino (MT), vacante desde o ano de 2010, receberá o seu quinto bispo. Dom Vital Chitolina foi transferido de Paranatinga (MT) para assumir 120.084 km², organizado em 13 paróquias, com uma população de quase 300 mil habitantes.

Dom Vital atualmente é o vice-presidente do Regional Oeste 2 (Mato Grosso), foi ordenado bispo de Paranatinga, em 1998. Ele nasceu em 1954, em Tuparendi (RS). O seu lema episcopal é “preparai o caminho do Senhor”.

Veja a nota da CNBB pelas nomeações de hoje:

CNBB saúda os novos bispos de Cachoeira do Sul (RS) e de Diamantino (MT)

“Como são belos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz, que traz a boa nova, que apregoa a vitória, que diz a Sião: ‘Já reina o teu Deus’”. (Is 52,7).

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) recebe, com alegria, a nomeação dos novos bispos de Cachoeira do Sul (RS) e de Diamantino (MT). A Santa Sé publicou essas nomeações na manhã desta quarta-feira, 28 de dezembro de 2011.

Nós nos unimos ao povo da diocese de Cachoeira do Sul para acolher Dom Remídio José Bohn que deixa a arquidiocese de Porto Alegre, aonde estava desde 2006, e servia à Igreja como bispo auxiliar e atuava como Vigário Episcopal do Vicariato de Guaíba. Que a sua chegada seja a inauguração de um tempo abençoado e que, conforme inspira seu lema “Omnes Fratres Sumos” (todos somos irmãos), continuem a reinar a fraternidade, a solidariedade e o entusiasmo no prosseguimento de seu trabalho apostólico.

Também estamos unidos, de coração, a todas as comunidades da mesma diocese para agradecer o dedicado e zeloso ministério do querido irmão Dom Irineu Silvio Wilges que, desde sua nomeação pelo hoje Beato João Paulo II em 2000, sempre se dedicou com muito fervor ao pastoreio de seu rebanho.

Ao irmão Dom Vital Chitolina, novo bispo de Diamantino, nosso abraço de alegria e nossa congratulação pelo novo desafio que a Igreja lhe apresenta. Deixando a diocese de Paranatinga (MT), aonde serviu desde 1998, ele abraça a tarefa apostólica de ensinar, santificar e governar a diocese de Diamantino junto a um povo que aguarda a chegado do novo bispo com muita alegria.

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB


Fonte: Site da CNBB

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

HORÁRIO DAS CELEBRAÇÕES NO ANO NOVO

Santa Maria, Mãe de Deus
31 DE DEZEMBRO DE 2011 (SÁBADO)

06h30min - Celebração Eucarística (Dia de São Silvestre)

20:00 h - Vigília de Ano Novo


01 DE JANEIRO DE 2012 (DOMINGO)
SOLENIDADE DE SANTA MARIA, MÃE DE DEUS

06h30min - Celebração Eucarística

19:00 h - Celebração Eucarística

Não haverá Missa às 17:00 horas, somente retornará a Missa nesse horário a partir de março/2012.

HORÁRIO DE MISSAS DURANTE O VERÃO

Como é de costume na Paróquia Nossa Senhora da Consolação, no período de verão há alteração dos horários das Missas no Santuário, portanto, fique atento aos horários das celebrações nos meses de janeiro e fevereiro do ano de 2012.

HORÁRIO DAS MISSAS AOS DOMINGOS:

06h30min

19:00 h

Não haverá a Missa das 17:00 horas (o horário dessa celebração retornará no mês de março/2012)

HORÁRIO DAS MISSAS DURANTE A SEMANA:

Segundas, terças, quartas, sextas e sábados às 06h30min e às 19:00 horas

Nas quintas-feiras não há celebração em nenhum horário por ser dia de folga da comunidade religiosa. 

domingo, 25 de dezembro de 2011

Cristo nasceu para salvar-nos do "mal profundo" que nos separa de Deus: Bento XVI recorda todos os povos que sofrem

Cidade do Vaticano (RV) - Bento XVI assomou ao meio-dia deste domingo ao balcão central da Basílica Vaticana para a tradicional mensagem natalina e a sua Bênção Urbi et Orbi (à cidade de Roma e ao mundo), transmitida em mundo-visão por emissoras de televisão de 61 países e emissoras de rádio do mundo inteiro, e pelos novos meios de comunicação. Sob um sol esplendente, milhares de fiéis, peregrinos e turistas lotaram a Praça São Pedro para ouvir a mensagem do Papa e suas felicitações.

De fato, após a mensagem propriamente dita, o Santo Padre fez, em 65 línguas, suas felicitações de Natal, concedendo a todos a Bênção Urbi et Orbi.

"Cristo nasceu para nós! Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens do seu agrado: a todos chegue o eco deste anúncio de Belém, que a Igreja Católica faz ressoar por todos os continentes, sem olhar a fronteiras nacionais, linguísticas e culturais. O Filho de Maria Virgem nasceu para todos; é o Salvador de todos" – com essas palavras, o Papa iniciou sua mensagem de Natal.

O Santo Padre recordou uma antífona litúrgica antiga na qual Jesus é invocado como Emanuel, nosso rei e legislador "esperança e salvação dos povos". A antífona conclui-se com uma exortação: "Vinde salvar-nos, Senhor nosso Deus".

"Vinde salvar-nos", repetiu o Pontífice, ressaltando que "tal é o grito do homem de todo e qualquer tempo que, sozinho, se sente incapaz de superar dificuldades e perigos. Precisa de colocar a sua mão numa mão maior e mais forte, uma mão do Alto que se estenda para ele".

"Amados irmãos e irmãs, esta mão é Jesus, nascido em Belém da Virgem Maria. Ele é a mão que Deus estendeu à humanidade, para fazê-la sair das areias movediças do pecado e segurá-la de pé sobre a rocha, a rocha firme da sua Verdade e do seu Amor (cf. Sal 40, 3)."

Explicando o significado do nome daquele Menino (nome que, por vontade de Deus, Lhe deram Maria e José), Bento XVI precisou que o nome Jesus quer dizer "Salvador" (cf. Mt 1, 21; Lc 1, 31).

Ele foi enviado por Deus Pai para nos salvar, sobretudo – frisou o Pontífice –, do mal mais profundo que está radicado no homem e na história:

"O mal que é a separação de Deus, o orgulho presunçoso do homem fazer como lhe apetece, de fazer concorrência a Deus e substituir-se a Ele, de decidir o que é bem e o que é mal, de ser o senhor da vida e da morte (cf. Gn 3, 1-7). Este é o grande mal, o grande pecado, do qual nós, homens, não nos podemos salvar senão confiando-nos à ajuda de Deus, senão gritando por Ele: «Veni ad salvadum nos – Vinde salvar-nos!»

Em seguida, Bento XVI acrescentou que o fato de elevarmos ao Céu esta imploração já nos coloca na justa condição, na verdade do que somos nós mesmos: aqueles que gritaram por Deus e foram salvos.

"Deus é o Salvador, nós aqueles que se encontram em perigo. Ele é o médico, nós os doentes. O fato de reconhecer isto mesmo é o primeiro passo para a salvação, para a saída do labirinto onde nós mesmos, com o nosso orgulho, nos encerramos. Levantar os olhos para o Céu, estender as mãos e implorar ajuda é o caminho de saída" – exortou o Papa.

"Jesus Cristo é a prova de que Deus escutou o nosso grito. E não só! Deus nutre por nós um amor tão forte que não pôde permanecer em Si mesmo, mas teve de sair de Si mesmo e vir ter conosco, partilhando até ao fundo a nossa condição (cf. Ex 3, 7-12). A resposta que Deus deu, em Cristo, ao grito do homem, supera infinitamente as nossas expectativas, chegando a uma solidariedade tal que não pode ser simplesmente humana, mas divina. Só o Deus que é amor e o amor que é Deus podia escolher salvar-nos através deste caminho, que é certamente o mais longo, mas é aquele que respeita a verdade d’Ele e nossa: o caminho da reconciliação, do diálogo e da colaboração."

Unindo-se espiritualmente a tantas pessoas que atravessam situações particularmente difíceis, o Pontífice convidou-nos a fazer-nos voz daqueles que não a têm:

Juntos – exortou – "invoquemos o socorro divino para as populações do Nordeste da África, que padecem fome por causa das carestias, por vezes ainda agravadas por um estado persistente de insegurança. A comunidade internacional não deixe faltar a sua ajuda aos numerosos refugiados vindos daquela Região, duramente provados na sua dignidade".

O Papa pediu ao Senhor que conforte as populações do Sudeste asiático, particularmente da Tailândia e das Filipinas, que se encontram em graves situações de emergência devido às recentes enchentes.

Pediu que o Senhor socorra a humanidade ferida por tantos conflitos que ainda hoje ensangüentam o Planeta:

"Ele, que é o Príncipe da Paz, dê paz e estabilidade à Terra onde escolheu vir ao mundo, encorajando a retomada do diálogo entre israelenses e palestinos. Faça cessar as violências na Síria, onde já foi derramado tanto sangue. Favoreça a plena reconciliação e a estabilidade no Iraque e no Afeganistão. Dê um renovado vigor, na edificação do bem comum, a todos os componentes da sociedade nos países do Norte da África e do Médio Oriente."

Por fim, auspiciou que o nascimento do Salvador sustente as perspectivas de diálogo e colaboração em Myanmar à procura de soluções compartilhadas, e que o Natal do Redentor assegure estabilidade política nos países da região africana dos Grandes Lagos e assista o empenho do habitantes do Sudão do Sul na tutela dos direitos de todos os cidadãos.

O Pontífice concluiu com uma premente exortação:

"Amados irmãos e irmãs, dirijamos o olhar para a Gruta de Belém: o Menino que contemplamos é a nossa salvação. Ele trouxe ao mundo uma mensagem universal de reconciliação e de paz. Abramos- Lhe o nosso coração, acolhamo-Lo na nossa vida. Repitamos-Lhe com confiada esperança: «Veni ad salvandum nos».

Como dissemos, após a sua mensagem o Santo Padre dirigiu, em 65 línguas, as felicitações natalinas. Eis as suas felicitações aos de língua portuguesa:

"Feliz Natal para todos! O Nascimento do menino Jesus ilumine de alegria e paz vossos lares e Nações!"

Bento XVI concluiu concedendo a Bênção Urbi et Orbi, deixando, em seguida, sob os aplausos e acenos de saudação dos presentes na Praça São Pedro, o balcão central da Basílica Vaticana. (RL)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

MENSAGEM DE DOM DARIO CAMPOS PARA O NATAL/2011 (Vídeo)

MENSAGEM DE NETAL DE DOM DARIO CAMPOS

Meus irmãos e minhas irmãs.

O mês de dezembro chegou e com ele vamos celebrar e viver o nascimento de Jesus. Celebrar o nascimento de Jesus é, cada um de nós, sentir-se convocado a permitir que aconteça a festa da vida, ou seja, é o nosso render à Ele para que seja realizada a graça.

Deus continua a mostrar à humanidade seu amor e persistentemente que Ele não desanima de ser um apaixonado por nós. Deus ama a todos, de uma maneira muito especial os pobres e desvalidos. A prova de seu amor pelos menos favorecidos foi a maneira que Ele escolheu para se fazer um de nós. Primeiro no ventre imaculado da Virgem de Nazaré. Num tempo em que as filhas de reis esperavam ser a mãe do Messias, eis que Deus escolhe Maria. Mulher simples, noiva de José, filha de uma pobre família de Nazaré. Em Maria a ternura de Deus se manifesta em nós.

O Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo é um acontecimento histórico, enquanto realizado na história da humanidade, mas é, também, um dado de fé, pois é Deus se fazendo um de nós. O mistério da sua encarnação constitui o ápice da revelação d'Ele para toda a humanidade. Durante toda a história do povo de Deus podemos ver que o processo de revelação de Deus vai ganhando força e intensidade. Até que em Jesus, Deus se revela por inteiro. É nessa revelação tão frágil que Deus confunde os fortes.

É no silêncio da noite santa que a Palavra se faz carne e habita entre nós. É no aconchego da manjedoura que um Deus vem, na noite fria de outrora, aquecer o coração de toda humana criatura. O que acontece no Natal, a cada ano, é a renovação do convite de Deus para todos nós.

Que possamos, diante de uma inocente criança colocar todo o nosso ser para vivenciarmos o Deus conosco o "Emanuel"! Que Ele nos mostre a luz da alegria, para que nosso coração possa enxergar a sua plena revelação. Que o Natal de Jesus nos leve a um relacionamento e a um comprometimento com todos os que caminham conosco, pobres e ricos, jovens e velhos, para que todos possamos numa só voz proclamar: FELIZ NATAL!


Dom Dario Campos, ofm
Bispo Diocesano

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

PAPA NOMEIA NOVO ARCEBISPO METROPOLITANO DE NATAL

Nesta quarta-feira, 21 de dezembro, o papa Bento XVI nomeou arcebispo de Natal (RN), dom Jaime Vieira Rocha, transferindo-o da diocese de Campina Grande (PB), acolhendo o pedido de renúncia apresentado por dom Matias Patrício de Macêdo.

Dom Jaime Vieira que já foi bispo de Caicó (RN) de 1996 a 2005 quando foi transferido para Campina Grande (PB). Ele foi bispo referencial da Comissão Episcopal Regional para Vida e Família; administrador apostólico de Guarabira (PA) e bispo referencial da comissão episcopal regional para os ministério ordenados e a vida consagrada. Dom Jaime também é formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

A CNBB enviou saudação ao novo arcebispo:

Saudação da CNBB ao novo arcebispo de Natal

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) acolhe a nomeação de dom Jaime Vieira Rocha com muita satisfação e agradece ao Santo Padre por ter enviado à arquidiocese de Natal um extraordinário pastor. Esta nomeação é uma expressão paternal de carinho de Sua Santidade para honrar o trabalho dedicado e reconhecido do arcebispo emérito dom Matias Patrício de Macêdo e um gesto de profunda estima e consideração ao povo das comunidades da arquidiocese da capital do Rio Grande do Norte.

Dom Jaime tem uma história de vida muito marcada pela Igreja Particular que lhe é confiada. Em Natal, como padre, realizou variadas tarefas e foi reitor do Seminário Maior. Coordenou as CEBs e também serviu junto às pastorais sociais. Em Caicó (RN), onde foi bispo por 10 anos, deixou rastros de grande bondade e solicitude pastoral. E em Campina Grande (PB), desde 2005, Dom Jaime tem sido um lumiar para seu povo. Na última semana, ao dirigir uma mensagem de natal à diocese, ele confirmava o zelo pastoral chamando a todos para uma vivência profunda do Advento: “Enquanto nos preparamos para o Natal, é importante que entremos em nós mesmo e façamos uma renovação sincera da nossa vida, a fim de prepararmos o nosso coração e a nossa existência para a vinda do Nosso Salvador e Redentor, Jesus Cristo”.

Ensejamos os melhores votos de um pastoreio pleno de frutos. Que a verdade contida na expressão paulina assumida em seu lema episcopal “Scio Cui Credeti” (Sei em quem acreditei) continue a iluminar seu caminho e inspirar sua ação evangelizadora no nordeste do Brasil.

Apresentamos nossos cumprimentos, cheios de gratidão, ao arcebispo emérito dom Matias Patrício de Macêdo. Sua caminhada de serviço episcopal iniciada em Cajazeiras (PB), passando pela mesma Campina Grande e se encerrando em Natal foi marcada por grande dedicação à Igreja por meio de constante e abnegada entrega ao povo. Unimos-nos a todas as comunidades que louvam e bendizem a Deus pela seu trabalho e renovamos votos de saúde e serenidade nessa nova fase de vida.

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB

Fonte: Site da CNBB

ARQUIDIOCESE DE VITÓRIA DO ESPÍRITO SANTO GANHA DOIS BISPOS AUXILIARES E BELO HORIZONTE UM BISPO AUXILIAR

O Papa Bento XVI nomeou como bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG), o padre João Justino de Medeiros Silva. E como bispos auxiliares de Vitória(ES): padre Joaquim Waldimir Lopes Dias, atualmente Vigário Geral da Diocese de Jundiaí (SP) e o padre Rubens Sevilha, atualmente Provincial dos Carmelitas Descalços no Sudeste do Brasil.


Monsenhor João Justino de Medeiros Silva
Em Belo Horizonte (MG), chega monsenhor João Justino de Medeiros Silva. Filho da cidade de Juiz de Fora, ingressou no Seminário em 1984. Graduou-se em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora e em Pedagogia pelo CES/JF. Foi ordenado presbítero em 13 de dezembro de 1992. Continuou sua formação teológica na Universidade Gregoriana em Roma onde obteve, em 1997, o título de Mestre e, em 2003, de Doutor em Teologia. Na arquidiocese de Juiz de Fora (MG) fez o seguinte itinerário: exerceu o ministério de pároco-solidário na Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Benfica e da paróquia Bom Pastor. Desde 2004 é vigário paroquial da paróquia São Pedro e exerceu três mandatos como vigário da forania Santo Antonio. Foi formador no Centro Vocacional Nossa Senhora da Conceição, professor do Curso de Teologia do CES/ITASA, vice-reitor e reitor do Seminário Arquidiocesano. Em 2010, foi nomeado Vigário Episcopal para a Cultura, Educação e Juventude. Além de membro secretário do Colégio dos Consultores, Monsenhor João Justino trabalhou como assessor da Comissão Episcopal Pastoral da CNBB e desde 2007 é membro do grupo de teólogos peritos da referida Comissão. Foi secretário da Organização dos Seminários e Institutos do Brasil (OSIB) do regional Leste II da CNBB. É professor visitante do Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário de caratinga (MG).

Monsenhor Rubens Sevilha

Monsenhor Joaquim Wladimir Lopes Dias
Em Vitória (ES), chegam os monsenhores Joaquim Wladimir Lopes Dias e Rubens Sevilha. Monsenhor Joaquim nasceu em Cafelândia (SP), estudou em sua cidade e em Bauru (SP) antes de ir para a Faculdade em Jundiaí (SP), aonde cursou administração de empresas. Estudou teologia em São Paulo e foi ordenado no dia 12 de dezembro de 1997, em Jundiai. Co-diretor do Cursilho de Cristandade por um ano e diretor até os dias atuais. Foi vigário das paróquias São Sebastião, em Itupeva (SP) e Nova Jerusalém, em Jundiai. Pároco da paróquia São Francisco de Assis em Campo Limpo Paulista (SP), da paróquia Nossa Senhora da Piedade em Várzea Paulista (SP) e da paróquia São Roque em Jundiai. Foi presbítero a serviço da Diaconia Territorial Santo Antonio em Campo Limpo Paulista e vice-reitor e reitor do Seminário de Filosofia e Teologia Nossa Senhora do Desterro, em Jundiai. Monsenhor Joaquim Waldimir também foi Administrador Diocesano e Vigário geral da diocese de Jundiai.

Monsenhor Rubens Sevilha é membro da Ordem dos Carmelitas Descalços (OCD). Nascido em Taraby (SP), cursou Filosofia na Faculdade Nossa Senhora Medianeira dos Jesuítas em São Paulo e Teologia no Colégio Teológico Internacional do Teresianum em Roma. Foi ordenado em 19 de outubro de 1985 e exerceu as seguintes atividades: Mestre dos postulantes, em Caratinga (MG); Mestre de noviços, em São Roque(SP); Provincial dos Carmelitas Descalços no Sudeste do Brasil em 1996. Assistente Espiritual da Associação Santa Teresa das Monjas Carmelitas Descalças; conselheiro da província e pároco da paróquia Santa Terezinha de Higienópolis, em São Paulo; reitor da Basílica de Santa Teresinha no Rio de Janeiro e, novamente, provincial dos Carmelitas Descalços no Sudeste do Brasil.

Leia a saudação da CNBB:

Saudações aos novos bispos auxiliares de Belo Horizonte e de Vitória

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) acolhe, com alegria, a nomeação dos três novos bispos auxiliares anunciados nesta quarta-feira, 21 de dezembro, pela Santa Sé: João Justino de Medeiros para arquidiocese de Belo Horizonte (MG) e Joaquim Wladimir Lopes Dias e Rubens Sevilha para arquidiocese de Vitória (ES).

Aos três novos bispos enviamos os mais cordiais cumprimentos pelo generoso sim à nova missão que a Igreja lhes confia. Na comunhão episcopal, nos colocamos em espírito de oração para pedir pelo êxito da pastoral que realizarão em auxílio aos arcebispos de Belo Horizonte e de Vitória.

Monsenhor João Justino deixa a arquidiocese de Juiz de Fora (MG) depois de realizar um proveitoso itinerário como professor, pároco e formador. Monsenhor Joaquim Wladimir vai para Vitória depois de um caminho de muito entusiasmo e longa prestação de serviços ao povo da diocese de Jundiaí (SP) e Monsenhor Rubens Sevilha leva para o episcopado toda a significativa caminhada religiosa junto aos seus irmãos Carmelitas Descalços no Sudeste do Brasil.

Unimo-nos às comunidades das arquidioceses que recebem os novos bispos para entoar um canto de ação de graças pela chegada de cada um deles e confiamos à Nossa Senhora, o ministério de todos.
 
Brasília, 21 de dezembro de 2011
 

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB

Fonte: Site da CNBB

SOLENIDADES PRESIDIDAS PELO PAPA DURANTE O PERÍODO DO NATAL

Cidade do Vaticano (RV) – Na noite de 24 de dezembro, o Papa vai presidir a Missa do Galo na Basílica de São Pedro. A Celebração Eucarística vai ser precedida pela Liturgia da Palavra e do canto da Kalenda, com início às 21h (18h de Brasília). A Missa do Galo será transmitida ao vivo pelo Programa Brasileiro a partir das 21h50min (18h50min de Brasília).

Missa do Galo? Por quê?

Frei José Ariovaldo, de Petrópolis no Rio de Janeiro, explica. “Antigamente, muito antigamente, não existia relógio. E como é que à noite as pessoas calculavam a passagem do tempo? Pelo cantar do galo! Assim, guiadas pelo primeiro canto do galo (lá pela meia-noite), na noite de Natal, as comunidades se reuniam nas igrejas para celebrar a Eucaristia. Por isso, apelidaram a Celebração de “Missa do Galo”.

Já no domingo, 25 de dezembro, do balcão central da Basílica de São Pedro, o Papa dirige sua mensagem natalícia ao mundo e, no final, concede a Benção “Urbi et Orbi” (Para a cidade e para o mundo). A partir das 11h50min (8h50min de Brasília) o Programa Brasileiro transmitirá ao vivo a Cerimônia na qual o Papa se dirige ao mundo em mais de 60 idiomas.

No sábado, 31 de dezembro, para a Solenidade das Vésperas de Maria Santíssima Mãe de Deus o Papa presidirá a Celebração com a exposição do Santíssimo Sacramento, o tradicional canto do hino “Te Deum” de fim de ano e com a Benção de Fim de Ano.

No domingo, 1° de janeiro, Solenidade de Maria Santíssima Mãe de Deus, a partir das 9h30min o Papa celebra a Santa Missa lembrando-se da Jornada Mundial da Paz cujo tema para 2012 é “Educar os jovens à justiça e à paz”. O Programa Brasileiro transmitirá a Celebração a partir das 9h20mim (6h20min de Brasília) direto da Basílica de São Pedro.

Em 6 de janeiro, Solenidade da Epifania do Senhor, o Santo Padre celebrará a Missa na qual vai conferir a Ordenação Episcopal a dois presbíteros: o Núncio Apostólico na Irlanda, Dom Charles Brown e Marek Solczyński, Núncio Apostólico na Geórgia e Armênia. O Programa Brasileiro transmitirá ao vivo, em língua portuguesa, a Solenidade da Epifania a partir das 9h20min (6h20min de Brasília).

Ao final do período de Natal, no domingo 8 de janeiro, na Capela Sistina, Bento XVI celebrará a Festa do Batismo do Senhor, na qual administrará o Sacramento do Batismo a algumas crianças. O Programa Brasileiro transmitirá a Celebração ao vivo, a partir das 9h35min (6h35min de Brasília), direto da Capela Sistina, no Vaticano.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

HORÁRIO DAS CELEBRAÇÕES DE NATAL

As Celebrações Eucarísticas do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo acontecerão no Santuário de Nossa Senhora da Consolação com a participação das Comunidades Eclesiais de Base que compõem a Paróquia.

24 DE DEZEMBRO DE 2011 (SÁBADO)

Vigília de Natal às 20 horas.

Nesse dia não haverá Missa às 06h30min


25 DE DEZEMBRO DE 2011 (DOMINGO)

Não haverá Missa às 06h30min

17:00 horas - Celebração Eucarística

19:00 horas - Celebração Eucarística

Nas Comunidades Eclesiais de Base haverá Celebração nos horários de costume.

MENSAGEM DE NATAL DO PRIOR GERAL DA ORDEM DOS AGOSTINIANOS RECOLETOS

Todos os anos o Prior Geral da Ordem dos Agostinianos Recoletos envia sua mensagem de Natal à Família Agostiniana espalhada pelo mundo. Apresentamos a mensagem de Natal para este ano de 2011, feita por Frei Miguel Miró.

domingo, 18 de dezembro de 2011

ORDENAÇÃO DIACONAL

Na manhã do IV Domingo do Advento, a Igreja Particular presente em Cachoeiro de Itapemirim, Sul do Estado do Espírito Santo, reuniu-se para a Celebração Eucarística em que 04 (quatro) homens foram ordenados diáconos pela imposição das mãos de D. Dario Campos, ofm - bispo diocesano - e pela oração da Comunidade presente.

Foram ordenados diáconos da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim: Fábio Eduardo Lima dos Santos, Alessandro de Andrade, Jhauber Luiz Moreira da Silva e Dênis Lesqueves Neto, sendo que o Sr. Alessandro (foi ordenado diácono permanente) e os demais diáconos transitórios.

A Celebração Eucarística teve início às 10 horas da manhã, no Campus I, do Centro Universitário São Camilo - Espírito Santo, com a participação de grande número de fiéis advindos de diversas cidades do Sul do Estado do Espírito Santo, bem como de outras cidades do país. Após a celebração eucarística foi servido o almoço para todos os presentes.

Dentre os religiosos presentes a essa celebração destacamos Frei Didier Esperidião Neto, oar (vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Consolação) e o Frei Cleberson, oar (estudante de teologia do Teologado Santa Mônica) cidade de São Paulo - SP.







REFLEXÃO PARA O 4º DOMINGO DO ADVENTO

Cidade do Vaticano (RV) - A leitura do Segundo Livro de Samuel nos dá um alerta de que não poderemos enquadrar Deus dentro dos nossos esquemas e, até, deveremos desconfiar de nossas “boas intenções”.O rei Davi tem uma idéia que aparentemente é santa –construir um belo templo para guardar a Arca da Aliança - mas na verdade seu inconsciente deseja justificar a grandiosidade de seu palácio e posicionar Deus em um local.

Ora, Deus não se enquadra e, menos ainda pode ser usado para justificar nossos caprichos e veleidades. O Senhor, ao contrário, diz a Davi que será Ele -Deus- quem edificará uma casa para Davi, mas não será algo que poderá envelhecer e precisar de reparos. Deus dará a Davi uma importantíssima descendência, uma casa no sentido mais nobre, e da qual nascerá o Salvador. E esse Salvador, Jesus, mais tarde ao ser interrogado pela samaritana sobre qual o local apropriado para se reverenciar Deus, responderá que Deus deve ser adorado em qualquer parte por pessoas autênticas e que buscam a verdade.

Após essa reflexão poderemos nos perguntar sobre qual visão temos de Deus, qual nosso modo de nos relacionar com Ele? Queremos manipulá-lo, trazê-lo para justificar nossos interesses ou estamos abertos para a novidade que Ele é, sem tentar ajustá-lo ao nosso modo de ser, pelo contrário, adaptando-nos ao Seu querer?

Essa será a reação dos personagens de Nazaré.

Deus vai buscar uma virgem, em Nazaré, um lugar social e economicamente desprezável. Ora, virgem na mentalidade da época era uma pessoa desprezível, que não havia atraído sobre si o olhar de nenhum homem. No entanto é exatamente aí, em um povoado abjeto e em uma pessoa sem importância que Deus irá se encarnar.

Por outro lado, Maria e José terão suas vidas totalmente mudadas por Deus. Eles haviam planejado um casamento comum e uma vida tranqüila. Deus entrou na vida dos noivos dizendo a Maria que Ele gostaria que ela fosse mãe de Seu Filho e que a ação seria por conta do Espírito Santo.
Maria, generosamente deu o seu sim, sem exigir maiores explicações, mas apenas obedecendo a Deus e confiando em Seu amor.

José, de repente, percebeu que sua noiva estava e que ele não era o responsável. Ele nada entendeu, mas não quis difamar aquela que, a seus olhos, era honesta. Não entendeu e procedeu de modo justo. Deus foi a seu socorro e o fez entender o que se passava.

Porque Maria e José foram abertos à vontade de Deus, acolhendo a missão dada a eles, a Humanidade foi redimida e eternamente lhe é grata, ao sim de Maria e ao sim de José.

Deixemo-nos tocar por Deus. Cabe a Ele a conduzir Seu plano de amor para nós e nosso papel no mundo. Digamos como Maria, “Faça-se em mim segundo a tua palavra.” (CA)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

JMJ Rio2013: organizadores explicam andamento dos preparativos

Rio de Janeiro (RV) - A comissão do Comitê Organizador Local (COL) da JMJ Rio2013 retornou em 14 de dezembro de Roma, com uma bagagem cheia de boas notícias. O grupo participou nos dias 12 e 13 de reuniões na sede do Pontifício Conselho para os Leigos e foram dados mais alguns passos para a consolidação da Jornada. Além da data, anunciada oficialmente – a JMJ Rio2013 será entre os dias 23 e 28 de julho de 2013 –, a notícia da aprovação da logomarca animou a todos. Estão previstas ainda outras duas reuniões para o ano que vem: a primeira será no Rio de Janeiro, no final de fevereiro de 2012, e a outra, de 28 de março a 1º de abril, em Roma.

Os locais onde serão realizados os atos centrais ainda não foram decididos. “A Arquidiocese do Rio de Janeiro apresentou ao Pontifício Conselho inúmeras possibilidades para que o Dicastério, com sua experiência, pudesse indicar se estamos no caminho certo ou não. No momento, não existe nenhuma definição de lugares, pois agora é o momento da Arquidiocese do Rio conversar com os organismos dos governos federal, estadual e municipal para concretizar os locais” - enfatizou Mons. Joel Portella Amado, coordenador da JMJ Rio2013.

Ele lembrou ainda que esta não será uma escolha fácil e que ela não poderá ser feita em uma única reunião, pois são muitas as implicações: “Imagine uma área capaz de acolher todos os peregrinos, transportes, infra-estrutura e tudo mais. As autoridades civis têm que necessariamente ser ouvidas e a decisão tomada com cautela e tranquilidade”.

Monsenhor Joel ressaltou também que a Jornada não se restringe a estes momentos ‘maiores’. Eles dão visibilidade à Jornada, mas ela contém muitos outros eventos, como encontros catequéticos, momentos de oração, atividades missionárias. “Aqui se aplica o famoso ditado da ponta dos icebergs: vemos só uma parte, a que mais aparece. Por baixo da água, onde não se vê com facilidade, há muito mais”, pontuou.

Ele explicou que na reunião foram unidos dois elementos importantes em uma Jornada: de um lado, a experiência do Pontifício Conselho, que desde a primeira Jornada, em âmbito mundial, em 1987, tem a responsabilidade sobre as elas. Como organismo da Santa Sé, o Pontifício Conselho é o responsável pelos eventos que dizem respeito a toda a Igreja. “De outro lado, temos a realidade local, no caso, o Rio de Janeiro. Somos nós os cariocas que conhecemos a cidade, com suas características. Cabe a nós concretizar o espírito da Jornada na realidade específica do Rio de Janeiro”, disse.

A finalidade maior foi permitir que o Pontifício Conselho conhecesse algumas propostas que a Arquidiocese do Rio tem para a Jornada e verificasse se estas propostas estão de acordo com a identidade da Jornada. “Para o COL, a reunião ajudou a confirmar que estamos no caminho certo”, afirmou o coordenador.

Participaram do encontro o presidente do Pontifício Conselho para os leigos, Cardeal Stanislaw Rilko, os subsecretários, o Setor Juventude e um representante da Fundação João Paulo II. Pelo COL estavam o arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, os bispos-auxiliares que acompanham mais de perto a Jornada, Dom Antonio Augusto Dias Duarte e Dom Paulo Cezar Costa, pela coordenação geral Monsenhor Joel Portella Amado e os padres Márcio Queiroz, Marcos William Bernardo e Renato Martins. Esteve presente também Padre Anísio José, religioso dehoniano, que atualmente estuda em Roma e que conhece bem a realidade da Jornada. (CM-CNBB)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

PAPA NOMEIA BISPO DE SÃO RAIMUNDO NONATO (PI)

Cidade do Vaticano (RV) – Nesta quarta-feira, 14, o Santo Padre nomeou Bispo da Diocese de São Raimundo Nonato (PI) Dom João Santos Cardoso, até então coordenador da Pastoral e Pároco na Arquidiocese de Vitória da Conquista (BA).

Dom Cardoso nasceu em dezembro de 1961 em Dário Meira, diocese de Jequié (Bahia). Depois dos estudos em Ilhéus e em São Paulo, fez seu Doutorado em Filosofia na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma (1995-2002). Foi ordenado sacerdote em 1986 em Vitória da Conquista.

Exerceu inúmeros cargos em Vitória da Conquista e na Itália e atualmente exercitava seu ministério como Pároco da Paróquia “Nossa Senhora das Graças”, em Vitória da Conquista, Professor de Filosofia em várias Universidades e Coordenador de Pastoral da Arquidiocese de Vitória da Conquista.

A Diocese de São Raimundo Nonato estava vacante desde a transferência do bispo Dom Pedro Brito Guimarães para Arcebispado de Palmas (TO).

Com quase 40 mil Km², a Diocese tem uma população de 185 mil habitantes, espalhados em 27 municípios.

Em mensagem divulgada esta quarta-feira pelo novo Bispo, Dom João louva a Deus "por estar me enviando a esse rebanho, no meio do qual me coloco como aquele que serve, para apascentá-lo, assistido pelo Espírito Santo, com a colaboração do presbitério, em comunhão com a Igreja Universal e sob a autoridade do Santo Padre".

"Sou ciente dos desafios que a missão comporta, mas confio que o mesmo Senhor que me envia a vós me revista de toda a graça e força necessárias para que eu possa desenvolver com zelo, amor e ardor missionário, como sucessor dos apóstolos, o encargo de ministro de Cristo e principal dispensador dos mistérios de Deus", escreve o Bispo.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

COMUNIDADE CELEBRA SUA PADROEIRA

A Comunidade Eclesial de Base Santa Luzia, no Bairro Vila Rica, celebrou no dia 13 de dezembro de 2011, a festa de sua padroeira, com a Celebração Eucarística presidida pelo pároco Frei Domingos Sérgio Gusson, oar. Antes da celebração da Santa Missa aconteceu a procissão com a imgem da padroeira por algumas ruas do bairro.

Ao término da Missa foi relatado com muita alegria os ensinamentos vividos pela Comunidade na novena que foi celebrada com a presença de vários diáconos da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim e pelo Ministro Extraordinário da Pregação da Palavra de Deus (José Maria) da Comunidade Eclesial de Base Jesus de Nazaré.

O interessante é que a imagem da padroeira da Comunidade, durante a novena, pecorreu as residências da Comunidade e saía da residência à capela, importante passo missionário dessa comunidade eclesial.







terça-feira, 13 de dezembro de 2011

CONFIRMADA A DATA DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE 2013


Nesta terça-feira, dia 13 de dezembro de 2011, foi confirmada pelo Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, a data que acontecerá a Jornada Mundial da Juventude na Cidade do Rio de Janeiro, com a presença de Sua Santidade o Papa Bento XVI, será no período de 23 a 28 de julho de 2013.

Então você que é jovem pode começar a organizar, sua caravana, fale com seus amigos, espalhe essa boa notícia a JMJ 2013 já tem data marcada. Vamos Participar!

13 DE DEZEMBRO: DIA DE SANTA LUZIA

A Comunidade Eclesial de Base Santa Luzia, no Bairro Vila Rica, está em festa, em comemoração a sua padroeira.

Parabéns a todos os agentes de pastoral que atuam nessa belíssima Comunidade!


BREVE HISTÓRICO DE SANTA LUZIA

O nome de Santa Luzia deriva do latim e significa: Portadora da luz. Ela é invocada pelos fiéis como a protetora dos olhos, que são a "janela da alma", canal de luz.

Ela nasceu em Siracusa (Itália) no fim do śeculo III. Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, a ponto de ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe, chamada Eutícia, a queria casada com um jovem de distinta família, porém, pagão.

Ao pedir um tempo para o discernimento e tendo a mãe gravemente enferma, Santa Luzia inspiradamente propôs à mãe que fossem em romaria ao túmulo da mártir Santa Águeda, em Catânia, e que a cura da grave doença seria a confirmação do "não" para o casamento. Milagrosamente, foi o que ocorreu logo com a chegada das romeiras e, assim, Santa Luzia voltou para Siracusa com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimentos pelos quais passaria, assim como Santa Águeda.

Santa Luzia vendeu tudo, deu aos pobres, e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Não querendo oferecer sacrifício aos falsos deuses nem quebrar o seu santo voto, ela teve que enfrentar as autoridades perseguidoras. Quis o prefeito da cidade, Pascásio, levar à desonra a virgem cristã, mas não houve força humana que a pudesse arrastar. Firme como um monte de granito, várias juntas de bois não foram capazes de a levar (Santa Luzia é muitas vezes representada com os sobreditos bois). As chamas do fogo também se mostravam impotentes diante dela, até que por fim a espada acabou com vida tão preciosa. A decapitação de Santa Luzia se deu no ano de 303.

Conta-se que antes de sua morte teriam arrancado os seus olhos, fato ou não, Santa Luzia é reconhecida pela vida que levou Jesus - Luz do Mundo - até as últimas consequências, pois assim testemunhou diante dos acusadores: "Adoro a um só Deus verdadeiro, e a Ele prometi amor e fidelidade".

Santa Luzia, rogai por nós!

Fonte: Site da Canção Nova

domingo, 11 de dezembro de 2011

3º DOMINGO DO ADVENTO: O ESPÍRITO DE NATAL

Cidade do Vaticano (RV) - O belíssimo trecho de Isaías escolhido para a liturgia deste domingo nos fala do anúncio da boa nova aos pobres, aos sofridos, aos marginalizados. É Deus quem conduz seu profeta para acarinhar o pequeno com a mensagem de libertação, de alegria, de vida. O profeta diz que Deus o vestiu com as vestes da salvação e o envolveu com o manto da justiça.

Do mesmo modo Isaías tem certeza desse carinho de Deus pelo povo sofrido e canta: “Exulto de alegria no Senhor e minha alma regozija-se em meu Deus”, como fará Maria, tempos depois: “ A minha alma glorifica o Senhor, e o meu espírito exulta em Deus meu Salvador!”

As vestes a que se refere Isaías nos indicam a união definitiva do povo com o Senhor, união que na Bíblia sempre é identificada como um casamento, aliás é o casamento por excelência. Dentro de nossa visão judaico-cristã, o casamento quer simbolizar a entrega e a união de Deus com seu povo.

Para permitir que o noivo, o Senhor venha até nós e nos despose, é necessário que antes O permitamos nos vestir com a justiça e a salvação. O Senhor quer nos redimir, mas respeita nossa liberdade. Nosso comportamento deve demonstrar que ardemos de desejo por sua salvação e por isso nos convertemos mudando nosso modo de viver, de encarar a realidade.

O final do Evangelho nos diz que João Batista preparava as pessoas para o encontro com Deus, do outro lado do Jordão. Isso significa que atravessar o Jordão é assumir uma vida nova como no casamento. Popularmente falamos “casou e mudou”. Quem adere a Jesus, une-se a ele para sempre e muda de vida.

No Evangelho a figura de João Batista, austera e sisuda, prega a conversão e mais que qualquer outro profeta, revela, mostra o Messias presente em meio ao povo.
Maria nos deu Jesus, João Batista o aponta.

Ao mesmo tempo, João Batista nos dá uma lição de humildade, de honestidade, não aceitando nenhum título, por honroso que seja, que falseie sua identidade. Ele não é o Messias, não é Elias e nem um dos grandes profetas. Ele se auto-denomina “a voz”, “a voz que clama no deserto”.

Se pensarmos bem, a voz tem uma missão ao mesmo tempo passageira e permanente. Passageira porque assim que leva a mensagem, ela desaparece. Tem missão permanente enquanto a mensagem que porta permanece para sempre na memória e no coração de quem a recebeu.

Por isso João Batista se intitula a voz. Ele anuncia Jesus Cristo, a luz, e este assume o protagonismo, enquanto o outro desaparece. João nos traz a luz e, cumprida a missão, desaparece.

Também temos a missão de levar Cristo, levar a luz a todos. Essa missão a recebemos de modo sacramental quando, no batismo, o padre nos colocou uma vela acesa em nossas mãos e nos incumbiu de levarmos sempre conosco essa luz, a luz de Cristo e de a mantermos acesa até a vida eterna.

Tanto Maria, como Isaías, como João Batista foram anunciadores da chegada do Messias, dos novos tempos. Somos convidados também a essa missão. Para executá-la, deveremos estar revestidos de justiça e com a perspectiva da salvação. Juntamente com essas vestes, tenhamos consciência de que somos apenas um veículo para o Messias, de que ele é o protagonista, ele deverá aparecer e brilhar, ele é a luz!

Essa missão não é um arrogar-se sobre si uma tarefa sublime, mas ela nos foi imposta no dia de nosso batismo, ao recebermos a vela acesa no círio pascal.

Essa luz deverá brilhar sempre, seja em momentos harmoniosos, seja em momentos de conflitos. Ela é a luz que deve sempre imperar porque é a luz da Vida. Essa luz ilumina sempre e aquece porque é a Luz de Deus.

O denominado espírito de Natal é um clima de alegria, harmonia e paz, não porque as pessoas resolveram esquecer problemas e conflitos, mas porque estão mais sensíveis ao sentido da proximidade do Senhor, do Emanuel, Deus – Conosco.

Esse clima, esse espírito deveria estar sempre presente em meio aos cristãos e em qualquer situação. Exatamente aí onde as coisas não estão claras, onde a dúvida e dor se fazem presentes, exatamente aí se precisa da Luz de Cristo, desse espírito de harmonia, de paz, de lucidez.

Preparemo-nos para essa união profunda e radical com o nosso Deus, simbolizada pelo casamento, permitindo ao Senhor que nos vista com as vestes da salvação e nos envolva com o manto da justiça e que em nossa vida resplandeça a Luz de Cristo.

Vem Senhor Jesus, Vem! (CAS)

Fonte: Site da Rádio Vaticano